18 de set de 2015

Dizem por aí que, é, ando sumida

Oi, você! Tudo bem? Quanto tempo, não?

A não ser que você me visite anualmente, provavelmente notou que andei deixando criar uma camada de poeira em cima de cada post dessa home. Deixei criar camadas de pó nas outras redes sociais também, mas não vem ao caso. Mas a minha desculpa (que também é um pedido de desculpas) é que andei ganhando algumas camadas reais de poeira pra passar um paninho.

E não é que Joana virou Amélia? Se você não sabe, eu curso Administração há dois anos em uma cidade que eu não morava. Eram quatro horas diárias na estrada todo dia e isso, parças, cansa muito. Então esse semestre fui morar sozinha. E comecei a cursar Comércio exterior simultaneamente. E entrei para projetos de pesquisa. E tive que aprender a cozinhar, limpar e lidar com a realidade adulta que não existem gnomos que lavam a louça magicamente enquanto você dorme. 

Quando a gente tá sozinha pela primeira vez, tem muita coisa nova acontecendo. Principalmente quando é numa cidade relativamente bem maior que a qual se está acostumado. Tem a primeira chave quebrada dentro da porta (uma ótima história, na verdade), a primeira panela queimada, além de uma quantidade ótima de ônibus perdidos e outras coisas quebradas também. 

Por isso que eu não postei. Pouco escrevi, também. Menos ainda li, ultimamente. Não vou dizer que não tenho tempo porque seria mentira e você sabe que eu acredito que todo mundo tem tempo pra tudo e se você não tem tempo é balela. Não tenho organização, tá aí. Também não tenho internet, mas isso só é desculpa por mais uma semana, com a graça de jesus.

Juro que vou tentar atualizar seguido, ok? Eu sinto falta de escrever, criticar com gifs e fazer péssimas piadas a respeito de qualquer coisa. Vou tentar fazer isso diariamente de novo, prometo. E LOGO! Enfim, só achei que deveria me explicar para você não perder a fé em mim e continuar me visitando. 

Um beijo e até mais ver ♥

3 de set de 2015

Playlist da semana (da quinzena? do mês? do atraso?)

Não publico mais playlist há bastante tempo. Não publico bastante coisa há bastante tempo. Estou perdida e envergonhada, desculpa aí. Vou tentar ganhar seu perdão e seu acesso com essa playlist, a primeira em muito tempo. Ela tá sensacional, na boa. Selecionei várias delicias dos últimos dias e você vai até esquecer que veio me visitar dia sim e o outro também e eu não tinha limpado a poeirinha dessa home.


Teve sucesso nas últimas semanas, e essa playlist é a face da animação. Talvez nem tanto, mas tá dançante, vai. Quer autoestima renovada? Que tal começar com as músicas amor próprio de Hailee Steinfeld e Demi Lovato? A atriz de Pitch Perfect 2 tá se lançando na carreira de cantora e tá incrível com Love myself, assim como Demi tá dextruidora com esses novos trabalhos, como Confident. Quem também está dextruindo tudo é a rainha de 2015, menina Taylor, que lançou clipe para Wildest dreams. Tá A year without rain? Tá! Tá zoando relacionamentos marketeiros? Tá! Tá deusa? Tá!

Da lista de descobertas em séries, tem Touch, que Scream me apresentou (MTV ♥) e I'll be there for you - Friends precisava estar representada de alguma forma, né não? Outra música ótima que descobri no seriado do Panico é Set this heart on fire, do Machineheart, que não existe no youtube ou soundcloud (mas juro, a música existe, é só catar).

Por fim, dobradinha do Fall out boy, que está fazendo um sucesso danado em pleno 2015. Você já ouviu o album novo dos moços? Ouça, porque eles estão de parabéns. Para representar, escolhi o single Uma Thurman e a faixa título, American beauty/American psycho.

2 de set de 2015

Quando Saturno voltar • Laura Conrado


Autora: Laura Conrado
Editora: Globo Livros
ISBN: 9788525060037
Páginas: 248
Comprar
Duas coisas que me fizeram querer ler Quando Saturno voltar
1. Migos do twitter amam Laura Conrado; 
2. No mundo da Luna, que amo forte, amo pra vida toda, e tem uma trama semelhante. 
Dois fatores não muito expressivos, porém fortíssimos para mim. Se Carina Rissi transformou misticismo num dos meus romances favoritos, com certeza Laura Conrado, que o twitter ama, também faria um bom trabalho.

Eu entendo que a trama de chick lits é, teoricamente, uma mulher de quase trinta anos tendo uma crise de meia idade, precisando encontrar um pai para seus dois filhos, que serão um casal e se chamarão Paula e Paulo. Não vou usar a base do gênero contra ele, prometo. A questão é que, em alguns casos, o livro não rola de ser engraçado como uma comédia romântica, e acaba se tornando desesperado como um drama de baixa qualidade. 

