31 de out de 2012

E o make de Halloween?

Halloween, galera, o dia em que vários personagens dos seus livros favoritos estão fazendo rituais macabros com explicações mais macabras ainda. É tão menos emocionante quando você é humana, não? Mas isso não quer dizer que a data precisa passar em branco (na verdade, quer dizer sim quando você tem o ENEM em dois dias, mas enfim). E quer motivo melhor pra se jogar no make escuro e ousado? O fator decisivo é o drama. Não precisa ser assustador, não precisa parecer um walker, mas deve ser dramático. Ah, quem não gosta? Mais teatral, mais irreal. É o lado negro da maquiagem, extremamente livre. E as cinco inspirações mais legais?
O smokey eye não é o básico de toda noite. Uma linha reta ao canto externo do olho não é apagada, dividindo o make em dois. O batom vinho é queridinho da temporada e ajuda no efeito dark. Esse tem mais o penteado diferente, com franja retrô.
Certo, a gêmea Olsen aqui esqueceu o pó compacto (e de preparar a pele no geral), mas fez um make legal de tirar inspired pro Dia das Bruxas - sem maldade. Sombra vermelha é algo difícil de usar normalmente, faz parecer que está com conjuntivite ou outra infecção no olho. Para datas assim? Pode mandar vir. O contorno de lápis preto destaca o olho e deixa mais com cara de festa. O batom rosa tá perdido: poderia ser nude ou escuro, ficou no meio termo sem graça. Ok.
Sou in love por essas maquiagens boneca macabra, vai dizer que não é amor? Tudo aqui é drama: a pele bem preparada, o blush rosa bem marcado, os cílios postiços enormes, o delineador gatinho... O toque extra fica por conta das lágrimas de maquiagem e o batom vinho só no centro da boca apagada. Eu usaria.
Essa coisa de batom vinho só no centro da boca é coisa de Dior, lá em 2010. Para a passarela, o destaque foi para boca E olhos. O smokey com dourado, preto e tons intermediários era alongado, bem definido e nem um pouco sutil. Sem medo de ousar, lembra?
Terminando, para você que acha que as outras opções são exageradas (nem sugeri essa), um pouco de Katy Perry. Por mais que o cabelo roxo tenha ajudado no feeling dark, os olhos contornados com preto + cílios bem marcados + batom vinho, dão uma opção legal, não? E nem parece um errante walker.
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

30 de out de 2012

Segredos da minha vida em Hollywood por Jen Calonita

Segredos da minha vida em Hollywood - #1

E se... sua foto fosse colada nos armários por todo o país, seus closets estivessem lotados de roupas de estilistas famosos, e os tablóides perguntassem constantemente se você está perdendo seu status de "boa menina"? 
É uma vida de glamour, mas Kaitlin Burke, estrela de uma das mais populares séries de TV, está cansada da pressão da fama. Então ela decide passar alguns meses disfarçada como uma estudante normal. 
Mas será que a vida real no Ensino Médio pode ser tão difícil quando Hollywood?

Autora: Jen Calonita
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501078797
Páginas: 285
Nota: 

Analisando minhas últimas leituras, YAs leves e fofos estavam sumidos. Livros meigos, com personagens jovens, sem poderes sobrenaturais, nada de assassinos a espreita, e essas coisas que acabam definindo um outro subgênero são bem raros hoje, percebeu? Eles, hoje, estão sumidos no mercado editorial adolescente, dominado por distopias e espécies inumanas. Não que não sejam boas histórias os best sellers de agora - você sabe que eu amo - mas, as vezes, precisamos de algo para espairecer. Vampiros, demônios e governos opressores não conseguem cumprir essa função muito bem.

Segredo da minha vida em Hollywood foi lançado em 2007, no auge dos meus 11 anos, e está na lista de desejados desde então. O plot principal sempre foi algo que me atraiu: Kaitlin, a estrela adolescente do momento, por mais que ame sua carreira, está querendo saber o que é ser uma adolescente normal, alguém sem um roteirista por trás. E, para isso, com a ajuda da melhor amiga, da assistente, da relações públicos e o segurança, ela se disfarça e vai para o ensino médio. Lembra de Hannah Montana? É.

Curiosidade genuína pela vida dos famosos faz parte (assim como acessar o JustJared e Perez Hilton em posts polêmicos). Você sabe que paparazzis são invasivos, que quase toda ação é premeditada em Hollywood, e boa parte das amizades e casais famosos que você vê por aí é publicidade. Entretanto, para seu debut, Jen Calonita trás o outro lado da moeda. Mesmo que a história seja encantadora, os segredos dos bastidores são reais. Ou você que programas de entrevistas são espontâneos? 

Os personagens foram bem formulados, tudo para a fluência geral do livro. A protagonista é incrível, sem se deslumbrar com a fama, sem ser um poço de bondade e generosidade. Kaitlin tem atitude quando quer  e  precisa, mas conhece suas limitações. A equipe dela rende algumas das melhores partes do livro, cada um a seu modo, na sua função, ajudando nas confusões que Kaitlin se mete incansavelmente. A vida dupla é só um detalhe - ser estrela de Hollywood já é altamente cansativo.

