2 de mai de 2014

Como viver eternamente — Sally Nicholls

Autora: Sally Nicholls
Editora: Geração Editorial
ISBN: 9788561501006
Páginas: 232
Nota: 
Comprar

Faz mais de ano que a editora Geração me enviou dois livros da Sally Nicholls, apresentando a autora e seus títulos sicklit (na época que o gênero era hype. Flopou ligeiro, não?). Entre eles estava Como viver eternamente. Algumas semanas atrás, eu recebi a nova edição do mesmo livro, com capa diferente. E eu ainda não tinha lido (mas o outro livro da Nicholls já passou pelas minhas mãos e tem resenha aqui). Foi só quando a timeline começou a derramar lágrimas e amor que resolvi deixar o coração de lado e entrar na onda. Eu sabia que iria chorar. No segundo pacote veio junto um pacote de lenços - muito úteis, se for me perguntar.

A história mais dramática que Nicholas Faíscas, conta sobre o menino Sam, de 11 anos. Ele tem leucemia e já aceitou que vai morrer. Afinal, todos vamos, não é? Ele ama fatos, adora escrever no papel e passa boa parte do seu tempo com o melhor amigo, Felix, que também tem câncer e conheceu no hospital. É sobre isso que o livro fala. Não mais drama, nada de tramas impossíveis e tragédias de Shakespeare. São dois garotos vivendo sua vida, realizando seus sonhos e jogando na nossa cara o quanto somos ingratos sem perceber. E okay, minha garganta engasgou de novo.

Numa de suas sessões de tutoria, a professora de Sam e Felix sugere que eles escrevam qualquer coisa - e assim surge Como viver eternamente, o livro de Sam sobre Sam. Mas nada de autobiografia ou dramalhão de pessoas com câncer. Este não é o livro que Sam quer escrever porque ele não é assim. E Felix também não o deixa ser assim. Os dois são muito doces e divertidos, tem diálogos maravilhosos e momentos sensacionais. Você vai rir mais do que vai chorar. Quer dizer, sei lá, né.

A parte mais complicada do livro é que o final é inevitável. Sam já aceitou que não tem muito tempo de vida e agora é função do leitor, que pegou o livro com coração aberto e se encantou com aquele garotinho, entender o mesmo fato. Você passa as 230 páginas tentando ficar tranquila com a sombra da despedida. Dói. É triste. Faz chorar. E não estou falando de spoiller - é a simples realidade que você já sabe quando abre o livro. Sam se apresenta falando que, quando você estiver lendo esse livro, ele provavelmente já morreu. DEAL WITH IT.

Eu juro que não esperava me apegar tanto, mas foi difícil. Os personagens conquistam você desde a primeira página, Sam e Felix parecem que agarram você e chamam para brincar junto. E assim como foi com João Verde em ACEDE, eu ficava irritada por sorrir ou gargalhar. Nicholls brinca com os sentimentos do leitor. Você não pode fazer piadas engraçadas para depois matar os outros de tanto chorar. É maldade, é injusto, e não se faz. Mas, apesar de tudo, você ainda tem que ler. Esses livros você sempre tem que ler.
Beijinhos ♥ 

10 comentários:

  1. adoro sicklit, e apesar de ainda não ter lido este, estou mega curiosa *-*
    não sabia desta outra capa ai, e agora fiquei na duvida de qual deve ser mais linda.
    gosto de ler livros assim por este exato motivo: me faz perceber o quanto reclamo de coisas inuteis e sem grandes importancias. sim, me sinto uma ingrata mesmo!
    é triste, mas fazer o que né, o fim é inevitável....

    ResponderExcluir
  2. Adorei a resenha, fiquei louco pra ler o livro! Participando do sorteio!
    http://dududegravata.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. O livro parece ser ótimo, fiquei bastante interessada em ler!

    ResponderExcluir
  4. Esse livro é tudo, lindo, fofo, amo demais, até chorei e olha que tenho o coração de pedra, adorei o blog. tô seguindo

    ResponderExcluir
  5. Estou bastante curiosa e ansiosa pra ler este livro. Não esperava gostar tanto assim desta estória. Mais amei. Seus comentários sobre o livro foram o que mais me agradou e por isso vou tentar ler. beijos.

    ResponderExcluir
  6. Certeza irei ficar com lágrimas nos olhos em algumas cenas desse livro.
    Não é um gênero que sou fã e que eu procure ler, mas eu gosto, acho útil às vezes.

    ResponderExcluir
  7. Ai meu Deus!!!!!!!
    Eu qro mto ler, mas sei que vou chorar!!!!!!
    rs... esses autores adoram brincar com a gente, pobres leitores viciados, que mesmo sabendo do que há por vir, a gente lê... e continua lendo... rs...

    Adorei a resenha... parabens!
    me fez ter mais vontade de ler esse livro! ;)

    ResponderExcluir
  8. Oi, Joana!
    Soube da existência deste livro através de uma aluna, que disse que é maravilhoso!
    E a sua resenha confirma o fato.
    Quero muito lê-lo!

    ResponderExcluir
  9. Todas as resenhas que li sobre esse livro são positivas. Confesso que não é muito o meu estilo, pois sempre prefiro ler algo mais alegre. Mesmo assim, sempre me pego lendo histórias como essas, mas tenho que estar em um momento agradável. Li o "ACEDE" depois de muito tempo, e gostei. Pelo que você colocou aqui, o "Como Viver Eternamente" tem umas características parecidas com o "ACEDE", como um humor característico e as personagens cativantes. Quero ter a oportunidade de ler algum dia.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  10. Esse livro parece ser fantástico e muito emocionante, além de ser lindo por dentro e por fora.

    ResponderExcluir

E chegamos a parte maravilhosa em que vocês participam do blog comigo! Deixe sua opinião sobre o que leu/viu, só com alguns poréns:
- Comentários ofensivos à autora do blog ou outros comentaristas não serão aprovados.
- Comentários preconceituosos ou/e de caráter sexual não serão aprovados.
- Comentários anônimos não serão aprovados, a ferramenta só está ativada pela liberação de comentários com NOME+URL de pessoas não cadastradas no Google, etc.
- Comentários unicamente de divulgação não serão aprovados.
- As respostas serão feitas na página de comentários, em caso de mais urgência, utilize a ferramenta "Contato" na lateral.
Tirando essas pequenas regrinhas, fiquei a vontade! O espaço é de vocês :D Aliás, obrigada pelo comentário!