Isso é um tiro no pé.
A protagonista é Déborah, que trabalha como assessora de imprensa de um time de segunda divisão e tem um namorado sério há anos, Sérgio, futuro médico. Não é o emprego ou o cara dos sonhos, mas, veja bem, é um emprego e um cara (que será médico!). Então que uma vez no Chile, Déborah conhece uma cigana que lhe fala sobre uma guinada na vida e a volta de Saturno. Quando Déborah encontra um cara bonito no avião, Henrique, só pode ser disso que a cigana falou! CARA, SÓ PODE SER! CLARO QUE É!

Na sinopse fala que Déborah vai conhecer Henrique, e então ele vai desafiá-la a mudar sua vida. Hum, pera lá, não. O que eu esperava quando comecei o livro era essa super história sobre amadurecimento, sobre jogar o conforto para o alto e revolucionar a própria rotina monótona. E isso não acontece. Déborah conhece Henrique, sai com Henrique. Ela tem um namorado, que mesmo sendo chato, é um namorado. Começou errado, miga. 
No decorrer do livro, a protagonista não vai melhorando e crescendo por vontade própria, ou por se sentir desafiada por esse cara novo. Não! Na verdade, Déborah só cresce depois de se afundar na própria crise e se afogar com os próprios erros. Tá proibido errar e aprender? Óbvio que não! Só quero dizer que simplesmente não é tão instigante quando você se levanta por estar sendo obrigada a sair do chão, não por vontade própria. Não sei se fui clara, mas sei lá, não senti força vindo de Déborah, só autopiedade.

E tenha santa paciência para autopiedade.
O desenvolvimento é meia boca e o final é corrido e sem jeito. Não sei dizer para você, contudo, o porquê que não larguei o livro e o devorei no total de uma manhã. A narrativa flui, mesmo que o enredo todo faça querer bufar. Talvez eu tenha começado com o livro errado de Laura Conrado, mas, bem, Quando Saturno voltar não foi aquela experiência toda que o twitter prometeu. 

1 de set de 2015

As 04 estreias que quero ver em setembro - um show de autocontrole!

Não sou mais a louca da fall season, parabéns para euzinha! Se nos antigamentes chegava setembro e eu colocava TUDO na grade, agora sou enjoada e faço pré seleções, seleções e pós seleções de pilotos. Eu sei, um controle danado. É por isso que hoje, primeiro de setembro, estou aqui com uma listinha ínfima de quatro (eu disse: Q•U•A•T•R•O) novos seriados que vão ganhar espaço na minha lotada agenda. Estou sentindo cheiro de sucesso!
Ryan Murphy tem dois sucessos nas costas e, ao misturá-los, vai conseguir um terceiro, que atenderá pelo nome de Scream Queens. Essa série será babadeira, estou sentindo. A impressão que tenho é que a equipe de marketing da Fox fez uma pesquisa tremenda e juntou vários elementos certeiros para um seriado com fandom gigante. Scream Queens é terror, é comédia, é Mean girls na faculdade. Tem Emma Roberts, Lea Michele, Voz Aguda Grande, Diego Boneta e Nick Jonas. Todo mundo vai morrer? Verdade, então mal posso esperar pela escalação da segunda temporada. 
Onde: Fox
Quando: 22/setembro
Tem um filme de 2011 em que o Bradley Cooper está com a vida no buraco e descobre uma droga que faz o QI aumentar e o cérebro trabalhar em 100% da capacidade. Talvez você já tenha assistido, ou esteja como eu: enrolando. Hora para parar com isso! Limitless não é mais só um longa metragem - a história vai continuar nessa produção para televisão. Bradley não é mais o protagonista, mas faz participação ao apresentar Brian Finch, que vai se envolver com essa droga milagrosa no seriado. Você consegue imaginar a infinidade de arcos dessa trama? Tô ansiosa!
Onde: CBS
Quando: 22/setembro
Academia de treinamento, FBI, ataques terroristas e muitos plots twists: essa é a fórmula de Quantico, que já está causando burburinho antes mesmo de estrear. A série é aposta da ABC para as noites de domingo, e você sabe que isso é sinônimo de enredo bom, confuso  ousado. Só espero que o potencial não faça se perder na vida como aconteceu com Revenge e Once upon a time.
Onde: ABC
Quando: 27/setembro
Para alguém que curte tanto a dinamicidade de tramas de 20 minutos, escolher apenas uma comédia entre as estreias é algo inesperado. O que posso fazer se apenas The Grinder propôs um plot ligeiramente diferente? Protagonizada por um ator que teve sua série cancelada, a comédia vai seguir esse cara enquanto ele retorna para o seio da família e decide aproveitar suas habilidades teatrais para se tornar um advogado. Estou com a impressão que será uma mistura de seriado criminal com piadas ruins, então pode dar muito certo.