Quando um livro é fofo, ele é assim em todos os sentidos. Segredos da minha vida em Hollywood tem personagens ótimos, narrativa divertida, tiradas inteligentes e romance muito amor. Por mais que tenha a ideia principal semelhante à Hannah Montana, o livro de Jen Calonita é mais interessante, mais inteligente e maduro. Preciso da continuação urgentemente. Uma campanha pela volta do gênero nos catálogos de lançamentos, quem topa?
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

PS: É, galera, assumo que sumi. Foi mal, minha culpa. Me entendam: é ENEM no fim de semana, vestibular em um mês, notebook com HD queimado e professores acumulando trabalho. Estou pirando lentamente (mentira, tá sendo bem rápido). De qualquer modo, vou tentar voltar no ritmo essa semana, mas né, o mundo não tá colaborando. Desculpa :/

24 de out de 2012

Os melhores da Mischa!

Impressionante o quão rápido você pode viciar no guarda roupa de alguém. Não precisam meses, semanas ou mesmo dias. Apenas uma boa galeria de imagens, dez minutos, e OMG, você encontrou uma nova it girl pra vida! Com Mischa Barton foi assim. Sempre ignorei sua existência fashionista, mas foi preciso três fotos e 47 segundos para me fazer querer percorrer todo o lookbook da atriz. E selecionar as peças favoritas (viciei nisso também!).
Embora eu ache que atualmente os paetês já estejam banalizados, curingas demais e um tanto comuns, quando essa foto foi feita, lá em 2011, era loosho puro meets ousadia. Mesmo assim, hoje, cardigãs dourados ainda tem seu destaque, seu toque cheguey numa peça casual. Duvido que metade da galera que tá se jogando no vestido e saia de paetê como se não houvesse amanhã pra noite, encararia um cardigã. Pfvr, sociedade, não tire o brilho único de um casaqueto brilhante.
8 a cada 10 pessoas veem essa foto e não conseguem desviar os olhos do casaco azul com franjas e bordados. E a peça viva da produção, o ponto alto. Esses outros 20% do povo vão continuar analisando até chegar nos slippers pretos tachinhas. Convenhamos, o novo mocassim com spike é amor em forma de sapato rebelde. 
Qualquer pessoa que use uma camisa com estampa de barata sem ficar com cara de exterminadora de insetos já ganha lugar na minha lista de it girls. Mas não é sobre ela que eu quero falar. Olhe para a saia! Plissada, com camada, amarelo fluor... Ser discreta é tão semana passada.
Não tem como usar um vestido desses e não se sentir num conto de fadas. Organza de seda, branco e nude,  camadas, leveza, lady like, ar retro. Ele é tão doce que nem tem sua feminilidade ameaçada pelo oxford marrom. E nem sua pegada das décadas passadas apagadas pelo batom pink.
Já vi muita gente fazer confusão em achar que só porque é hippie, deve ser desleixado. Vide a saia longa de Mischa. A animal print tem o feeling boho incontestável, mas os tons escuros apagam o rótulo safári do safári chic. Os plissados ajudam para o caimento ficar mais legal.
Vestido preto. De pelúcia. E brilhos. Amor. Apenas. 
Não sei dizer o que gostei mais: a blusa de renda com peplum ou as lita boots de oncinha. A primeira vai ser uma das peças da temporada - já é, aliás - e não parece ter prazo de validade em termos de trend. E a segunda... Bem, é Lita Boots, Jeremy Campbell, com animal print. Quer mais?
Já falei da saia longa plissada, agora é destaque para o tricot metalizado - febre da night no inverno, futuro queridinho dos dias mais frios do verão (porque aquecimento global é isso, bonitos). O brilho não é muito gritante, a peça em si não é óbvia... Lyndo, peeps!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

23 de out de 2012

Cidade dos Anjos Caídos por Cassandra Clare

Cidade dos Anjos Caídos - Os Instrumentos Mortais #4
COM SPOILLER - medianos - DOS ANTERIORES! 
A guerra acabou e Caçadores de Sombras e integrantes do submundo parecem estar em paz. Clary está de volta a Nova York, treinando para usar seus poderes. Tudo parece bem, mas alguém está assassinando Caçadores e reacendendo as tensões entre os dois grupos, o que pode gerar uma segunda guerra sangrenta. Quando Jace começa a se afastar sem nenhuma explicação, Clary começa a desvendar um mistério que se tornará seu pior pesadelo. 

Autora: Cassandra Clare
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501092717
Páginas: 364
Nota: (Sistema de estrelas é sacanagy)

Certo, o que falar? Todo mundo sabe da minha fraqueza por Os Instrumentos Mortais, pela minha eterna relação de amor e ódio com Cassandra Clare... Essa é a série da minha vida. Mesmo assim, nunca entendi o motivo da autora continuar com a trilogia. Mais dinheiro e mais tortura com os leitores? Cada volume consegue ser melhor que o anterior, mais instigante, apaixonante... Cada vez mais cruel com nosso coração (mentira, Cidade dos Ossos é o auge da maldade - mas nenhum outro fica muito para trás). 

Como a ideia inicial não eram seis livros, Cidade de Vidro concluiu a história. Cidade dos Anjos Caídos é uma nova trama principal, tirando o foco de cima de Clary e Jace e dando destaque também para Simon, o vampiro Diurno mais disputado do Submundo. Claro, ainda tem muitas doses dos meus caçadores de sombra favoritos, mas ganhamos uma nova visão. 

