28 de fev de 2014

Garota, interrompida — Susanna Kaysen

Autora: Susanna Kaysen
Editora: Unica
ISBN: 9788573128628
Páginas: 190
Nota: 
Comprar

Eu tenho problema com livros escritos antes de eu nascer. Pode me chamar de egocêntrica e variados, mas não é por acreditar que não existia mundo antes de eu chegar (embora isso seja verdade, desculpa), mas simplesmente pela dificuldade que tenho de entender esse universo. Observe-nos: mudamos muito. A minha geração é completamente diferente da geração dos meus pais, que são diferente dos meus avós, e todos as ideias se enrolam quando eu tenho que voltar alguns muitos anos no tempo. São preceitos que não entendo, estigmas que não convivi e ideais que já estavam  bem enterradas quando o mundo se transformou mundo em 1996. Mas sério, tirando meu ataque de egocentrismo, você entende o que quero dizer?

Só que então Garota, interrompida, um livro famosíssimo de 1967, chegou em minhas mãos. Eu não sabia o que esperar pois, mesmo lendo todos os elogios que a timeline não exita em dar, ainda era um livro que não costuma servir pra mim. A obra é baseada em fatos reais que a própria autora viveu durante os dezoito meses que ficou internada num hospital psiquiátrico. E então que ela nos apresenta essa realidade que até hoje é tratada como tabu. Você não vê uma perspectiva realista desses lugares em novelas ou filmes ou seriados. Muito provavelmente, você não vai procurar descobrir como é pessoalmente. Mas Susanna, sim. Ela abriu as portas, escancarou um tema que ninguém se aprofunda, e depois faltam palavras pra dizer quão sensacional Garota, interrompida é.

Porque esse livro é atemporal. Eu tenho certeza que se você lesse na época em que foi lançado, se lesse hoje ou no meio tempo, o sentimento seria o mesmo. As discussões sociais que a autora coloca em voga são atuais em tempo integral, as palavras são poéticas e funcionam para todo mundo. Mas ao mesmo tempo é uma narrativa crua, sincera, sem floreios. Susanna consegue transformar o livro em um quote ambulante, fazendo você pensar e refletir sobre a sanidade da protagonista (dela mesma?) e suas colegas que também enfrentam esses problemas de desajuste perante a sociedade. É tão diferente do que estamos acostumados a ler sobre jovens de 18 anos, sabe? E, ao seu jeito, muito mais genuíno e franco que muito livro que promete refletir seu mundo por aí.

Vou dizer que esse livro me pegou de surpresa e se tornou favorito em, tipo assim, 20 páginas? Analisando as expectativas, esse era um livro cheio de coisas que poderiam não dar certo para mim, mas todas desmentidas a partir do momento que Susanna começou a contar sua história. Garota, interrompida é ótimo, é ousado tanto para 1900 e bolinhas como hoje, tão significativo que tenho certeza que você terminará a leitura recomendando-o para tudo e a todos. Minha próxima missão é assistir a tão elogiada adaptação que tem um elenco óh: de primeira.
Beijinhos ♥

6 comentários:

  1. Sou apaixonada pelo filme e louca para ler o livro, mas me falta tempo e dinheiro :c

    http://www.rayneon.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Quero muito ler Garota, interrompida desde que assisti o filme maravilhoso sobre ele. Não é uma coisa muito saudável, mas confesso que tenho um certo ponto fraco por hospícios e toda a confusão mental que o envolve (American Horror Story e a 3B de Teen Wolf está aí pra provar), talvez seja uma dica de que vou acabar parando em um...espero que não. Enfim, depois da sua resenha fiquei ainda mais animada para ler!

    Beijos
    alvorada-literaria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. também sou assim. quando leio um livro com data antes de mim, normalmente não gosto =/
    por outro lado, gosto de livros que tratem de doenças ou de problemas psicológicos...
    já ouvi falar muito bem da adaptação também, mas vou tentar ler o livro primeiro :D

    ResponderExcluir
  4. Eu li esse livro há muito tempo atrás, tanto que a capa é totalmente diferente e o título é Moça Interrompida. O livro é bem diverso do filme, o que já dá outra cara pro enredo. E sim, a obra pode ser discutida seja quando for, quer dizer, quem é ou não insano? Quem realmente precisa se idolar do mundo e viver no seu mundinho particular? Quantas vezes a pessoa precisa ser ferida duramente pela vida pra ser considerada louca?

    http://spencer-pretty.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Primeiramente muito legal sua resenha, parabéns! Bem esse livro é mais um daqueles que nos fazem refletir melhor do que fazemos uns com os outros, esse livro deve ser muito difícil de ler, não pela escrita complicada, mas sim pelo jeito que Susanna foi tratada da sua doença, deve dar pena demais dessa pobre mulher que só queria se curar de sua doença e foi tratada como um animal na clinica, essas historias nos fazem repensar, espero que mude a visão de algumas pessoas para sociedade.

    http://worldbehindmywall.fanzoom.net/

    ResponderExcluir
  6. Saiba que gostei muito de sua resenha..ela foi bem construida e conseguiu captar a essência do livro, sem contar tudo...eu tb amei o livro, confesso que fiquei "com um pé atrás" quando li a sinopse, mas resolvi dar uma chance e não me arrependi..eu amei e recomendo com certeza.

    bjs e sucesso com o blog.

    ResponderExcluir

E chegamos a parte maravilhosa em que vocês participam do blog comigo! Deixe sua opinião sobre o que leu/viu, só com alguns poréns:
- Comentários ofensivos à autora do blog ou outros comentaristas não serão aprovados.
- Comentários preconceituosos ou/e de caráter sexual não serão aprovados.
- Comentários anônimos não serão aprovados, a ferramenta só está ativada pela liberação de comentários com NOME+URL de pessoas não cadastradas no Google, etc.
- Comentários unicamente de divulgação não serão aprovados.
- As respostas serão feitas na página de comentários, em caso de mais urgência, utilize a ferramenta "Contato" na lateral.
Tirando essas pequenas regrinhas, fiquei a vontade! O espaço é de vocês :D Aliás, obrigada pelo comentário!