22 de out de 2013

Jessie J tão "Alive" quanto antes

Quando um artista passa um considerável tempo entre lançar um álbum e outro, a gente sempre espera o melhor. Nessas situações, assumimos que os muitos meses que passou sem lançar singles novos é significado de uma grande reformulação no seu estilo musical (salvo quando essa pessoa foi pra rehab, já que né), o que normalmente é prometido em entrevistas. Com Jessie J foi assim. A britânica hitou com Who you are em 2011 e manteve seu sucesso durante esses dois anos — vide Rock in Rio que teve Price Tag como uma das músicas mais esperadas do show — e, para seu retorno, soltava dicas aqui e ali dizendo que seria um trabalho muito mais pessoal e maravilhoso. Então Alive chegou e... Ok, é muito bom, mas onde estão as mudanças mesmo?
Tudo começa com It's my party, uma das primeiras músicas divulgadas. Impressão minha ou parece mesmo com Domino? É pra levantar os braços e sair dançando, com refrão animadíssimo e o tipo de música que conquista pelo simples fato de ser divertida. Porém não dá para dizer que o single traduz a essência do álbum. Num contexto geral, Alive não foi feito para ser trilha sonora de balada. Jessica Jota tentou equilibrar um pouco as coisas, mas a maioria das músicas não é eletropop farofento que a gente adora dançar. It's my party de inicio dá essa impressão, mas não se sustenta. Passe para Thunder seguido de Square One que você entende o que quero dizer.

Já a quarta música, Sexy Lady, consegue animar um pouco mais as coisas, com um arranjo de guitarra tão forte e presente que de inicio achei que tinha clicado em Reverse of Shade (The Windupdeads) por engano. Harder we fall, uma das minhas favoritas, já acalma de novo, com direito a fundo de violão e mensagem bonitinha. Seguindo o feeling mesmo do mesmo, vem Breathe, I miss her (que é um sofrimento tão grande quanto o poder vocal da cantora) e Daydreaming, de batida óbvia e que não me conquistou. Talvez rolasse pra outra pessoa, quem sabe Cher?, mas não menina Jessica.

E aí vem Excuse my rude (com Becky G) e Wild (parceria com Big Sean e Dizzee Rascal), os featuring mais que bem vindos que voltam para aquele estilo animado e realmente cativante que vimos em It's my party. Já Gold, outra muito boa, fala sobre dançar a noite toda e tem um refrão ótimo, só que promete e não cumpre. Você pode dançar till the light of morning hits us, mas não this rhythm. E Conquer the world (junto de Brandy) também tem um quê autoajuda, em que o refrão eletropop meets rapper pecou na animação. Cadê Jessie que dá vontade de dançar mais e mais? Com certeza também não está na música título, Alive, que fecha o álbum. 

E como produtores são criaturas sacanas, o melhor fica na versão deluxe. Com três músicas ~novas~ e um remix, temos o ponto alto. Unite parece um Alive melhorado, e depois vem as incríveis e sensacionais e maravilhosas Hero e Magnetic, duas das melhores músicas de toda a carreira de Jessie J. Ambas foram especiais para trilhas sonoras (Magnetic foi pra City of Bones, mas eu juro que não amo só por motivos shadowhunterescos), são enérgicas e gritantes. Se essa fórmula tivesse sido repetida mais vezes no decorrer de Alive, seria um CD muito melhor. Não apenas o novo-álbum-da-Jessie-J, mas sim o álbum-da-nova-Jessie-J. Sabe as mudanças prometidas antes? Eis elas. E depois fecha com remix de It's my party, que bem, é um remix. Precisa mais?
Sabe quando Demi Lovato prometeu um álbum mais honesto com DEMI e fomos contemplados com boas músicas, mas nada mais ousado que a capa quase sem maquiagem? Pois então, temos de novo essa situação. Quando Jessie J prometeu uma nova imagem, a gente queria ver a garota que bombou por dois anos no mundo todo, que faz piada no The Voice UK e raspa o cabelo por uma causa. Em compensação, é a mesma Jessica Jota de sempre, só que sem a parte de pular, dançar, ir até o chão em música sim, próxima também. Tem vozerão, tem hit, tem música ótima, porém não tem animação. Exceto pelo bônus. Já contei que Hero e Magnetic são incrivelmente excelentes? Pois são.
Beijinhos ♥

3 comentários:

  1. Gosto da cantora e curto suas músicas, mas não acompanho sua carreira de pertinho...E quero poder conferir suas músicas novas!!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Adoro as musicas dela, que voz!
    Mas essa capa? Vishi, ela tá estranha.....
    Já disse que odeio esses visuais super estranhos que esse povo vive mudando? Cada uma mais doido, troço esquisito...

    ResponderExcluir
  3. Esse album sem dúvidas é o melhor dela.. Que vocal :O!!!
    Adoro ''Unite'' (replay eterno)
    Minhas favoritas são Breathe e Harder We Fall <3

    Quanto a capa, vejo várias reclamações, mas particularmente acho ela super sexy carequinha!!! rs

    ResponderExcluir

E chegamos a parte maravilhosa em que vocês participam do blog comigo! Deixe sua opinião sobre o que leu/viu, só com alguns poréns:
- Comentários ofensivos à autora do blog ou outros comentaristas não serão aprovados.
- Comentários preconceituosos ou/e de caráter sexual não serão aprovados.
- Comentários anônimos não serão aprovados, a ferramenta só está ativada pela liberação de comentários com NOME+URL de pessoas não cadastradas no Google, etc.
- Comentários unicamente de divulgação não serão aprovados.
- As respostas serão feitas na página de comentários, em caso de mais urgência, utilize a ferramenta "Contato" na lateral.
Tirando essas pequenas regrinhas, fiquei a vontade! O espaço é de vocês :D Aliás, obrigada pelo comentário!