É, Cassandra Clare se aproveitou desse fator para brincar mais com os leitores. Por ter vários protagonistas, vários focos narrativos, os fatos eram intercalados. Quando o momento chegava no ápice da tensão, vamos pular de cena! Tinha vezes que a minha vontade era ignorar certas passagens e ir logo para onde Jace e Clary estavam. Mas, sabe como é, tudo é tão bom, tão bem formulado e desenvolvido, que parece crime ignorar alguém. O negócio é ignorar tia Cassie e sua maldade iminente (como se fosse possível).

Nunca gostei muito de Simon, principalmente por causa da ameaça de shippa-lo com Clary permanentemente. Dessa vez, isso não existe mais, e ele está no meio de um triângulo amoroso com Maia e Isabelle. Meldels, Simon pode ser um personagem muito interessante quando quer! Adorei seus momentos. Claro que nada chega aos pés de Jace lindomaravilhoso. Falar dele é desnecessário, não? ♥

Mesmo que a autora mantenha níveis elevados de aventura e ação, esse foi um dos livros mais leves, equilibrando com romance e comédia. Os diálogos eram hilários e inteligentes (meu exemplar tá cheio de tags), mas nada se compara ao romance. Os momentos de Jace e Clary eram para morrer de morte morrida. Não eram mais meus dedos que doíam, era a mão inteira. Santa perfeição! ♥

Nada sai mais pessoal que as minhas resenhas dessa série. Eu achava que nada superaria Cidade de Vidro, tinha completa certeza que Cidade dos Anjos Caídos era desnecessário e só mais uma forma de torturar e me deixar na fossa. Não, pelo contrário. O livro superou completamente minhas expectativas, mudou minha visão sobre muitos personagens, me encantou e destruiu minhas unhas (eu não roo, mas fico arranhando o criado mudo, o que é bem compatível). Já passei do nível de apenas recomendar o livro, então apenas um recado: ou você leia logo, ou demônios do Submundo vão lhe fazer uma visitinha #JoanaAmeaçando.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

Claudinha Milk no The Voice!

Reality show musical é a nova febre do momento. Velhos tempos quando Ídolos era o ápice dos caça talentos televisivos. Hoje tem Idols, The X Factor, The Voice... Os direitos estão sendo vendidos por todo o mundo, e finalmente as cadeiras giratórias vermelhas chegaram no Brasil. The Voice BR tem audiência enorme, e ganhou nossos corações já cansados da programação deplorável de domingo. Certo, sem Adam Levine, sem Jessie J, mas cheio de talentos e looks phynos da Claudia Leitte.
Audições as cegas - Dia 1:
Sou apaixonada por Patricia Bonaldi, acho que suas criações são nível Elie Saab - só com label verde e amarela. Mesmo que o vestido da primeira audição não tenha o feeling lady like característico, amei do mesmo jeito. O modelo é estruturado, ombros fortes, além de que comprimento mini com manga longa é amor! A estampa tribal com pedrarias é cara da ryqueza, gente.
Audições as cegas - Dia 2:
Blazer branco é sofisticado, é chique e clássico. O shorts com pedrarias é ryco, o contraponto perfeito, a parte moderna e chamativa do look. Na parte dos acessórios, um contraponto: o cinto com big fivela é esquisito e cowboy demais, porém o Louboutin é amor da vida! Mas tá phyna com seu cabelo old-Taylor Swift.
Audições as cegas - Dia 3:
Foi ai que ela se encantou por cropped shirt e adotou como peça oficial do figurino. Começando pelo dia que o Projac estava frio e tudo foi comprido. Começando pela blusa com manga longa em verde militar, fazendo HiLo com a maxi saia de listras verticais, truque de styling para alongar- sem falar na leve transparência. Se não me engano, também é PatBo. Justifica, não?
Audições as cegas - Dia 4:
No próximo programa, ajustou. Se jogando no total black, a blusa era mais uma "segunda pele". Por mais que eu ache feio essas golas afogadas, deu pra passar (não parece tanto uma cabeça voadora). A saia de couro tinha efeito de recortes de acordo com a iluminação. O cinto dourado com pedras é muito ryco. O batom matte com cor forte se destacou, um dos melhores makes do programa.
Batalhas - Dia 1:
Dessa vez, a cropped shirt era bem dia, com print de praia e casualidade dominando. A saia de couro turquesa com as aplicações de tachas douradas era a parte dyva. Detalhe: o salto estranho. Não usaria, mas enfim.
Convenhamos, galera, Claudinha Milk tá arrasando mais que Brit e Demi juntas no The X Factor. It's Claudia, bitch!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

21 de out de 2012

Essa Semana #56

Meme semanal hospedado pelo Lost in Chick Lit, onde compartilhamos pequenas informações sobre a nossa semana literária. Tendo como principal objetivo encorajar a interação entre os blogs literários brasileiros, fazer amizades e conhecer um pouquinho mais sobre outras pessoas apaixonada por literatura.

Vem comigo na minha semana literária... 


♥ Leitura do momento:
Lembra de mim? - Sophie Kinsella (relendo)

♥ Li essa semana:
Trono de fogo - Rick Riordan
Um romântico incorrigível - Devan Sipher
Despertar - Amanda Hocking
Cidade dos anjos caídos - Cassandra Clare

 Resenhei essa semana:
Trono de fogo por Rick Riordan
Um romântico incorrigível por Devan Sipher
Despertar por Amanda Hocking

♥ Super Posts:

 Ultima Compra: 
Presilhas.

 Desejo Comprar Urgentemente:

City of lost souls - Cassandra Clare

Conversa imaginária com personagem fictício:
"Jace, também quero aprender a lutar. Vai ser meu professor?"

