24 de out de 2014

Billy and me — Giovanna Fletcher


Autora: Giovanna Fletcher
Editora: Penguin
ISBN: 9781405909952
Páginas: 416
Nível de inglês: Médio
Comprar
Ver livros gringos em destaque em livrarias nacionais não é uma coisa muito comum. Menos comum ainda é ver, na página inicial, um livro que não tem filme, que não tem versão brasileira, que não é de nenhum autor com outras vinte publicações, nem nada do tipo. Um livro, até então banal, que tem algo de tão especial que merece ser encontrado sem precisar passar horas navegando uma páginas confusas. Você pensa que ele só pode ser a obra mais excelente de todas, né? Eu pensei exatamente isso quando encontrei Billy and me por preço bom na Saraiva depois de já tê-lo namorado na Cultura. O que eu não pensei duas vezes foi tentar descobrir o que porquê deste destaque todo. 

E se você foi mais ligado do que eu e reconheceu o sobrenome da autora, eu já grito "Bingo" porque você encontrou a jogada. Billy and me não é destaque por ser uma obra prima da literatura contemporânea. Não é destaque por ser um novo clássico. O destaque aqui é ser escrito pela esposa de Tom Fletcher, do McFly. RÁ, MARKETING.

E a maior jogada, ainda, é escrever uma sinopse sutilmente real, algo que ela conhece e viveu na pele. A história de Billy and me é o romance entre Sophie, uma garota comum que trabalha numa confeitaria, e Billy, um belo ator que tem o mundo aos seus pés. Ela não parece o tipo de garota que ele costuma sair, porém algo nela chamou atenção do astro e cupidos atiraram suas flechas, corações foram rabiscados pela volta... Você sabe, essas coisas.

Desculpa, mas não. Se você perguntar o que tenho de bom para falar nesse livro, vou ser obrigada a responder a capa. Quanto ao enredo, não há nada de bom o bastante para apagar as falhas - que não sou poucas nem pequenas.

Quero começar falando do romance, que é o ponto central da história. E, vamos combinar, se algo é para ser o ponto central, ele deve ser trabalhado completamente, da primeira página até todo sempre, se mantendo estabilizado e crível durante a obra inteira. É disso que se trata, não? É o básico, o mínimo, a única coisa realmente esperada quando começa um livro do gênero. Você quer ler um romance e quer acreditar nele. Coisa que em Billy and me não acontece: nem no inicio, nem no meio, nem no fim.

É tão apressado que não há tempo para o leitor se conectar com os personagens e a história. Quando você acha que Billy e Sophie estão recém se conhecendo, na verdade eles já estão fazendo juras de amor eterno, combinando os nomes dos filhos e abrindo uma conta conjunta no banco. Estou dizendo para você: é muito rápido! Tão corrido que perdeu a identidade, a credibilidade e o romance inteiro ficou inverossímil. 

Não acreditei em Sophie e Billy. Na verdade, eu terminei o livro e tenho impressão que ainda nem os conheço. Não sei se seu romance é real ou infundado. Não sei se eles se gostam ou só são atraídos pelas realidades opostas em que vivem. Quando a autora os faz brigar, algo que deveria vir como um drama, uma tensão, eu tinha impressão que era a primeira vez que via sentimentos de verdade entrando na parada, e isso não é algo bom. É o oposto de shippável, você não torce para vê-los juntos como num conto de fadas. Quando estamos falando de um livro do gênero, isso é algo inaceitável.

Aí temos Sophie. Péssima protagonista. Outra coisa que a autora não soube compor, não criou base nenhuma e quis fazer com que sua primeira palavra já valesse como a final. Não há empatia pela garota. Sophie é tão insegura que apaga seu carisma, se é que há algum. E como é praticamente obrigatório que a protagonista tenha um segredo, a autora faz um suspense danado para nada. Quando ela revela, você já não gosta de Sophie e fica indignada que houve todo um mimimi para isso? Sério? Você me jura que a chance de reviravolta era isso?

Se não fosse por Giovanna Fletcher ter sido uma pessoa comum na fila do pão e ter casado com Tom, esse livro não geraria metade do apelo que gerou. Na verdade, seria mais uma história massacrada pela crítica, pois os buracos são tão grandes que elogio nenhum pode chegar a tapar. Billy and me não é apenas mal escrito: é mal desenvolvido, mal trabalhado e, acima de tudo, inacreditável. 

Um comentário:

  1. olha, não tinha lido nenhuma resenha deste livro ainda, mas confesso que fiquei abismada em você ter visto por ai, e olha que ele nem foi traduzido ainda...
    confesso que só tenho vontade em ler a trama por causa dessa capa fofíssima e por causa da Giovanna.
    uma pena não ser um livro tão bom assim, porque ele recebeu tanta divulgação né ;~~

    ResponderExcluir

E chegamos a parte maravilhosa em que vocês participam do blog comigo! Deixe sua opinião sobre o que leu/viu, só com alguns poréns:
- Comentários ofensivos à autora do blog ou outros comentaristas não serão aprovados.
- Comentários preconceituosos ou/e de caráter sexual não serão aprovados.
- Comentários anônimos não serão aprovados, a ferramenta só está ativada pela liberação de comentários com NOME+URL de pessoas não cadastradas no Google, etc.
- Comentários unicamente de divulgação não serão aprovados.
- As respostas serão feitas na página de comentários, em caso de mais urgência, utilize a ferramenta "Contato" na lateral.
Tirando essas pequenas regrinhas, fiquei a vontade! O espaço é de vocês :D Aliás, obrigada pelo comentário!