30 de jul de 2013

Por um mundo com mais filmes como Upside Down

Quando nos tornamos bookaholic, a parte cinematográfica da vida acaba deixando a desejar. Pelo menos é assim comigo. São tantas histórias incríveis e originais em livros, enquanto no cinema é sempre o mesmo do mesmo. Se o filme é inovador, provavelmente tem um best seller por trás. E é aí que surge Upside Down. Em meio a milhares de comédias românticas, de filmes de ação com caras de terno, de almas penadas possuindo humanos assassinos, está uma história realmente diferente. Upside Down é tão único que nos faz querer que existam mais dele.
O ponto alto de toda a história é seu cenário e a contextualização do mesmo. Em uma dimensão paralela, existem dois planetas ligados, um virado para o outro de forma que fiquem de ponta cabeça e a interação seja possível (não que isso seja permitido). O lado de cima, como ficou conhecido, é um rico produtor de petróleo, sempre iluminado, repleto de pessoas ricas, completamente contrastante ao lado de baixo: pobre, escuro, sujo. A unica ligação entre eles é a Transworld, a grande produtora da matéria prima, que reúne trabalhadores dos dois mundos e é o único meio de comunicação liberado entre eles, com todas suas hierarquias dentro da empresa.

Os protagonistas são Adam e Eden: ele do lado de baixo, ela do de cima. Eles se conheceram ainda crianças, no ponto mais alto de seus mundos opostos, e se tornam amigos desde então. O tempo passa, eles crescem e se apaixonam, mas não é só a impossibilidade da força gravitacional que os separa. Um flagrante do governo autoritário os separa por definitivo e, por anos, eles perdem o contato. O amor é impossível até Adam a ver na televisão e, depois disso, tentar o possível e impossível para encontrá-la.
Mesmo assim, o cenário ganha mais espaço do que deveria ter. A gente entende que a ideia em si é extremamente genial e quer mais é que seja explorada de todos os ângulos possíveis (e não só na fotografia), mas isso não é motivo para descuidar do roteiro. O desenvolvimento da história, principalmente no quesito romance, não inova. É clichê, é previsível. O casal gera empatia, a gente acredita na química e tudo mais, porém podia ter um quê a mais como teve em todos os outros itens da produção.
A fotografia não deixa a desejar - é incrível. Todo o trabalho visual do filme foi muito bem feito. Um pela caracterização, dois porque o mais bonito é sempre mais atrativo. Os efeitos visuais são condizentes com a realidade dos personagens, seja na atmosfera rica do lado de cima, seja no ar sombrio e pesado dos habitantes de baixo. Fica parecendo quase que como uma distopia. As cenas em que Adam e Eden são perseguidos pela polícia foram muito bem coordenadas e cheias de adrenalina. É uma pena que o governo fique preso a apenas essas passagens, quando poderia ter muito mais espaço.
Em suma, Upside Down é um filme muito bom. É inovador, diferente, ~ozado~, bem dirigido... É uma série de elogios com o único defeito do roteiro seguir sem grandes reviravoltas. A produção tem um ar cult, mas não sei até onde isso vai quando é estrelado pela Kirsten Durst. Aliás, falando em elenco, dá pra rever Timothy Spall, o Rabicho de Harry Potter. Só eu acho amor reencontrar o cast espalhado por aí? De qualquer maneira, esse é um filme para quem gosta de ficção cientifica, quem gosta de romance, quem gosta de distopia e, também, para todo ser humano na Terra. Cadê a produção sendo genial em outra história?
Beijinhos ♥

7 comentários:

  1. Não conhecia esse filme! Fiquei curiosa! Com certeza vou procurar para assistir!
    Beeijos,
    Own Mine

    ResponderExcluir
  2. Meu lado cinéfilo está muito largadinho, coitado! rs
    Não conhecia este filme e achei a ideia espetacular. Realmente é muito diferente do clichê ambulante que tomou conta da indústria cinematográfica. Gosto muito de filmes que misturam (com sucesso) ficção e romance, com o bônus, neste caso, da distopia. Muito legal. Pretendo ver assim que possível!
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Valha, nem conhecia esse filme! Parece ser bem interessante. Vou colocar no Filmow pra ver depois.

    @mmundodetinta
    maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br
    https://www.facebook.com/maravilhosomundodetinta?fref=ts

    ResponderExcluir
  4. Faz, muito, muito, tempo q não vou ai cinema.... É pelo mesmo motivo q vc....
    Resultado: nem conhecia esse filme, acho q vou procurar para ver, já q gostei bastante da sua resenha....

    ResponderExcluir
  5. bom, eu tento conciliar livros e filmes, mas admito que não é fácil não hahaha
    não conhecia este filme ainda, mas fiquei totalmente curiosa para vê-lo agora *-*
    realmente, bem diferente!

    ResponderExcluir
  6. Já procurando pra ver, adoro filmes com esses dois! Juntos então e boa assim? Booooora procurar *-*

    ResponderExcluir
  7. Esse foi o filme mais doido que já vi! Geeenteee! É perfeito *-*
    Amei a dica, acabei de ver agorinha mesmo e até agora estou tonta (que negócio é esse de teto é chão e chão é teto? Fico olhando pra cima agora achando que vou cair xD)
    Vale muito a pena mesmo, é perfeita, a ideia é doida e linda e bem feita e..e..e..
    AMEI!

    ResponderExcluir

E chegamos a parte maravilhosa em que vocês participam do blog comigo! Deixe sua opinião sobre o que leu/viu, só com alguns poréns:
- Comentários ofensivos à autora do blog ou outros comentaristas não serão aprovados.
- Comentários preconceituosos ou/e de caráter sexual não serão aprovados.
- Comentários anônimos não serão aprovados, a ferramenta só está ativada pela liberação de comentários com NOME+URL de pessoas não cadastradas no Google, etc.
- Comentários unicamente de divulgação não serão aprovados.
- As respostas serão feitas na página de comentários, em caso de mais urgência, utilize a ferramenta "Contato" na lateral.
Tirando essas pequenas regrinhas, fiquei a vontade! O espaço é de vocês :D Aliás, obrigada pelo comentário!