Eu falaria para o autor:  

"Cassandra, amada, QUAL O SEU PROBLEMA?"

 Estado de Espirito Literário:
To na fossa.

Literary Crush: 

JACE. JACE. JACE. JACE. ETERNAMENTE JACE. INFINITOS JACE. (ok, parei). ♥

Jace. ♥

♥ Feito da Semana: 
Recuperei o ritmo literário! (mas já perdi novamente).

♥Queria ver no Brasil:
City of lost souls, dã

♥ Im in mood for... (gênero literário do momento):
Nenhum livro. Não quero mais ler na vida. Nada vai ser tão bom quanto Cidade dos Anjos Caídos. Vou desistir da literatura. Passado o surto, chick lits da Sophie Kinsella para animar.

Hey Mr, Postman (ultima coisinha que chegou do correio):
Shine (Lauren Myracle) e Quase Mortos (Rook Hastings).

Super Quote:
"- Eu não - disse Kyle. - Mas não morro de amores pela espécie dele. - Apontou um dedo para Jace. - Acham que são melhores do que todo mundo.
- Não - disse Jace. - Eu acho que sou melhor do que todo mundo. É uma opinião que já foi endossada com grandes evidências."
Cidade dos anjos caídos - Cassandra Clare - Página 128
 Vi e viciei (booktrailers, trailers, videos whatever):
Revenge (já que Avenida Brasil e seus mil e um furos acabaram, uma série cheia de vingança e personagens maus, haha) ♥
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

20 de out de 2012

Despertar por Amanda Hocking

Despertar - Watersong #1
Na pequena cidade litorânea de Capri, as turistas Penn, Lexi e Thea conseguiram chamar a atenção de todos, seja pelo fascínio ou pela apreensão. Tudo o que se sabe é que por onde passam existe uma energia no ar, algo sobrenatural, e que as garotas estão interessadas em ter a jovem Gemma em seu grupo. Gemma parece ter tudo, é uma nadadora incrível, está começando a namorar seu amigo de infância e se prepara para competir nas olimpíadasno futuro. Aos 16 anos, Gemma sabe que é feliz. Mas quando Penn, Lexi e Thea se interessam por ela, tudo fica prestes a mudar. Sua irmã Harper percebe que há algo de estranho com as garotas, mas será tarde demais para alertar Gemma? A autora fenômeno Amanda Hocking chega ao Brasil com mais uma saga eletrizante, prendendo o leitor do começo ao fim em uma história em que nada é o que parece. A canção do Oceano está chamando.

Autora: Amanda Hocking
Editora: Planeta
ISBN: 9788576658771
Páginas: 208
Nota: 

Desconsiderando A Pequena Sereia, as minhas experiências com as mulheres-peixes nunca seguiram um padrão. Não foi como anjos e vampiros, que me encantei com quase todas as séries que li (mantendo meus preferidos, claro). Eu gostei de Sereia, odiei No fundo do amor, me decepcionei com Encanto, mas acabo sempre dando novas chances, afinal, nunca se sabe. Despertar, debut de Amanda Hocking, teve uma boa publicidade, alguns elogios consideráveis, o que eu tinha a perder?

O cargo de protagonista do livro é dividido entre as irmãs Gemma e Harper. A primeira é introspectiva, extremamente bonita e adora nadar (principalmente à noite). Já a outra é a responsável, suprindo a falta da mãe (internada numa casa de repouso), se intrometendo na vida da irmã, usando seu instinto protetor como melhor argumento. A vida delas começa a se agitar com a chegada de três garotas misteriosas na pequena cidade litorânea de Capri, e alguns assassinatos misteriosos que surgem. 

Como o livro passa da visão de uma para outra, tudo em terceira pessoa, não foi muito aprofundado os sentimentos das irmãs entre si. Ambas são muito opostas, com vontades contrárias e aspirações particulares. Não dá base para o leitor se decidir quem está certa ali: Gemma atrás de sua independência, ou a proteção excessiva de Harper. Talvez as duas, talvez nenhuma. Quando você começa a entender o lado delas, o livro acaba. Legal de sua parte, Amanda. Muito legal.

Despertar tem a melhor mitologia de sereias que já li. É bem explicado, com lógica e fatos novos. As sirenas da autora tem uma história incrível na sua origem. E, galera, muito amor inserir aqui a boa e velha mitologia grega. Mas não são apenas elogios que tenho para Amanda. Uma coisa que me incomodou bastante durante a leitura, foi seu completo desprezo pela criação de pronomes. Nomes próprios como Gemma e Harper são repetidos cerca de 15 vezes por página (eu contei algumas vezes). Não sei se é problema de edição, tradução, revisão ou da autora, só sei que é chato.

Como é o primeiro livro de uma série, serviu para cumprir o objetivo principal: introduzir e dar uma boa base para a continuação. Tirando essa parte de repetição, Despertar é uma leitura boa, rápida, bem tramada e que consegue equilibrar bem a atmosfera sombria com momentos cômicos (a mãe das garotas é apaixonada por Justin Bieber, e mesmo tendo importância mínima e rara, rende risadas). Eu gostei bastante e acho que você deve ler.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

19 de out de 2012

A minha fall season!

