2 de set de 2013

A garota que eu quero por Markus Zusak

Irmãos Wolfe #3
SEM spoiller dos anteriores
O Rube nunca amou nenhuma delas. Nunca se importou com elas. Nem é preciso dizer que Rube e eu não somos muito parecidos em matéria de mulher. Cameron Wolfe é o caçula de três irmãos, e o mais quieto da família. Não é nada parecido com Steve, o irmão mais velho e astro do futebol, nem com Rube, o do meio, cheio de charme e coragem e que a cada semana está com uma garota nova. Cameron daria tudo para se aproximar de uma garota daquelas, para amá-la e tratá-la bem, e gosta especialmente da mais recente namorada de Rube, Octavia, com suas ideias brilhantes e olhos verde-mar. Cameron e Rube sempre foram leais um com o outro, mas isso é colocado à prova quando Cam se apaixona por Octavia. Mas por que alguém como ela se interessaria por um perdedor como ele? Octavia, porém, sabe que Cameron é mais interessante do que pensa. Talvez ele tenha algo a dizer, e talvez suas palavras mudem tudo: as vitórias, os amores, as derrotas, a família Wolfe e até ele mesmo. 

Autor: Markus Zusac
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580573732
Páginas: 176
Nota: 

Duas coisas que preciso esclarecer antes de chegar nessa resenha. Eu não li A menina que roubava livros, o mais famoso livro de Zusak, lançado em 2007 (no Brasil) e que ganhará filme no ano que vem. Eu escuto elogios, vejo surtos da timeline (principalmente considerando o recente trailer), mas não é algo que chama a minha atenção ao ponto de entrar na pilha. Segundo: A garota que eu quero faz parte de uma trilogia. É o volume final dela. Só descobri depois que terminei a leitura.

Então vamos aos fatos. Essa é uma trilogia chamada Irmãos Wolfe, que fala sobre (obviamente) os irmãos Wolfe: Steve, Rube, Sarah e Cameron, sendo o último o mais novo, mais doce e protagonista da vez. Na trama que se desenrola, ele se apaixona por Octavia, a mais recente namorada de Rube, e... É isso. A garota que eu quero é um livro curto, os núcleos secundários são bastante dispensáveis para quem não acompanhou o trajeto dos Wolfe em O Azarão e Bom de Briga (que, por alguma razão que não sei, foram lançados pela editora Bertrand, diferente desse último livro).

A trama em si é bem fraca, bastante clichê, mas consegue se desenvolver de forma única. Muito vale do modo de narrativa. Zusak é muito poético, e entre os capítulos, existem pequenas histórias - não exatamente contos, não exatamente crônicas - escritas por Cam, o seu ponto de vista do mundo. São suas palavras. Isso deu um tom singular para o livro, um sentimentalismo maior do que uma simples história do garoto-que -se-apaixona-pela-namorada-do-irmão parece ter. Não foi o suficiente para que eu me conectasse com a história, criasse uma ligação especial com os personagens, marcasse o livro como favorito e derivados. Porém, bastou para A garota que eu quero estar num outro patamar desse tipo de história.

Falando em plots, a coisa principal do livro desenvolve rápido demais. Rube não é exatamente a pessoa que mais conserva namoradas, e logo Octavia está livre e desimpedida. Ainda tem aquela coisa de como Cam se aproximaria, e caso acontecesse, como falaria pro irmão que está a fim de sua ex... Porém, o clímax do livro não é nem isso. A situação mais "emocional" que o autor colocou é estrategicamente feita para tocar o coração do leitor. Não funcionou comigo e achei forçado, mas saiba que isso foi algo muito pessoal. EU não me emocionei, mas garanto que se lesse para minhas amigas, elas chorariam. Minha família choraria. Meus vizinhos que não sei o nome, também. É uma espécie de drama que sou provavelmente a única pessoa no mundo imune. 

