19 de nov de 2013

Prism está aí e já ouvimos os rugidos!

Parece que foi ontem que o caminhão dourado começou a circular pelas ruas de L.A. e os primeiros rumores do novo álbum de Katy Perry começaram a circular. Tínhamos um nome, depois um single, uma apresentação no VMA, e agora o álbum completo está disponível nas lojas (e nos torrents da vida). Confesso que fiquei meio chateada quando Katy queimou sua peruca azul no processo de divulgação, afinal Teenage Dream foi ótimo, e parecia que o que estava por vir seria altamente dramático e diferente. Contudo, foi alarme falso? Prism é tão farofento e maravilhoso quanto os CDs anteriores - e isso está longe de ser algo ruim.
Katy botou todo mundo para dançar. ROAR não apenas serviu como primeira impressão, como realmente abriu os trabalhos, no caso, nos jogar na balada com os braços pra cima. E se música inicial é divertida, e animada, a segunda, Legendary Lovers, já larga a diversão pra partir pro eletropop com refrão chiclete, a fórmula mais básica e pronta do álbum. Músicas com essa batida são repetidas a exaustão e mesmo sendo clichês no gênero, nunca são demais. São esquecíveis, mas não dá vontade de passar pra próxima quando ela cai no aleatório... A não ser que siga a ordem do CD e a próxima seja Birthday, uma música animada sobre celebrar aniversário e que não inova em nada, conquistando logo por isso. Eu adorei o ritmo, mesmo que seja fraquinha. E Walking on air não baixa a animação. Essa se destaca pelo arranjo diferente, o bridge intenso e sem pausa para respirar, o que vai render ótimos remixes (já estou esperando nos mash ups 2013).

Vamos todos concordar que a quinta canção, Unconditionally, é o ponto alto de Prism. Ela pode ser um pouco mais calma que as anteriores, mas é linda, tem letra linda e a gente vai amar incondicionalmente. BTW, essa é tão maravilhosa que foi escolhida como segundo single. Cadê clipe? ♥ Dark Horse, em parceria com Juicy J, foi uma das músicas divulgadas antes do lançamento oficial, que começa com um pé atrás, mas faz ser amada no refrão. Está longe de ser o melhor feat da cantora, mas tá valendo pela ponte. E se segue por This is how we do, uma das músicas zuper divertidas que provavelmente segue o sucesso de Last friday night, do último CD. E, logo, International Smile, em que Katy cita o Rio. Não sou a mais patriota, mas acho tão bonitinho quando os gringos citam alguma cidade brasileira. E a batida é ótima, então segura amor!

E logo as coisas acalmam para chegar o álbum com sensação de paz? Ghost e Love Me são mais contidas, dando uma animada apenas no refrão. Não são músicas ruins, mas não se destacam no contexto geral. This Moment lembra um pouco Firework (em questão de ritmo, digo). E também não é em Double Rain que as coisas animam, a não ser que você considere a pequena acelerada com quê oitentista pela metade, uma grande animação. Eu não considerei. A também calminha By the grace of God foi o maior alvo de críticas positivas, pela sua ousadia e forma como destoa das outras como um todo. É estranho pensar que o mesmo álbum que começou em ROAR terminou assim.

Com três músicas extras na versão Deluxe, o feeling eletropop que suavizou próximo do final volta - não com tudo. Spiritual tem uma boa batida, sem fazer dançar. Ainda nesse estilo que faz balançar a cabeça sem jogar os braços pra cima, está It takes two e seu ótimo refrão. Da versão estendida de Prism, é a melhor ♥ O álbum fecha com Choose your battles, uma canção pra lá de previsível e que ganha apenas pela batida de fundo.

Não o melhor álbum pop, nem de longe o melhor álbum dançante, e dificilmente arrecadará o tão desejado Grammy, mas ainda dá para dizer que Prism é uma boa reunião musical para qualquer fã de pop farofento. As músicas seguiram uma boa linha, dá para se arrebentar até o chão em algumas, escutar comendo chocolate em outras, e ainda fazer coreografia na frente do espelho. Katy diversificou a animação e entregou um CD para todos os gostos, para quem era fã e... quem era fã. Vendo por cima, não é nada diferente dos trabalhos anteriores da cantora, e não vejo por onde Prism vá conquistar um novo público. Mas afinal, Katy já tem um fandom consolidado - e esses ficaram muito satisfeitos com a nova trilha sonora da vida.
Beijinhos ♥

2 comentários:

  1. Achei o álbum bem fraquinho comparando ao álbum antigo. Além do mas, achei as músicas bem simples e sem muita agitação, e sou mais para cima e prefiro músicas bem agitadas. Não que não dê para curtir o álbum mas também não acho que irá abranger um novo público.

    http://alguns-livros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. O que posso te dizer é esperava que fosse mais desse álbum. Não que tenha desgostado, mas pelos outros, achei bem fraco e sem sal. Dos que você mostrou aqui, achei Roar mais atraente e agradável. Beijos.

    ResponderExcluir

E chegamos a parte maravilhosa em que vocês participam do blog comigo! Deixe sua opinião sobre o que leu/viu, só com alguns poréns:
- Comentários ofensivos à autora do blog ou outros comentaristas não serão aprovados.
- Comentários preconceituosos ou/e de caráter sexual não serão aprovados.
- Comentários anônimos não serão aprovados, a ferramenta só está ativada pela liberação de comentários com NOME+URL de pessoas não cadastradas no Google, etc.
- Comentários unicamente de divulgação não serão aprovados.
- As respostas serão feitas na página de comentários, em caso de mais urgência, utilize a ferramenta "Contato" na lateral.
Tirando essas pequenas regrinhas, fiquei a vontade! O espaço é de vocês :D Aliás, obrigada pelo comentário!