Se teve um assunto que bombou ultimamente no meu twitter (segue lá: @GirliePoderosa) foram os seriados. Fall season, galery, a tão esperada época de estreias, os retornos mais aguardados, a última ocupação dos seus raros minutos livres. Essa foi a segunda fall season que acompanhei (ok, a 16ª, mas você entendeu), e acabei me jogando em todos os seriados que poderiam ser uma boa história. Agora eu tenho menos tempo, mas muito mais pauta. Quer saber o que eu assisti (todo o título de série redireciona para o episódio piloto)?
Ben and Kate
Relacionamento entre irmãos é uma coisa que eu adoro ver ser explorada na televisão, e acaba funcionando bastante em comédia. Essa é a história de Ben, completamente irresponsável, que vai morar com a irmã, Kate, e a sobrinha, Maddie. Eles tem uma boa dinâmica, situações engraçadas e acabaram virando uma das melhores comédias estreantes. BJ e Tommy, amigos dos protagonistas, também acabam contribuindo para em cena. A FOX já encomendou a primeira temporada completa com 19 episódios. Prevejo a nova New Girl!
Cuckoo
Já adianto: Cuckoo não é o melhor seriado do mundo, só ainda não reverti porque são apenas seis episódios e já assisti três. A premissa é até legal: Rachel, a garota certinha com um futuro promissor, depois de passar um ano na Tailândia, volta para a casa dos pais casada com Cuckoo, um hippie que não quer trabalhar e acha que vai mudar o mundo. As piadas são interessantes, mas não rendem muitas risadas, principalmente as mais apelativas. Cuckoo é o personagem que todo revolucionário de sofá vai se identificar. Aliás, é uma série britânica, ou seja, sotaque!
Go On
A série fez bastante sucesso por trazer Mathew Perry, de FRIENDS, de volta às comédias. A história é ótima: Ryan é um radialista obrigado a entrar para um grupo de apoio após a morte da mulher. Eu ri demais no piloto, mas não achei que teria piada suficiente para uma temporada inteira. Ledo engano. Go On arranca gargalhada em todo o episódio e tem plots incríveis, que misturam drama sem deixar ninguém pra baixo. A série também trás Tyler James Willians, de Todo Mundo Odeia o Chris, para relembrar o quanto estamos velhos.
Guys with Kids
Aprendi com Once Upon a Time que não se deve julgar uma série pelo piloto, e Guys With Kids serviu para relembrar isso. Sério, galera, o primeiro episódio é péssimo - mas depois melhora. Pais cuidando os filhos virou clichê desde Baby Daddy, mas as piadas são boas e fluem melhor a partir do segundo episódio. Além de que Nick é lindo.
Partners
Comecei assistir Partners por alguns comentários felizes no twitter, mas sem esperar muita coisa. Hoje, quatro episódios depois, se tornou uma das minhas sitcoms favoritas. Joe e Louis são melhores amigos desde sempre, e a série explora a amizade deles frente aos relacionamentos amorosos deles: Joe com Ali e Louis com Wyat. Os personagens são estereotipados, as piadas são velhas, o clichê rola solto - mas é ótima! Louis é muito amor ♥
The Mindy Project
Quando penso em TMP, não tenho muita vontade de assistir os episódios, nem faço mil e um elogios. Entretanto, quando assisto, gosto bastante. A protagonista é Mindy, problema com peso e com a vida amorosa, uma mulher divertida, viciada em comédia romântica, que se mete em confusões. Um chick lit para televisão.
The Neighbors
A série tinha duas opções: ou seria ótima e bem feita, ou seria uma tosquice sem fim. Infelizmente, ficou na segunda opção - mas como dei risada no piloto, fiquei com pena de abandonar. O plot principal é uma família humana que se muda para um condomínio de alienígenas, vizinhos extremamente estranhos e anormais. A grande questão da série é saber se Dick, o alien menor, é realmente um garoto. Cá entre nós, não parece.
Arrow
Seriados de super heróis não tem nada a ver comigo, mas viciei em Arrow, o arqueiro. A história de Oliver é intensa, bem tramada, bem escrita, cheia de ação e intriga. O roteiro é excelente, os atores também. Se só essa série de elogios não convenceu você, fique com essa foto. Finalizo meus argumentos. MELDELS, OLIVER É O CARA MAIS LINDO DA FACE DA TERRA!
Beauty and the Beast
Readaptações de A Bela e a Fera se tornaram as coisas mais legais da vida, não?! Nesse caso, a atmosfera é mais sombria, misteriosa e cruel, com direito a muitos assassinatos. Catherine é detetive, Vicent vive escondido. É maravilhoso! Shippei o casal principal antes mesmo deles terem ideia de que um dia podem ser um casal. É muita química!
Nashville
E, para fechar, a nova série musical do pedaço: Nashville. Pelo nome você já percebe que o ritmo da vez é country. A trama principal é de Rayna, uma cantora que vê sua carreira desmoronar e dar lugar para a sensação Juliette. Por mais que eu ame Glee, Nashville é mais sério, mistura intriga familiar e não tem aquela coisa aloka de sair cantando e dançando sem mais nem menos.
E aí estão minhas escolhas. Me conta o que está acompanhando!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

18 de out de 2012

Um romântico incorrigível por Devan Sipher

Um romântico incorrigível
Ele é um romântico incorrigível e também profissional, pois escreve uma coluna sobre casamentos para um importante jornal, cobrindo festas espetaculares de costa a costa do país. Mas há uma linha tênue entre ser um repórter bem-sucedido com uma matéria para escrever e ser um cara sozinho num sábado à noite, no casamento de um desconhecido. Tudo muda na primeira noite do ano, quando Gavin conhece Melinda, uma jornalista de viagens com um espírito aventureiro. Mas Melinda vai embora e parece ter desaparecido sem deixar rastros.Gavin inicia então uma jornada por Nova York em busca dessa intrigante mulher. E aprende que há algo pior do que perdê-la: ter que escrever um artigo sobre o casamento dela. 

