15 de set de 2014

Bandslam - Os clichês que simplesmente funcionam!

Bandslam é um filme de 2009 que chegou ao Brasil com o nome de High School Band, já anunciando que daí viria aquele clichê de ensino médio que a gente adora (por mais que relutemos em admitir). Muito provavelmente você já assistiu - tem Vanessa Hudgens no cast, o que arrecada público automaticamente -, e também muito provavelmente, você está me achando a dona atrasada por falar desse filme nesta altura do campeonato. Porém: eu posso. E quero dividir esse amor com vocês.
É high school, há divisões entre populares e invisíveis e Will Burton se encaixa nesse segundo grupo. As coisas vão mal e não têm perspectiva de melhorar, até sua mãe conseguir uma proposta de emprego que os leva para outra cidade. Pronto, é a chance de Will ser quem ele quiser, sem um apelido ridículo que o marca mais que o próprio nome. 

E por incrível que pareça, Will consegue chamar atenção nesse novo colégio. Não demora muito para que a descolada Charlotte o adote como projeto e perceba que ele sabe mais sobre música do que ela. Falei que música é o ponto central dessa escola que mais parece um reality show musical? Unindo o conhecimento de Will com o talento bruto de Charlotte e sua banda, eles estão decididos a ganhar seu espaço e vencer o concurso Bandslam, que dá um contrato com uma gravadora para uma banda iniciante. Entretanto, a escola já escolheu seus vencedores... E não é a banda de Charlotte.
Quando eu falei que é clichê é porque é mesmo. Não vou tentar esconder a trama atrás do véu de independente, de obra prima, de novidade para o público adolescente e algo totalmente original no meio. Não é nada disso. Comece observando pelos rostos principais do elenco: temos duas garotas que, ainda em 2009, estavam na Disney. É o chamativo para aquele público que gosta de mensagens como "sonhos se realizam", "batalhe pelos seus objetivos" e "nunca desista", que é a grande moral da história. Mais que isso? Só amor mesmo.

Dia desses eu estava lendo do porquê de tantos filmes, livros e seriados protagonizados por caras como Will, que estão sempre em escanteio, nos bastidores, se mesclando com o papel de parede. Sabe qual é a jogada? A grande maioria de nós somos assim. Não totalmente, mas em algum momento da vida. Nós nos identificamos mais com esse tipo de personagem, que não está sempre exultante, sempre impressionando os outros e sendo o centro das atenções. Will tem seu charme, assim como sua amiga pouco falante, Sa5m-the-5-is-silent. Na verdade, a inteira banda de Charlotte tem a empatia, pois eles tem jeitinho de underground. Pelo menos, são muito mais simpáticos que os The Glory Dogs, a outra banda da escola, composta por populares.
O filme consegue fazer uma ótima mistura entre comédia, drama e romance, sempre pendendo o equilíbrio para o lado mais engraçado do mix. São pequenas piadas, tão batidas quanto o tema, mas que o elenco consegue segurar e fazer rir. A simples participação de Lisa Kudrow como mãe de Will, que vai nos ensaios porque o baterista a acha bonita (e está na banda por esta razão), é ótima. Assim como o lado do drama, que até algumas lágrimas arranca dependendo do seu estado de sensibilidade. 
Por mais que seja com cara de Disney, a trilha sonora é composta por músicas clássicas dos anos 80. "Ah, mas eu não gosto de música antiga, a soundtrack vai arruinar o filme inteiro". NOPE. Nope nopíssimo. A escolha das músicas foi feita para agradar gregos e troianos, e, em melhores termos, fãs de clássicos e fãs de farofa. Claro que quando Vanessa abre a boca para a primeira nota, dá uma sensação de High School Musical all over again, mas são clássicos de David Bowie, canções de Mick Jagger, etc, sejam em suas versões originais ou covers do elenco. É maravilhoso! Estou até agora cantando mentalmente Everything I own, e dançando Amphetamine. Ah, e claro: I WANT YOU TO WANT ME, I NEED YOU TO NEED ME, I'D LOVE YOU TO LOVE ME, I'M BEGGIN YOU TO BEG ME
Eu amo esse filme. Provavelmente, amei mais ele ontem do que amei quando assisti pela primeira vez, há cinco anos atrás. Eu sinto falta de plots assim, de tramas que se sustentam por quase duas horas e são maduras e clichês ao mesmo tempo. Bandslam é energizante, é engraçado, é emocionante, é uma trama sensacional e nada nova. Tão "nada nova" que não se fazem mais filmes como esse na Hollywood de hoje, e eu já disse que sinto falta? Poderiam fazer uma continuação, né? I can't go on, I'll go on na faculdade? Acho sensacional!
Sa5m: Well, if you were just part of Charlotte's experiment this whole time, then, what is reality? What if Charlotte and her experiment are really a part of someone else's larger experiment? I mean, what if we're being manipulated by some greater intelligence than our own? And if so, is there really such a thing as free will?
Bug: See, this is why you don't have friends!
Beijinhos ♥

Um comentário:

  1. Eu e meu eterno amor por esses clichês. Envolve adolescentes no Ensino Médio? Tem música? EU TOPO! Esse filme é bem legalzim, sério! E a Sam gosta de ler. Isso é um ponto pra ela :)
    Ótima review!

    Clara
    @clarabsantos
    clarabeatrizsantos.blogspot.com

    ResponderExcluir

E chegamos a parte maravilhosa em que vocês participam do blog comigo! Deixe sua opinião sobre o que leu/viu, só com alguns poréns:
- Comentários ofensivos à autora do blog ou outros comentaristas não serão aprovados.
- Comentários preconceituosos ou/e de caráter sexual não serão aprovados.
- Comentários anônimos não serão aprovados, a ferramenta só está ativada pela liberação de comentários com NOME+URL de pessoas não cadastradas no Google, etc.
- Comentários unicamente de divulgação não serão aprovados.
- As respostas serão feitas na página de comentários, em caso de mais urgência, utilize a ferramenta "Contato" na lateral.
Tirando essas pequenas regrinhas, fiquei a vontade! O espaço é de vocês :D Aliás, obrigada pelo comentário!