30 de jan de 2014

O amor é uma dor... E Downton Abbey é isso aí mesmo.

Várias situações inesperadas colocaram Downton Abbey na minha vida. Acredito que só a influência do destino para me prender numa maratona longa de um seriado de época, já que quando eu planejava começar por livre e espontânea vontade, desisti ao ver o número demasiado de minutos (season premiere e finale tem mais de uma hora). Mas um hora ou outra, o seriado - que é referência quando se fala em produção britânica - entrou na watchlist e no meu coração. E agora meu objetivo é que entre no seu também.

Situado no inicio dos anos 10, o seriado narra os acontecimentos acerca de Downton Abbey, a propriedade comandada pelo Conde de Grantham, retratando o passar do tempo da nobre família Crawley e seus muitos criados. Vale então dizer que a coisa mais genial de Downton Abbey (a série, não a casa) é a capacidade de associar os acontecimentos históricos reais com a trama. O ponto de partida da história é o naufrágio do Titanic, que matou o então herdeiro do título e de Downton, obrigando a chegada de Matthew, um advogado desacostumado com luxos. Então o enredo avanço e temos Primeira Guerra Mundial, epidemia de gripe espanhola (ou gripe de 1918)... E tudo isso no passar de duas temporadas. Por favor, se isso não é genial, não sei mais.
É muito fácil se afeiçoar aos personagens de Downton, tão bem criados e caracterizados conforme a época. Até para quem não curte históricos (como eu - até conhecer Reign, até conhecer Downton) essa seria uma boa pedida. A trama mostra o molde da sociedade britânica, simplesmente a melhor quando vamos falar de passado. São condes, condessas, herdeiros, contatos com o Rei e o Parlamento, criadas, mordomos, governantas... O roteiristas não se prendem a mostrar apenas o que acontece com a família aristocrata: as câmeras descem as escadas e temos os plots dos empregados, quase tão complexos e dramáticos quando up stairs.
O que não dá para dizer nunca é que os roteiristas de Downton Abbey não são ousados. Além de adaptar a própria história, vários temas, que conseguem ser polêmicos até nos dias de hoje, são abordados da forma mais coesa possível. Não existe medo nessa produção, ela já foi tão bem aceita pelo público da forma que é, que os plots só vão ficando mais fortes e, depois de citados, se estendem por quanto a série durar. E sem falar que produções britânicas são incríveis e inovadoras por natureza, e não é um cenário no inicio do século passado que impediria isso.
Mas mesmo tendo tudo isso, o segredo para Downton Abbey é não se afeiçoar aos personagens. Não goste, não shippe, não sofra. É basicamente isso, pois esses mesmos roteiristas que tem atrevimento no sangue adoram matar pessoas queridas, pessoas amadas, pessoas que você torce pela felicidade desde o primeiro aparecimento na série. Quem fica vivo, fica sofrendo. É incrível, mas tremendamente doloroso. Não sei como será para você (que com certeza vai assistir após esse post), mas toda pequena e qualquer sugestão de possível morte de personagem, eu já tinha vontade de voltar pro cantinho e chorar. Culpo a timeline do twitter por isso.
Downton Abbey tem 4 temporadas, 31 episódios, muitos Emmys. Não é uma maratona longa de se fazer e, depois de pegar o ritmo, você entra madrugada assistindo episódios e nem vê que já está na temporada final e não marcou nem a primeira no orangotag. Claro que o ápice da história foi na terceira temporada (por motivos que não vou falar, mas você deve assistir), mas o público é tão forte e consolidado que não existe risco de cancelamento e até uma história mais fraquinha, feita por esses roteiristas, é muito boa. E se você ainda precisa de motivos para assistir, minha cartada final: MINERVA MCGONAGALL, MINHA GENTE! Ela não é bruxa dessa vez, mas sabe de quem são as melhores frases desse seriado inteiro? Pois então. Tem até um post no Apaixonados por séries sobre isso, vale dar uma olhada.
Beijinhos ♥

Um comentário:

  1. Olá Joana, tudo bom?

    Downtown Abbey é uma série que estou morrendo de vontade de assistir.. Só que pelo mesmo motivo que você demorou para começar assistir, eu tenho essa dificuldade exatamente pela duração dos episódios. Apesar disso, já estou com o piloto engatilhado para assistir, só que não sei quando. Ainda quero assistir The Tudors antes.

    Beijos,
    Lucas
    ondeviveafantasia.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

E chegamos a parte maravilhosa em que vocês participam do blog comigo! Deixe sua opinião sobre o que leu/viu, só com alguns poréns:
- Comentários ofensivos à autora do blog ou outros comentaristas não serão aprovados.
- Comentários preconceituosos ou/e de caráter sexual não serão aprovados.
- Comentários anônimos não serão aprovados, a ferramenta só está ativada pela liberação de comentários com NOME+URL de pessoas não cadastradas no Google, etc.
- Comentários unicamente de divulgação não serão aprovados.
- As respostas serão feitas na página de comentários, em caso de mais urgência, utilize a ferramenta "Contato" na lateral.
Tirando essas pequenas regrinhas, fiquei a vontade! O espaço é de vocês :D Aliás, obrigada pelo comentário!