Autor: Devan Sipher
Editora: Verus
ISBN: 9788576861874
Páginas: 252
Nota: 

Eu adoro chick lits. Adoro tudo que faz ele ser um gênero fútil: a leveza, a preocupação com o óbvio, o clichê interminável, a falta de profundidade... Afinal, se eu quiser ler coisas importantes e profundas, eu teria uma estante de jornais, VEJAs e livros clássicos. Enfim. Chick lits são conhecidos como livros de mulherzinha, as mesmas que choram assistindo comédias românticas da Katherine Heigl e tem uma seleção de músicas da Adele. Nesse caso, os livros são narrados por mulheres, para mulheres. Mas e quando é o contrário, o protagonista é um homem? 

Ele tem 37 anos, um pescoço fino demais, escreve a coluna de casamentos do maior jornal dos Estados Unidos, e está numa busca incansável pela mulher de sua vida. Não que Gavin Greene saia por aí procurando - e tome alguma atitude quando a encontra. Ele conheceu Melinda na festa de Reveillon, mas a perdeu na mesma noite. Esse é um plot velho, já esteve em cem livros e mil filmes. O fato de que o personagem principal seja um homem pode até gerar uma leve estranheza do inicio, afinal, não é isso que estamos acostumadas, mas depois passa a ser algo despercebido.

Eu gostei de Gavin, mesmo com sua falta de atitude na hora que conhece Melinda. Ele se apaixona com uma facilidade louca, sonha em casar, ter filhos e envelhecer junto da pessoa amada (que corresponda os pré-requisitos de sua lista). Mesmo assim, quando está entrevistando noivos para sua coluna no jornal, ele tem pensamentos bem céticos e irônicos. Gavin é romântico na vida privada, mas no trabalho sabe achar desagradável as melosidades dos casais apaixonados. Minhas palavras ficaram um pouco confusas, porém no livro tem lógica.

A narrativa de Devan tem poder de prender o leitor. No meio de uma ressaca literária, um livro a cada quatro dias e olhe lá, devorei Um romântico incorrigível em poucas horas. As páginas viciam, os capítulos são fluidos, e todo o circo é bem montado. As piadas do autor podem não ser engraçadas, mas são inteligentes, uma espécie de humor negro que você não precisa gargalhar enlouquecidamente para acha-las divertidas. Amei o fato do livro fazer referência com "Vestida para casar", uma das comédias românticas mais divertidas da vida ♥. Desde que li a sinopse, lembrei do filme, e gostei de ver que o autor não ignorou a semelhança (na verdade, ele se jogou nela). 

Um romântico incorrigível é um bom livro, divertido, rápido de ler e com um personagem que tem ótimo dedo para amigos (adorei Hope!). Entretanto, fica no meio termo do chick lit: não é hilário, e também não é romântico a ponto de fazer as pontas dos dedos doerem. Se você está atras de uma leitura leve, recomendo. 
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

Beauty na Paris Fashion Week!

Esse post está programado há bastante tempo, mas acabei adiando e adiando. De repente tinha tanto post it sobre ele colado pela minha mesa que resolvi finalmente colocar no blog. Seguindo a ideia dos makes favoritos da NYFW (aqui), juntei meus favoritos de beleza na semana de moda parisiense, com direito a penteado e maquiagens. Sem classificação, glr.
O coque desconstruído de Balmain:
Tenho um amor especial por penteados levemente podrinhos - são tão mais reais que aqueles de editoriais com cada fio no lugar. Francamente, quem consegue manter o penteado daquele jeito por horas sem usar quilos de fixador, deixando o cabelo oleoso?! No desfile de Balmain foi assim: uma trança embutida que  prendia formando um coque, sem arrumar certinho as mechas do "topo". Adorei a modelo usando brinco da Chanel pra foto - tão irônico. 
O make trocado da Lanvin:
Outra coisa que acho incrível é quando o destaque dos olhos na maquiagem fica na parte "de baixo" do olho, perto da linha lacrimal. É tão nem-um-pouco-óbvio! O make da Lanvin foi nessa linha trocada, com pálpebra completamente livre de sombras e parte inferior marcada com lápis e depois um esfumado de tom escuro. Mesmo assim, não parece que make borrou ou você tenha dormido maquiada. É clean e trash ao mesmo tempo.
Delineador branco de John Galliano:
Sempre achei delineador branco dramático demais, unicamente de passarela. Mas com a quantidade de estilistas que optaram por ele nas últimas semanas de moda pelo mundo, logo logo será inserido no dia a dia.  Adorei o que John Galliano fez, juntando com o esfumado preto rente aos cílios inferiores, um contraste legal.
Make ladylike de Louis Vuitton:
Se você achava que laranja era muito temporada passada e agora iria sumir por um tempo, se enganou. No desfile de Vuitton, as modelos apareceram extremamente fofas como se tivesse saindo de uma máquina do tempo, e o make era uma das grandes razões. A sombra laranja cintilante não era exatamente chamativa, mas ganhava destaque com o contorno preto nos olhos. As mil e uma camadas de rímel deixou ainda mais meigo - qual será o usado?
O rebelde de Elie Saab:
Hihihi, Elie Saab ♥ Todo mundo sempre espera do estilista algo mais romântico meets glamour, inclusive na maquiagem. Smookey eye preto? Surpresa! O olho era bem contornado, e o lápis bege na linha da lágrima deu um efeito mais dramático. Adoro drama!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