A garota que eu quero foi uma leitura muito rápida, questão de uma hora. A narrativa de Zusak é entrecortada, interrompida, com frases curtas e objetivas, mas de um jeito muito legal e surpreendentemente fluido. Eu não cheguei a me apegar aos personagens e achar a história em si algo extremamente lindo e emocionante (176 páginas com espaçamento generoso não dá pra ficar muito aprofundado, convenhamos), mas foi uma boa leitura e deu pra reconhecer porque falam que as palavras do autor são tão poéticas. As de Cam são assim. É uma pena que sejam bem poucas.
Beijinhos ♥

9 comentários:

  1. Eu pensei que a história fosse bem mais legal, tendo em vista a reputação do autor. Mas aparentemente, deixa a desejar em vários aspectos. A história ser meio "corrida" e clichê são pontos fracos, mas ainda assim gostaria de ler e tirar minhas conclusões.
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Já li A menina que roubava livros e gostei bastante! :)

    Essa trilogia não li nenhum ainda, mas por incrivel que pareça, não me chamou a atenção!

    Beijos,
    Lucas

    ResponderExcluir
  3. Não sei, porém suspeito, que com "A menina que roubava livros" só lendo para compreender o nosso apego, o nosso vinculo afetivo com o texto do livro.

    Tudo o que você falou sobre a poesia, o entrecortado e o fazer algum personagem central escrever um livro dentro do livro ocorre mais e melhor no livro mais famoso dele.

    Adorei mais que a resenha, a forma como você conduziu a sua descrição do livro. Parabéns pela franqueza.

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. como assim trilogia e esse é o volume final dela? boiei Oo
    vi esse livro na feira de livros aqui da minha cidade e me assustei com o tamanho dele! não imaginava que era tão fino como é...
    mas é bom saber que a leitura dele é rápida... quem sabe assim eu me animo :D

    ResponderExcluir
  5. Só eu achei doido essa continuação em outra editora? Mas...deixa quieto.
    É legal esses livros e queria conferir todos, achei esse bem bacana. Se é bom ou ruim ou fica no meio termo só lendo pra saber, mas acho que gosto. A trama é boa.

    ResponderExcluir
  6. Quando lançou o livro duas coisas me chamaram a atenção: o All Star na capa e o autor. Eu também não li 'A Menina que Roubava Livros' (pretendo ler antes de ver o filme), mas já conhecia a fama do autor, inclusive por essa série. Quando fui dar uma pesquisada sobre o livro achei estranho a Bertrand ter publicado os outros dois da série (e as capas sugerem coisas diferentes na minha opinião).
    Ah, se o autor é bom mesmo é possível uma história ser profunda e completa em cerca de 200 páginas... vide 'Marina' do Zafón e 'As Vantagens de Ser Invisível :)

    ResponderExcluir
  7. Pela primeira vez (de todas as resenhas que eu já li suas, porque só leio resenhas de livros que eu já li ou que eu estou lendo, pelo menos pra comentar UHSAHUSAHU) minha opinião é diferente da sua!
    Uma leitura rápida e simples, mas que não deixou de ser interessante e até emocionante, porque como eu já li A Menina Que Roubava Livros, achava que o Rube ia acabar morrendo, então sofri de antecipação HUSAHUASUHAUSH E porque também sou dessas que seria uma das 13 namoradas dele UHSAHUSHAUASHUHUSAHUSAUHS
    Mas tbm achei o Cam cativante, ao seu jeito estranho! Mas antes de ler fiquei sabendo que era uma trilogia, então ficava o tempo todo imaginando o que será que contou nos livros anteriores HSAHUHUAS mas é um livro legal, gostei mesmo, me deixou sorridente!

    Acho que é só. Mas leia A Menina Que Roubava Livros, vale a pena!

    ResponderExcluir
  8. Tai um livro que não despertou nem um pouquinho a minha curiosidade...

    ResponderExcluir
  9. Já não tinha muito interesse por essa trama, mas esperava por se tratar do Markus Zusak.

    ResponderExcluir

E chegamos a parte maravilhosa em que vocês participam do blog comigo! Deixe sua opinião sobre o que leu/viu, só com alguns poréns:
- Comentários ofensivos à autora do blog ou outros comentaristas não serão aprovados.
- Comentários preconceituosos ou/e de caráter sexual não serão aprovados.
- Comentários anônimos não serão aprovados, a ferramenta só está ativada pela liberação de comentários com NOME+URL de pessoas não cadastradas no Google, etc.
- Comentários unicamente de divulgação não serão aprovados.
- As respostas serão feitas na página de comentários, em caso de mais urgência, utilize a ferramenta "Contato" na lateral.
Tirando essas pequenas regrinhas, fiquei a vontade! O espaço é de vocês :D Aliás, obrigada pelo comentário!