16 de out de 2012

O Trono de Fogo por Rick Riordan

O Trono de Fogo - As crônicas dos Kane #2
Com spoiller do livro anterior
Os deuses do Egito Antigo foram libertados, e desde então Carter Kane e sua irmã, Sadie, vivem mergulhados em problemas. Descendentes da Casa da Vida, ordem secreta que remonta à época dos faraós, os dois têm poderes especiais, mas ainda não os dominam por completo – refugiados na Casa do Brooklin, local de aprendizado para novos magos, eles correm contra o tempo. Seu inimigo mais ameaçador, Apófis, está se erguendo, e em poucos dias o mundo terá um final trágico. Para terem alguma chance de derrotar as forças do caos, precisarão da ajuda de Rá, o deus sol. Despertá-lo não será fácil: nenhum mago jamais conseguiu. Carter e Sadie terão de rodar o mundo em busca das três partes do Livro de Rá, para só então começarem a decifrar seus encantamentos. E, é claro, ninguém faz ideia de onde está o deus.

Autor: Rick Riordan
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580570922
Páginas: 390
Nota: 
Livros anteriores: Pirâmide Vermelha

Antes de qualquer coisa, para não ser mal compreendida, preciso dizer que adoro Rick Riordan. O autor me ensinou a gostar de mitologia e não achar história uma disciplina completamente entediante. Entretanto, ele apertou demais nessa tecla. As crônicas dos Kane e Os Herois do Olimpo são apenas outras séries que pegaram carona com Percy Jackson, mesmo tendo outros personagens e aventuras, acabam não trazendo muitas novidades evolutivas, originalidades. Sua primeira série foi um sucesso inovador, o resto - por melhor que seja - não passa de uma forma de prender mais os fãs (e os cartões de crédito dos mesmos).

Começa pelo fato principal, presente em todos os livros de tio Rick: aventura contra o tempo. Sempre, eternamente: o mundo vai acabar e os personagens tem três ou quatro dias para impedir o apocalipse, normalmente ligado a ascensão de um deus do mal. Em O trono de fogo, continuação de Pirâmide Vermelha, é mais ou menos isso. Sadie e Carter precisam levantar o deus Rá, antes de Apófis espalhe o caos pela Terra. Aí, obviamente, o mundo vai acabar.

Repito: eu gosto de Rick. Gosto dessa série, acho até mais legal que PJ. Os protagonistas são magos, não são poderes limitados a uma descendência. A interação entre os irmãos é ótima. Sadie é uma personagem incrível: corajosa, determina e com humor negro muito amor. Já Carter pode ser interessante, com toda sua inteligencia, mas como está de coração partido por causa de Zia, acaba pecando na lamentação. Certo, o mundo depende de você, a garota por que você está apaixonado não lembra da sua existência, mas e daí? Conduza a história, garoto! Mate umas aberrações. Nesse livro também surgem novos personagens: Walt, Jaz e Bes - compensando a nem tão presente Bastet.

O autor manteve o estilo narrativo baseado numa gravação enviada pelos personagens, o que torna mais dinâmico e divertido. Entretanto, volto com as minhas ressalvas: além de faltar lógica na parte de relembrar cada detalhe de cada diálogo, esse texto larga spoiller. Eles falam que quase morreram - mas não chega a agoniar o leitor, já que os dois estão vivos contando. Torço para que o terceiro livro seja um pouco diferente, e mude, no mínimo, o tempo da narrativa.

Foi uma semana com o livro. Para mim, isso é muita coisa. Por melhor que O Trono de Fogo seja, não foi tão eletrizante a ponto de me prender completamente. Eu adorei, me diverti, ri com as tiradas de Sadie e gostei de me envolver mais um pouco com mitologia egípcia, mas realmente faltou o quê a mais que me fizesse amar o livro. Ao menos, o cenário armado para o último livro da trilogia parece excelente, só resta esperar. 
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

15 de out de 2012

RESULTADO: Um lugar para ficar

Sim, eu esqueci de sortear o livro no sábado - my fault. Mas, você sabe, foi feriadão - quem confere a agenda num feriado? Mas está aqui, galera! Quem ganhou o kit de Um lugar para ficar foi...
SABRINA RODRIGUES DE SOUSA
Parabéns, Sabrina! Vocês tem até as 15h de quinta-feira, 19, para enviar seu endereço completo para poderosas.e.femininas@hotmail.com ou por aqui. Quem não ganhou, continue participando com os dedos cruzados. Tem promoção no ar e em breve... =X
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

14 de out de 2012

Essa Semana #55

Meme semanal hospedado pelo Lost in Chick Lit, onde compartilhamos pequenas informações sobre a nossa semana literária. Tendo como principal objetivo encorajar a interação entre os blogs literários brasileiros, fazer amizades e conhecer um pouquinho mais sobre outras pessoas apaixonada por literatura.

Vem comigo na minha semana literária... 


♥ Leitura do momento:
O trono de fogo - Rick Riordan

♥ Li essa semana:
Feita de fumaça e osso - Laini Taylor

 Resenhei essa semana:
Feita de fumaça e osso por Laini Taylor

O segredo de Emma Corrigan por Sophie Kinsella

♥ Super Posts:

 Ultima Compra: 
Esmaltes?

 Desejo Comprar Urgentemente:

Livros distópicos!

Conversa imaginária com personagem fictício:
"Brimstone, pfvr, quero pedrinhas mágicas de realizar desejos também!"

Eu falaria para o autor:  

Um pouco de silêncio dessa vez. 

 Estado de Espirito Literário:
Ressaca literária. Eterna.

Literary Crush: 

--- 

♥ Feito da Semana: 
Er... Virei especialista em aves! \õ/ (vocês sabiam que papagaios só podem falar 20 palavras? E que quem choca os ovos e cuida dos filhotes são emas machos?)

♥Queria ver no Brasil:
Correios mais eficientes ;)

♥ Im in mood for... (gênero literário do momento):
Leio qualquer coisa que me de vontade. O problema é achar algo assim.

Hey Mr, Postman (ultima coisinha que chegou do correio):
O Despertar - Amanda Hocking

Super Quote:
"-Um pouco de tédio seria bom - brincou ele, deixando os olhos se fecharem. - Talvez eu consiga colocar a leitura em dia."
Feita de fumaça e osso - Laini Taylor - Página 253
 Vi e viciei (booktrailers, trailers, videos whatever):
GOSSIP GIRL VOLTOU, GALERY! Chorem de emoção comigo ♥
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

13 de out de 2012

O Segredo de Emma Corrigan por Sophie Kinsella

O Segredo de Emma Corrigan


Funcionária Júnior da Panther Corporation, uma empresa de produtos energéticos e esportivos com filiais por toda Grã-Bretanha, Emma vai a Glascow participar da reunião de marketing sobre um novo refrigerante, a Panther Cola. O que parecia uma grande oportunidade profissional se transforma num pesadelo. Como se não bastasse ter derramado a bebida num superior, seu vôo de volta para casa quase cai. Em momentos de tensão as pessoas fazem as coisas mais estranhas. E Emma Corrigan não é exceção. Acreditando estar a um passo de uma morte trágica, ela conta todos os seus pequenos pecados para o passageiro ao lado. Afinal, qual a probabilidade de vê-lo de novo? Ainda mais com vida? 
Mas o destino decide brincar com a protagonista: o avião pousa em segurança e o distinto cavalheiro nada mais é que o fundador e presidente da empresa onde trabalha. E além dos segredos pessoais, Emma abriu o verbo sobre todos os colegas da Panther e suas estratégias para enrolar no serviço. Para recuperar o respeito profissional - e voltar às boas com o pessoal do escritório - Emma se mete nas situações mais inusitadas, quase novelísticas. Mas com as quais todas as mulheres acabam se identificando.

Autora: Sophie Kinsella
Editora: Record
ISBN: 9788501069573
Páginas: 383
Nota: 

Quando terminei de ler Quem vai dormir com quem?, tudo que eu queria era um livro assinado pela Sophie Kinsella, com todas as marcas registradas da autora, que fizesse chorar de rir, com protagonista inteligente e aquela cara de chick lit que só ela consegue dar. O Segredo de Emma Corrigan pulou da estante para as minhas mãos, e eu li em um dia. Com esse pseudônimo, Madeleine Wickham nunca decepciona!

Emma Corrigan tem segredos, ora, quem não tem? A diferença é que, sem querer, ela acabou contando tudo. Depois de uma desastrosa reunião de negócios, o avião em que ela estava voltando para a Inglaterra passa por uma turbulência e ela tem certeza que vai morrer. Para tentar diminuir seus pecados, ela conta tudo para o estranho sentado a seu lado. Mesmo depois de pousar em terra firme, ela não fica muito preocupada, já que nunca mais irá vê-lo. Mas se esse suposto estranho é o sócio fundador da empresa em que trabalha? E se ele sabe que ela acha o namorado perfeito demais, molha a planta da colega com suco de laranja e mentiu no currículo?

Livros como esse são feitos de personagens - se são bons, o livro é bom; se são ruins, tudo desanda. A protagonista é atrapalhada, divertida e bastante esperta. Emma tem segredos como todo mundo, porém, ao revelar tudo em um momento de pânico, coisas que parecem pequenas ganham proporções enormes. Quando tinha 10 anos, sua tia morreu e a prima Kerry, de 14, vai morar com a família dela. Kerry sempre foi perfeita, e Emma foi a ovelha negra que fracassa em qualquer carreira que tenta. Contar para seu chefe que mentiu notas no currículo e que não é muito fã do emprego não é uma das melhores coisas que se pode fazer, né?

O romance no livro é uma fator bem central, mas não é o grande movedor da vida de Emma. É bem fofo o relacionamento principal, você torce e fica feliz junto da protagonista, mas não se deixa de frustar quando começa a perceber o que está por vir. A autora faz você acreditar em uma coisa apenas até baixar a guarda, para então dar um golpe no seu coração e lhe deixar embasbacado. Aprenda: Nunca confie em Sophie Kinsella quando ela diz que está tudo bem.

Com a narrativa característica de Sophie, cheia de tiradas divertidas e bem formuladas, personagens excelentes e um dos casais mais meigos da história dos chick lits, O segredo de Emma Corrigan se tornou um dos meus favoritos da autora e do ano. Amei a leitura, ri demais e não me importaria se o livro tivesse mais 100 páginas. 383 é muito pouco, glr! Recomendo.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa