30 de set de 2012

Loucamente sua por Rachel Gibson

Loucamente sua
De volta à sua cidadezinha para atender ao funeral do seu padrasto Henry, a bela cabeleireira Delaney é surpreendida com uma cláusula do testamento dele: se quiser receber a sua herança, ela deverá permanecer um ano inteiro na cidade e não ter "contato sexual" algum com o bad boy Nick, filho bastardo de Henry. Acontece que, dez anos antes, ela e Nick viveram uma paixão, e embora ele seja um mulherengo incorrigível, a proximidade de ambos reacende a antiga chama. Será Delaney capaz de resistir ao motoqueiro de conversa fiada?

Autora: Rachel Gibson
Editora: Jardim dos Livros
ISBN: 9788563420282
Páginas: 343
Nota: 

Todo bookaholic tem uma sinopse que compra sem discutir. Leio praticamente tudo, de livros infantis a bulas de remédio (na falta, galera!), mas sempre tem aquela história que me puxa mais rápido, sem tempo para argumentação. Sabe guilty pleasure? Por ai. A minha fraqueza literária é romance proibido, daqueles bem complicados, tragédia grega meets México e lá vai. Não me julgue - você também é assim que eu sei.

A sinopse de Loucamente sua segue bem nessa linha: Delaney e Nick podem se apaixonar, namorar, casar... Entretanto, um testamento está entre eles, propriedades milionárias estão em jogo. Não que um relacionamento entre os dois seja uma possibilidade viável - o passado deles é complicado, assim como sua ligação. Delaney é enteada de Henry, e sempre foi tratada como filha, enquanto Nick era o filho bastardo, rejeitado e rebelde. Eles não deveriam ficar juntos, mas, você sabe... Eu sei, é clichê.

Apenas supere a parte do fator previsível e divirta-se com a história. Romances proibidos por motivos que não "somos de espécies diferentes" ou "não sou a pessoa certa para você, já que posso te matar", tem um quê de realidade que conquista. Loucamente sua é uma espécia de intriga de família, século XXI, e sempre dão aquela ansiedade de chegar logo no final e ver os personagens juntos. Além disso, reviravoltas são amor! <3 p="p">

Os protagonistas são ótimos. Tanto Nick quanto Delaney são geniosos, tem personalidade forte e sem qualquer receio em se opor contra o outro. Nick é o típico bad boy, conquistador, sempre com uma frase galante na ponta da língua. Já Delaney se joga no sarcasmo e reprime sentimentos, mas não de modo irritante. O problema com personagens fica por conta dos pais do casal, as mães e o pai em comum: um grupo rancoroso de egoístas que deveriam sumir #prontofalei

Rachel conduz bem a história, porém deixa uma pequena falha em lógica. Além disso, é uma overdose de notas de rodapé, muitas vezes inútil. Entretanto, não são coisas que me fariam tirar uma estrela da nota final. O que, junto disso, resultou numa estrela a menos foi uma falta de sentimentos mais profundos numa boa parte do livro. Por cem, cento e cinquenta páginas, teve tensão sexual, mas faltou romance. Depois melhora, mas até lá um pouco de paixão seria bem vinda.

Eu adorei, a história me prendeu e o final me deixou com os dedos doloridos (a ponta dos meus dedos ficam assim quando gosto do livro #aloka). Loucamente sua é um romance divertido, bem escrito, com personagens principais ótimos e muitas tiradas sedutoras de Nick. Se não foi seduzida pela minha resenha, garanto que será por ele. Recomendo.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

29 de set de 2012

Top 9: Favoritos de Ashley Tisdale!

Depois de escolher as cinco melhores peças do guarda roupa de Blake Lively (post), resolvi repetir a ideia baseada no estilo de Ashley Tisdale. A atriz de 27 anos (eu sei!) é uma das maiores it girls da atualidade, aposta nas roupas básicas, não esquece do que é trend e tem um closet de dar inveja em qualquer uma. Não foi possível escolher só cinco peças dos seus looks, então tive que separar dos acessórios e, no final, se tornou um top 9. Oras, quem disse que tem que ser um múltiplo de cinco?
Saia favorita:
Não existe missoni vertical, existe estampa tribal - a print it do momento. A saia de Ashley segue nessa linha: é tendência, mas não grita "Hey, I'm here!". Preta e branca, zigue zague, justa... Dá pra usar tranquilamente - se você não é magra como ela, só não usar com blusa para dentro - camisa mullet é ótimo complemento!
Vestido favorito:
Eu amo esse vestido Farah Angsana! Ele é leve, barra levemente assimétrica com feeling mullet, bordados em tons de grafite com brilho lembrando arquitetura indiana, e com fundo off white que não puxa para transparência. Phyna: sim ou claro?
Blusa favorita:
Adoro batas, seu ótimo caimento e a vibe hippie sem ser literal - afinal, todo hippie usa bata, mas nem toda bata é usada por hippie (sacou minha lógica eternamente confusa?). O toque especial dessa daí não é a abertura evasê, que fica bem em toda criatura desse mundo, mas sim a transparência de leve causada pelas mini flores brancas, uma espécie de renda meets crochê. Onde acho?
Bermuda favorito:
Ela adora bermudas e esse foi a peça mais difícil de escolher, cheguei ficar entre seis. O especial dessa? Primeiro: a barra uma mistura de scalloped com shorts de ginástica, sendo com ondas mais largas que o normal do primeiro, e mais phyno que o modelo típico do segundo. Segundo: azul marinho bem fechado com aplicação de tachinhas deu uma cara galaxy print nem um pouco óbvia. 
Tricot favorito: 
Tricot favorito, Joana? Quem escolhe um tricot favorito? Eu - depois de escolher entre outros dois modelos lindos e que entraram para minha wishlist. O toque especial desse é que ele é tendência do momento por si só, já que metalizado é ultima palavra em editoriais de moda. Para noite, para dia, todo mundo deve ter um.
Acessórios:
O maxi colar: Miriam Haskell
Tem outro acessório do momento que não os maxi colares? O de Ashley é com franjas de pedras, bem pesado e ryco. Melhora qualquer decote sem graça - e não só de pretinhos básicos.
O óculos: Gucci (?)
Adoro praticamente todos seus óculos, mas esse Gucci, se não me engano, é o mais hype da temporada: levemente gatinho, com lateral metálica e que deu super certo no rosto redondo dela.
A bolsa: Hermes
Toda Birkin é phyna, ryca e it - por mais que seu ápice tenha sido a algumas temporadas já. Ashley passou dois anos na lista de espera e ficou com uma bag azul: divertida, mas não menos sofisticada. 
O sapato: Jeffrey Campbell
Lita. Boots. Azul. Apenas.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

27 de set de 2012

A Escolha por Nicholas Sparks

A Escolha
Travis Parker possui tudo o que um homem poderia ter: a profissão que desejava, amigos leais, e uma linda casa beira-mar na pequena cidade de Beaufort, Carolina do Norte. Com uma vida boa, seus relacionamentos amorosos são apenas passageiros e para ele, isso é o suficiente. Até o dia em que sua nova vizinha, Gabby, aparece na porta. Apesar de suas tentativas de ser gentil, a ruiva atraente parece ter raiva dele. Ainda sim, Travis não consegue evitar se engraçar com Gabby e seus esforços persistentes o levam a uma jornada que ninguém poderia prever. Abrangendo os anos agitados do primeiro amor, casamento e família, A Escolha nos faz confrontar a questão mais cruel de todas: Até onde você iria manter o amor de sua vida?

Autor: Nicholas Sparks
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788563219299
Páginas: 303
Nota: 

Não importa se minhas duas últimas leituras do Nicholas Sparks tenham sido felizes (não no sentido literal da palavra, claro), eu sempre tenho um pé atrás com o autor. Se eu adorei O Melhor de Mim e O Casamento, Querido John e Um amor para recordar foram grandes decepções da minha vida, e não sou muito boa em superar. Enfim. Depois de enrolar por um bom tempo, resolvi começar a leitura de A Escolha, um dos lançamentos mais recentes. Sabe quando expectativas altas se misturam com as baixas? É tão estranho que me deixa confusa.

O livro é dividido em duas partes: uma em 1996 e outra em 2007. De inicio, conhecemos Gabby e Travis, vizinhos que apenas se cumprimentam casualmente e nunca se falaram - até a border collie de Gabby aparecer grávida e ela desconfiar que o culpado é o boxer do vizinho. Isso os aproxima, mas não do modo romântico que você imagina. Não, bem diferente disso.

Gabby é uma protagonista de personalidade forte. Ela é geniosa, espirituosa e cheia de atitude. Quando decide que a culpa de sua cadela estar grávida é do vizinho, ela não pensa duas vezes antes de encará-lo e colocar as cartas na mesa. Já Travis é divertido, engraçado, aventureiro e conquistador. Ele tem uma vida de dar inveja, conhece o mundo e vive cercado de expedições radicais. É quase que um oposto de sua séria vizinha. Eles formam um casal que dá vontade de torcer e você quer os ver junto de qualquer jeito - mesmo que ela tenha um namorado de anos. Termine, oras, Travis é melhor!

Já a segunda parte se passa 11 anos depois, e foi ai que senti o livro desmoronar. Não me entenda mal: eu amei e as cinco estrelas ali em cima estão corretas. Entretanto, se nas primeiras duzentas páginas eu fiquei fisgada e apaixonada, esperava que A Escolha continuasse no mesmo ritmo, o que não aconteceu. Na primeira parte, é tudo mais leve, cheio de diálogo e com a visão se dividindo entre os dois personagens principais. Na segunda, é Travis matutando sobre "a grande escolha", uma narrativa mais intimista e depressiva, se me permite. Foi bonitinho, mas... muita tensão no ar.

Esse livro só serviu para comprovar minha teoria que ser egoísta é o que a para hoje e beijo, sociedade. Não sou fã de personagens altruístas, e não é nem por achar que é tão irreal que beira o sobrenatural (o que quase é, convenhamos). Se tio Nick foi lindo, divertido e romântico nas primeiras duzentas páginas, nas últimas cem ele zoou legal com meu coração - e de todos os leitores. Eu chorei, quase abandonei o livro, deixei minhas esperanças acabarem e... Bem, resumindo, achei o final decepcionante (mas as cinco páginas restantes me fizeram parar de chorar). 

Se terminasse com o mesmo grau de fofura e leveza que começou, eu contestaria o skoob e colocaria mais de cinco estrelas. Porém, se isso acontecesse, o título seria ilógico e Nicholas Sparks deveria mudar de nome. É um livro ótimo, lindo, com um casal excelente e outros personagens super divertidos (amei o senso de humor da Stephanie, irmã do Travis). Felizmente, o autor continua em alta cota comigo. Espero que permaneça. Recomendo.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

26 de set de 2012

TOP 10: Melhores covers!

Já fazia um bom tempo que eu falava sobre música por aqui, né? Vou tentar dar um up no assunto, pode deixar. E que tal começar com um TOP 10 recheados de gente legal cantando músicas legais de outras pessoas legais? (Sim, eu estou tomada por um espírito bondoso já que ouvi muita música para escrever esse post). Praticamente todo artista faz covers, alguns ficam até melhores que as versões originais. Quer conhecer meus dez favoritos? (sem ordem)
Kelly Clarkson - Someone Like You, da Adele
Todo mundo canta Someone like you, é fato. Mas como boa música depressiva que é, é necessário muito alcance vocal para as notas - coisa que Kelly Clarkson tira de letra. Particularmente acho que a voz da Kelly é muito mais bonita que da Adele (sociedade quer me matar agora), e todo o instrumental que tem no cover fica melhor que o combo solitário voz e piano do original. E foi desse modo que eu passei as últimas 24 horas cantando a plenos pulmões "never mind I'll find someone like youuuuuu".
Avril Lavigne - Tik Tok, da Ke$ha
Não dava nada pelo cover quando começou. O violão, o ritmo lento, tudo mundo longe do universo trash e animado da versão original. Eis que chega o refrão e Avril me calou, a voz ficou mais forte, a música ganhou mais presença (sim, músicas tem presença), e a partir daí só melhorou.
Cher Lloyd - Love the way you lie, de Rihanna e Eminem
Todo mundo faz cover the Love the way you lie, mas como sou a nova viciada em Cher Lloyd, olha ela aqui com a música que cantou na Semi Final do X Factor. Primeiro que ela fez a parte do Eminem parecer fácil de cantar (o que é praticamente impossível). Segundo que a música é excelente, a voz dela é ótima, e Cher é uma fofa! Além disso, ela ganhou elogio do Simon - isso significa muita coisa!
Paramore - Use Somebody, do Kings of Leon
Enquanto o mundo todo virava fã de Kings of Leon e adicionava Use Somebody no repeat, eu era a criatura excluída do mundo que não gostava deles, nem da música. Mas foi só mudar a voz que me encantei. Além disso, é Paramore, querido! A voz da Hayley é incrível e super combinou com a "You know that I can use somebody, someone like you". Pixie Lott também fez versão de Use Somebody e ficou ótimo - o problema é realmente com Kings of Leon.
Pixie Lott - Poker Face, da Lady Gaga
Tudo que Lady Gaga canta gera cinco milhões de covers famosíssimos. Pixie é super fofa e fez sua versão com muito menos eletrônico: apenas base de violão. Além de ser mais fácil de cantar (de dançar não, eu já tentei), a música ficou linda - um pouquinha mais agitada perto do refrão. Não é tão lenta quanto a versão de Glee (lááá na primeira temporada), que é bonitinha mas dá sono.
Jessie J - We found love, da Rihanna
We found love é uma das músicas do momento. Jessie J é uma das cantoras do momento. Uniu, certo? A música perdeu sua cara de balada de verão e ficou mais lentinha, mais romântica, mas não menos empolgante - ainda tive vontade de sair dançando e cantando enlouquecidamente (me ignore). Além disso, toda hora eu ficava olhando para suas botas vermelhas. Quero igual, mãe!
The Wanted - Animal, do Neon Trees
Falou em The Wanted, encontrou uma Joana louca e apaixonada. MELDELS, TEM COMO NÃO AMAR?!?!?! Eu sempre gostei de Animal, mas na voz de Max, Nathan, Siva, Jay e Tom ficou ainda melhor. Eles são muito fofinhos, lindinhos, tem um sotaque britânico maravilhosamente perfeito (ninguém resiste a sotaque britânico, admita!), e o Max e o Siva ficam ótimos enfeitando a cena. Além disso, quando o Nathan abre o pulmão, MORRY. Beijo sociedade brasileira, estou indo para Londres (agora que eles estão vindo pro Brasil, claro, timing perfeito).
McFly - Dynamite, do Taio Cruz
Confessa que você escuta Dynamite incansavelmente. Nunca vi música para ficar na cabeça mais do que essa (mentira, tem outras mais - mas pelo menos, essa é legal). McFly fez uma versão mais roqueira da música eletrônica, mas ficou ótima e tão animada quanto. E olha que nem sou lá muito fã de Tom e cia.
Taylor Swift - Viva la vida, do Coldplay
Viva la vida é a música que marcou a última década (me sinto tão velha por saber - e lembrar - disso). Até hoje todo mundo conhece e é a grande música de trabalho da banda. E pensar que Taylor Swift, fofura na forma humana, conseguiria fazer uma versão legal de algo mais indie e nada a ver com ela. Prefiro na voz dela a do Chris, #prontofalei.
Maroon 5 - Mine, da Taylor Swift
E para finalizar, Adam maravilhoso Levine cantando Mine - por favor, posso chorar de emoção? Confesso que de inicio nem reconheci a música, ele mudou o ritmo para algo entre reggae e pop, bem diferente do country original. Alias, vou repetir: é Adam Levine. ADAM. LEVINE. Mais fofa é a Taylor na plateia, hihihi.
E então, gostou e adicionou na playlist as minhas escolhas? Recomenda mais alguma?
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

25 de set de 2012

Jogos Vorazes: Guia do Tributo por Emily Seife

Jogos Vorazes: Guia do Tributo
O guia definitivo para a os vinte e quatro Tributos participantes da 74ª edição dos Jogos Vorazes de Panem. Siga a jornada dos Tributos desde a Colheita ate os Jogos, com uma olhada para todos os destaques ao longo do caminho. Obtenha informações exclusivas sobre os pontos fortes e fracos dos Tributos, as armas que escolheram, e o treinamento antes de entrarem na arena.

Autora: Emily Seife
Editora: Prumo
ISBN: 9788579271748
Páginas: 128
Nota:

Virou mania lançar livros guias, não? Principalmente se a série é grande, conhecida e reúne milhares de fãs. Percy Jackson tem, Crepúsculo também, e mais outros vários títulos conhecidos da literatura YA. Não é de se surpreender que Jogos Vorazes, nova paixão modinha mundial tenha seus livros complementares. Como fã, tributa, completamente viciada em JV e apaixonada por Peeta Mellark, não podia deixar de ler. 

Guias são roteiros, esse abrange todo o universo pré Arena da 74ª edição dos Jogos Vorazes. Desde como surgiu Panem, a rebelião com dos 13 distritos e o porquê da criação do reality show. Pode não trazer grandes novidades para quem já conhece a série, mas ajuda a relembrar alguns fatos interessantes sobre o país. Além disso, o guia trás mais aprofundado assuntos que no livro não é muito relevante - como características de cada um dos 12 distritos.

O Guia do Tributo transcreve alguns dos eventos mais importantes de Jogos Vorazes, como a colheita, o desfile de tributos e a entrevista com Caeser (Joana morre de amor), de uma forma mais dinâmica e acrescentando informações extras e descrições sobre os personagens. Deu para perceber que a autora se baseou bastante no filme, mas não de um jeito que afete o livro. 

Devorei o livro em quinze minutos, devido a grande quantidade de imagens. A diagramação é linda, tem vários fotos do Peeta (que, desculpa Emily, mas não tem 1,77m de modo algum), quase nada de Gale (chorei de emoção novamente) e valeu para relembrar sobre os outros tributos. Quem não leu todos os livros não precisa ter medo de spoiller, já que o guia acaba quando Katniss sobe para a Arena. Eu gostei bastante e acho que todo fã de Jogos Vorazes deve ler!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

24 de set de 2012

Looks: Emmy 2012

Red carpet do Emmy é um dos mais aguardados do ano. É o Oscar da televisão, o Globo de Ouro que reúne seus atores preferidos (não sei se é só comigo, mas tenho um carisma muito maior pelos atores de seriados do que filmes - mais tempo comigo). São pessoas lyndas, rycas, phynas, com vestidos carérrimos e acessórios mais ainda. Não foram 10, foram 11 favoritos e com muita dó de deixar outros de fora. Vomitando arco iris em 3, 2...
11º: Emily VanCamp
Amo cinza, mas não tenho muita certeza se funciona para Red Carpet. Fica um pouco apagado, não? Mas mesmo assim, o J. Mendel de Emily se destacou. Esvoaçante e completamente fluido, o vestido era bastante ajustado no corpete através de plissados, cheio de transparências. Estou enlouquecidamente apaixonada pelo bracelete de diamantes em formato de laço - quero para mim!
10º: Leslie Mann
Pode não ser o vestido mais sofisticado do mundo, mas a atriz ganha pontos em ousadia e originalidade com esse Naeem Khan. O corpete de renda é doce e tem seu eterno ar vintage, enquanto a maxi saia laranja é ultra moderna e tem um feeling mais fresh. As joias com pedras turquesa combinou ao mesmo tempo que contrastou. 
9º: Julianna Margulies
Estampas são complicadas, e sempre que ser aposta nelas e dá certo, é incrível! O Giambattista Valli  tem predomínio dos tons de verde sobre toques de laranja e lilás é bem natureza, e o brilho do tecido deu uma cara esmeralda. A modelagem é clássica e coringa, já os bolsos embutidos são modernetys. Só não gostei dessa costura/linha na vertical bem no centro do vestido - fica parecendo mal feito.
8º: Padma Lakshmi
Laranja é uma das cores da estação - principalmente para os americanos que estão se despedindo do verão e ainda tem essa voltagem para as cores quentes! O tom do Monique Lhuillier combina com a pele dela, e a modelagem sereia com plissado já é coringa de tapete vermelho. Uma escolha certeira.
7º: Lena Headey
Eu ando torcendo o nariz para vertidos de paetês - hoje, banalizados. Entretanto, gostei bastante desse Armani Privé da Jocelyn Fray Lena, já que o brilho ficou mais sutil com a camada de tule como capa. O vestido ainda tinha uma transparência bem de leve, sem beirar o vulgar. Tá phyna - quero ver como Shadowhunter depois...
6º: January Jones
Zac Posen é tão dramático com suas camadas e mais camadas, irregularidades, assimetrias, vazados e transparências. O vestido da coleção Resort 2013 é exatamente assim: cheio de referências desconectadas e bem desenvolvidas. Adora drama - só não sei o que ele faz que ainda não foi para a Semana de Moda de Milão.
5º: Maria Menounos
A escolha do Oliver Tolentino foi através de voto popular. Deu certo, hein? O modelo azul é até bem simples, com tecido ryco e fluido, e uma mega fenda. Menos é mais, não é? Só não sei se a sandália com tira grossa no tornozelo fechou bem aí, teria escolhas melhores. Mas enfim.
4º: Ariel Winter
Simplesmente combinou com ela. O vestido Katherine Kidd é jovem, tem uma estampa abstrata em tons claros e sutis toques de cinza, um brilho sutil proveniente do micro paetê transparente... O comprimento levemente mullet é moderno e descolado. Achei fofa!
3º: Ginnifer Goodwin
Quem é você e o que fez com a professora de Storybrooke?! Tão diferente de sua personagem de OUAT, a atriz foi de Monique Lhuillier nude com laranja, bordados imitando maxi renda, bem aceso e moderno. O comprimento mullet discreto é outro it detalhe. Incorpore isso no figurino da Snow, pfvr!
2º: Zooey Deschanel
Decisão de primeiro e segundo lugar foi extremamente difícil. Simplesmente não a o que falar do Reem Acra de Zooey: azul bebê, saia super rodada com camadas de tule, decote coração, a atriz mais fofa da história... PERFEITO. 
1º: Sarah Paulson
Apenas: Reem Acra, amo você! Sem mais. <3 p="p">
#FAIL da noite: Ashley Judd:
Sei que muita gente vai me chamar de exagerada e chata, mas não gostei, não gostei e não gostei do Carolina Herrera de Ashley. Tento olhar para outra coisa, mas meus olhos teimam em voltar para a costura aparente da perna. Parece plástico - e não de um jeito legal.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

23 de set de 2012

Essa Semana #52

Meme semanal hospedado pelo Lost in Chick Lit, onde compartilhamos pequenas informações sobre a nossa semana literária. Tendo como principal objetivo encorajar a interação entre os blogs literários brasileiros, fazer amizades e conhecer um pouquinho mais sobre outras pessoas apaixonada por literatura.

Vem comigo na minha semana literária... 


♥ Leitura do momento:
Ladrão de Almas - Alma Katsu

♥ Li essa semana:
Glimmerglass - Jenna Black
O Trono sem rei - Eddie Van Feu
Dez (quase) amores - Cláudia Tajes
Jogos Vorazes: Guia do Tributo

 Resenhei essa semana:
Glimmerglass por Jenna Black
O Trono sem rei por Eddie Van Feu
Dez (quase) amores por Cláudia Tajes


♥ Super Posts:
Looks: Toronto International Film Festival
TOP 5: Beauty no NYFW!
TOP 5: Red carpet nacionais da semana!

 Ultima Compra: 
 Sapatilha, finalmente (os anjos cantam Aleluia!)

 Desejo Comprar Urgentemente:

Um sleeper (sou incansável \õ/ #minhamãepira)

Conversa imaginária com personagem fictício:
"Zac, você é um anjo. Entenda isso!"

Eu falaria para o autor:  

"Eddie, você é má! Muito, muito má!" (na verdade, eu realmente falei isso para a autora

 Estado de Espirito Literário:
Animada!

Literary Crush: 

Ethan e ZAAAAAAAAAAC <3 nbsp="nbsp" span="span">


♥ Feito da Semana: 
...

♥Queria ver no Brasil:
A continuação de O Trono sem Rei (ano que vem).

♥ Im in mood for... (gênero literário do momento):
YA

Hey Mr, Postman (ultima coisinha que chegou do correio):
Jogos Vorazes: Guia do tributo (tem muitas fotos de Peeta! *-*)

Super Quote:
"- Onde está Edward?
Ele caminhou pelo lugar e pareceu desesperado. Marcos que se aproximava com Maeve olhou em volta, sem saber exatamente por quem procurar.
- Como é que ele é? - perguntou Marcos. - Ele brilha no sol?"
O trono sem rei - Eddie Van Feu - Página 161/162 
 Vi e viciei (booktrailers, trailers, videos whatever):
Playa boi - Cher Lloyd

Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

22 de set de 2012

Dez (quase) amores por Cláudia Tajes

Dez (quase) amores
Maria Ana, personagem do livro de estréia da Claudia Tajes, também sonha com o príncipe encantado, mas não é fanática por contos de fadas: enquanto não pinta o homem certo, ela vai se divertindo com os errados.

Autora: Cláudia Tajes
Editora: L&PM Pocket
ISBN: 9788525417732
Páginas: 128
Nota: 

Sempre disse que prefiro livros de ficção e com histórias continuas. Leio não ficção, mas contrariada. Leio contos e crônicas, mas não me prendo. Crônicas porque tenho inveja absurda do escritor, contos porque sempre acho que prometem e não cumprem. Não me entenda mal, reconheço o estilo literário como algo interessante - mas é tão rápido que chega a ser vazio. Não são todos, é mais um pré-conceito meu. Generalizo livros. Mas dou chance a eles. As vezes.

Dez (quase) amores, da gaúcha Cláudia Tajes, é um pocket com dez crônicas sobre a vida amorosa de Maria Ana, seus dez namorados - não ao mesmo tempo, obvio. Um chick lit, praticamente. É um conjunto de experiencias amorosas fracassadas, diferentes e engraçadas. A personagem se entrega completamente aos supostos amores de sua vida, imagina o envelhecer juntos logo no primeiro olhar. Então se depara com situações inimagináveis. 

O título já denuncia: Maria teve dez (quase) amores. É inocência e falta de lógica da minha parte imaginar que o quatro é o amor da sua vida e que ela vai casar com o sete. Mesmo assim, eu torço que algum de seus romances de certo e ela finalmente desencalhe. Entretanto, se a protagonista casar, acabou histórias. Melhor solteira e desimpedida mesmo.

São contos de 15 páginas, mais ou menos, mas fluem super rapidamente e o livro acaba em pouco mais de uma hora. A autora escreve muito bem e tem ótimas tiradas. A protagonista é irônica, e geral sabe que amo humor negro. Só uma coisinha: o livro se passa no Rio de Janeiro, mas por vezes senti algumas coisas muito gaúchas no enredo. Não é nada que afete gravemente o enredo, mas seria mais lógico ter como cenário Porto Alegre.

Histórias curtas, rápidas, divertidas - Dez (quase) amores é um chick lit em outra forma de apresentação. Se não adorei, é por causa desse formato interrompido. De qualquer modo, foi uma leitura gostosa e que rendeu boas gargalhadas. Se você está em busca de um livro cura-ressaca, leia esse. Não é profundo, mas foi exceção e cumpriu o que prometeu. E eu realmente devo parar de generalizar livros.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

21 de set de 2012

TOP 5: Red carpets nacionais da semana!

Essa semana foi agitada para as celebs brasileiras. Dia 18 teve Premio Contigo de Cinema, no dia 19 foi Premio Multishow, e ontem VMB. Agenda lotada? Imagina. O fato é que red carpets nacionais acabam sendo muito basiquetys e sem novidade. No Contigo!, por exemplo, reinou o preto. Era preto de renda, preto de paetê, preto de renda e paetê, preto plissado, preto vazado... Acaba que fica tudo muito parecidos entre si. No VMB de ontem, vários looks esquisitos. Favoritos? Apenas cinco.
5°: Titi Muller no VMB
Off white, com renda, babados na barra e um feeling romantique muito amor. Não sei bem se combinou com ela, acho que a Titi é mais moderninha, mas ficou bonito. As unhas pretas e o bracelete pesado ajudaram a contrastar e quebram um pouco a meiguice do look.
Dani Monteiro no Premio Multishow
Um pouco batido, mas acho tão lindinho quando misturam paetês com uma modelagem mais romântica. A faixa acintura o tubinho, a barra preta levemente plissada deixou um pouco diferente dos outros vestidos totalmente brilhantes que lotaram o tapete verde. Achei muito legal o detalhe de renda com paetê no decote, deu uma leve transparência. Só podia trocar o scarpin, né clg...
Deborah Secco no Prêmio Contigo! de Cinema Nacional
Clássico, coringa, ryco. O vestido preto pode até entrar para a lista de pretinhos básicos, mas as rendas e vazados deram seu belo toque extra. Sem falar que a sandália nude é LYMDA (com M de muito e não de mentira, ok).
Ivete Sangalo no Prêmio Multishow
Povo brasileiro vai querer me matar, mas... Admito: não gosto da Ivete #prontofalei. Acho ela forçada, assim como seus looks. De qualquer modo, dei o braço a torcer depois de ver esse vestido Lethicia Bronstein. É PHYNO, até parece Elie Saab com suas rendas e transparências. Ainda não gosto dela, mas acho que o estilo (ou o stylist) pode estar melhorando.
1º: MariMoon no VMB
A VJ é muito altos e baixos e até hoje não superei o vestido rosa de bichinhos de pelúcia que ela usou ano retrasado, se não me engano. De qualquer modo, dessa vez eu curti - e foi diferente, ousado, mas usável. O combo cool é saia de cintura alta com brilhos, bustier preto e jaqueta metalizada Ale Brito. A ankle boot de salto wedge com tachinhas ficou ótima com meia soquete preta. Aliás, até que essa cor de cabelo funcionou, né?
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

20 de set de 2012

O Trono sem Rei por Eddie Van Feu

O Trono sem Rei - Lua das Fadas #2
Com spoillers leves do livro anterior
Depois de uma enorme perda que a mudou para sempre, Bianca acredita que voltou a amar. Na verdade, ela acredita que o rapaz que amara, um anjo que a guiara no Mundo das Fadas, voltou para ficar com ela. Porém, ele parece não se lembrar de nada e, enquanto Bianca tenta descobrir se ele é quem ela acredita que ele seja, ela ainda tem que afastar a concorrência e lidar com seu pai que parece ter saído do século XVII. Quando algo inesperado acontece, Bianca vê que precisa voltar ao mundo das fadas e descobre que sua família pode ajudar mais do que imaginava. No Reino das Fadas, ela acaba se deparando com um mundo a um passo da guerra. Bianca tem que administrar criaturas assustadoras, princesas prometidas, soldados apaixonados, uma rainha sem paciência, ataques e traições numa aventura muito mais perigosa do que da primeira vez que colocara os pés lá. Felizmente, dessa vez ela e Zac não estão sozinhos.
Autora: Eddie Van Feu
Editora: Linhas Tortas
ISBN: 9788598428215
Páginas: 262
Nota: 
Livros anteriores: Lua das Fadas

Fatos sobre a vida: você gosta de um livro. Ele termina. Você fica triste por um dia. Isso passa. Você embarca em outra história. O drama se repete centenas de vezes. Então, de repente, você se depara com a continuação. Devora. O livro termina. Você está desesperada por mais. Eu realmente não sei até onde ser bookaholic faz bem para mim. Depois de um ano que eu li Lua das Fadas, tenho em mãos sua sequencia, O Trono sem rei, que eu nem esperava que fosse existir. Se o primeiro livro foi muito bom, esse foi melhor. Se o primeiro livro teve um final frustrante, esse me fez arrancar os cabelos.

O livro começa praticamente do ponto em que o outro parou: Bianca está desiludida e de coração partido após voltar da terra das fadas, quando então reencontra Zac, seu anjo guia e amor da sua vida, como um humano. Não faço ideia do que está acontecendo com as autoras que estão adorando fazer personagens esquecerem suas almas gêmeas. Isso é muito, muito, muito agoniante. Zac acha que tem todo um passado como "terráqueo", que fadas, trolls e anjos não existem e que nunca conheceu Bianca, muito menos salvou sua vida inúmeras vezes. Pelo menos, isso é só metade frustrante do que poderia ser, já que rola um sentimento entre os dois e não demora muito para ter romance. 

Bianca teve um amadurecimento muito significativo nesse livro. Se em Lua das Fadas eu falei que achava ela muito bobinha, agora ela está mais madura, mais centrada, mas mesmo assim mantendo toda sua aura fantasiosa. Além disso, ela é uma das raras exceções de protagonistas que não ficam insuportavelmente insuportáveis quando apaixonadas. Bianca foi mais ativa, mais perspicaz e forte em O Trono sem Rei. YEY!

Dessa vez, o livro varia em mais pontos de vista e permite que conheçamos melhor outros personagens, como os pais de Bianca - que tem uma história bem interessante. Além disso, surgem Marcel e Marcos, amigo da família e que rendem ótimas tiradas em plots legais. Zac? OWN. Apenas: OWN. Eu adoro ele, acho um personagem incrível: fofo, inteligente, corajoso... Por mais que não se lembre de quem era, ele consegue resgatar antigas características de seu "eu celestial". 

O livro tem um ritmo maravilhoso e prende do início ao fim. Tem muita ação, muito romance, muita fantasia e é cheio de sacadas engraçadas. Os personagens são ótimos, o casal principal é muito amor, sem falar no fator surpreendente. O trono sem rei é daqueles livros que pega você, solta uma surpresa no final e depois termina. Bem nessa mesmo. Eddie Van Feu entrou para a lista de autores que eu devo ler com um pé atrás para não acabar careca (puxo meu cabelo quando fico ansiosa). De qualquer modo, o livro é ótimo e eu obrigo que você conheça essa série. E quero ver a continuação, tipo assim, aparecendo magicamente na minha estante. De preferência em três minutos.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

RESULTADO: O Casamento

Todos já sabem que minha capacidade de embromação está bem limitada ultimamente e eu sei que vocês querem é ver quem ganhou o sorteio de O Casamento (resenha)...
Aline Aparecida Malaman
Parabéns, Aline! Vocês tem até as 15h de segunda, 24, para enviar seu endereço completo para poderosas.e.femininas@hotmail.com ou por aqui. Quem não tirou a sorte grande dessa vez, continue participando e torcendo. Acho que ainda essa semana sai promoção nova (além das que já estão no ar).
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

UPDATE!
Por falta de contato da vencedora, o sorteio foi refeito! Veja se você teve sorte dessa vez...
Raquel Teixeira
Parabéns, Raquel! Você tem até as 15h de sexta-feira, 28, para me enviar seus dados, ok? :)
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

19 de set de 2012

TOP 5: Beauty no NYFW!

Depois de comentar os meus desfiles favoritos na New York Fashion Week, eu não poderia deixar passar em branco o fator beauty das modelos. Primeiro eu ia misturar maquiagem, cabelos e unhas - mas acabei me prendendo a só um tema. Escolhi as cinco melhores maquiagem da temporada nova iorquina - muito azul e delineador. RÁ! Vou dar uso para o lápis azul que comprei há um bom tempo já \õ/
5º: Jason Wu
Básico? Nem tanto, mas com certeza um clássico. Se os olhos tinham apenas sombra dourada, delineador preto fininho e rímel bem de leve, a boca se destacava no maior vermelhão! Os lábios estavam bem delineados e tinham gloss incolor só no centro para dar impressão de mais volume. Coringa!
4º: Ohne Titel
Meio bizarro e um tanto não usável, mas se mudar um pouco as cores dá tranquilo para investir nesse make para noite. A pele bem clean, deixando bastante destaque para o delineador que fazia gatinho e voltava no concavo do olho. Os tons marcantes ficaram diferentes e estranhos, mas troque por preto e caia na balada!
3º: Jenny Packham
Metalizado está em alta, certo? Delineador azul com esse efeito é o que há! O lápis bege na linha da lágrima abriu o olhar e chamou mais atenção para o olho. No desfile, as modelos apostaram no batom nude, mas dá para investir numa cor mais forte, como coral ou até mesmo vinho - é só não usar sombra junto.
2º: Jeremy Scott
Esfumado para que te quero! E que tal mudar o pretão de todo dia por algo com um pouco de cor? Nesse desfile, o mix de azul na pálpebra móvel com tons de grafite e dourado ficou muito ryqueza! As maças do rosto ficaram bem marcadas com o blush pêssego e o batom perfeito é esse nude puxado por rosa, sem cor - mas não bizarro como Snop.
1º: Alice + Olivia
Acho que por eu ser zero a esquerda com um delineador na mão, acho incrível make up com ele. Quando é duplo, então, fico encantada! E é por isso que Alice + Olivia ganhou primeiro lugar *-* Traço fininho preto rente aos cílios, outro branco mais grosso, arrematado por muito rímel. Vou treinar enlouquecidamente, vá que dê certo...
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

18 de set de 2012

Glimmerglass por Jenna Black

Glimmerglass - Fariewalker #1
Dana Hathaway ainda não sabe, mas vai acabar se metendo em apuros quando decide que é a hora de fugir de casa para encontrar seu misterioso pai na cidade de Avalon: o único lugar na Terra onde o mundo real e o mágico se cruzam. No entanto, assim que Dana põe os pés em Avalon, tudo começa a dar errado, pois ela não é uma adolescente comum – ela é uma faeriewalker, um indivíduo raro que pode viajar entre os dois mundos e a única pessoa que pode levar magia ao mundo humano e tecnologia a cidade de Faerie. . Não demora muito e Dana envolve-se no jogo implacável da política do mundo da magia. Alguém está tentando matá-la, e todos parecem querer alguma coisa dela, desde seus novos amigos e da família até Ethan, o lindo garoto com poderes fantásticos com quem Dana acha que nunca terá uma chance… Até ter uma. Presa entre esses dois mundos, Dana não sabe bem onde se encaixa ou em quem pode confiar, muito menos se sua vida um dia voltará a ser normal.

Autora: Jenna Black
Editora: Universo dos Livros
ISBN: 9788579302381
Páginas: 294
Nota: 

Por um tempo, eu realmente acreditei que as fadas iam dominar a literatura young adult. Quando lançou o primeiro livro, era só a moda sobrenatural falando mais alto. Veio o segundo, seguido por inúmeras editoras divulgando seus títulos. Depois de uma pequena overdose, veio a paz. Hoje não são muitos livros com esses seres sendo lançados, e quando são, a grande maioria é continuação. Já tinha um tempo que eu não tinha contato com fadas, mas gosto bastante delas - afinal, seu potencial é enorme. Glimmerglass, debut de Jenna Black, é sobre essa mitologia - só que com um acréscimo muito interessante: intriga política. 

Vale considerar que o principal contato que tivemos com fadas foi através das fábulas infantis, em que tudo é arco iris. O campo para essas criaturas é enorme, existem mil e uma formas de explorá-las. Tem que ser original, tem que criar a base, o prédio e fazer a decoração. O toque final que a autora usou foi a política, ótimo assunto para livros juvenis, só que muito pouco abordado por algo que fuja da distopia. Esse é o universo de Glimmerglass, quando Dana chega à Avalon, desconhecendo boa parte da história local, e acaba se descobrindo uma peça chave para toda a situação em que a cidade se encontra. 

Avalon, o cenário do livro, é o único lugar no mundo em que magia e realidade se encontram. Lá, além de humanos, vivem os feéricos, que não apenas são sobrenaturais, mas podem praticar feitiços. Dana é meio a meio: uma fariewalker, podendo transitar entre os dois mundos. Não entendi direito como funciona os poderes dela, mas de uma coisa se tem certeza: ela é poderosa. Muito. 

O problema do livro é a protagonista. Não que Dana seja chata, tenha mania de perseguição e acha que todo mundo quer matá-la (porque querem). De inicio, até se vê um pouco de atitude nela, fugindo de casa, da mãe alcoólatra. Depois disso, apenas camadas eternas de proteção, arrependimento e respostas na defensiva. Todo aquele poder de fariewalker que todos temem não parece ser interessante nela. Ela tem seus momentos - mas não são suficientes para alguém que supostamente é tão importante quanto ela. Então, querida Dana, vamos agitar a alma ai! Obrigada.

Glimmerglass é extremamente introdutório. A autora não se prendeu em nada, abriu muitos plots, fechou apenas o mais gritante. Ela colocou vários personagens, largou algumas indiretas, mas deixou que o leitor criasse suas próprias conclusões. Imagino que terá um triângulo amoroso, embora só quem tenha soltado faíscas nesse livro tenha sido Ethan. Isso me dá esperança que esses outros personagens secundários ganhem mais destaque, já que são muito interessantes.

Fadas tem potencial, Glimmerglass também. Por mais que a protagonista tenha seus problemas intimistas, o resto da história é excelente. Jenna foi original, escreve bem e sabe deixar um gostinho de quero mais sem fazer os leitores arrancarem os cabelos. O livro tem uma capa linda, um Ethan fofo, cenas de ação e algumas piadas aqui e ali. Recomendo!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

17 de set de 2012

Looks: Toronto International Film Festival 2012

Dias conturbados e de vomitar arco iris eternos foram os últimos 10, quando rolou o Toronto International Film Festival, no Canadá (). Foram várias estreias, muitos red carpets e looks incríveis! Acho que as celebs deveriam se inspirar no TIFF para dar o ar de sua graça nos outros eventos - quase não teve look feio. E, sim, eu não vou colocar o fail nesse post! Além disso, não tem ordem de preferência - só alfabética. \õ/ #joanaboazinha
Emma Watson de Erdem
Saudades eternas dos vestidos de Emma para premiere! Embora não seja nem parecido com algum dos looks Harry Potter, esse também foi lindo. O vestido branco tinha um ar vintage com a estampa de rosa azul, desconectada pelo peplum, que deixou mais moderninho. O busto bordado e batom vermelho deu a cara ryqueza do look.
Eva Mendes de Dolce & Gabbana
RYCA. Apenas ryca. A modelagem era bem comportada, com manga longa e comprimento midi - fechado até demais. Só que aí entra a transparência nas mangas - disfarçada pelos bordados que cobriam todo o vestido. A barra scalloped é só mais um efeito phyno. 
Jennifer Lawrence de Dior
Certo, o vestido da Catnip Jen podia até ser um pouco sem graça para o evento, mas ficou legal e combinou com ela. O modelo azul tinha uma leve e discreta estampa preta, só dando um efeito leve. Como o comprimento é mini, o decote é bem fechado, para equilibrar. Saia de camadas levemente rodada = LUV! Deixemos os looks muito bapho para a Capital, né não?
Keira Knightley de Elie Saab
Olhe a foto. Apenas. Olhe. A. Foto. Não preciso falar mais nada. MELHOR DO EVENTO! <333 p="p">
Liana Liberato de Elie Saab
Primeiro de tudo: é Elie Saab, o que já fala por si só. A estampa é linda, o vestido tem movimento, leveza, fluidez... Os vazados no colo e na cintura equilibram com o comprimento intermediário, o que acabou sendo longo demais para a idade dela. A trança espada de peixe deu um ar mais jovial. Sweetie!
Maika Monroe de Dolce & Gabbana
Vestido sendo dominado por fofura mode on. Quer mais meiguice? Branco, de renda, com saia curta rodada e manga longa. Aposto que vai ter noiva tirando o inspired.
Nina Dobrev de Monique Lhuillier
Não rolou decisão entre ser retrô ou moderninho, e o resultado foram esses meio termos se contrastando num resultado lindo. A modelagem tem um ar século passado, apenas com o decote tomara que caia e saia levemente mullet para contrapor com isso. A estampa segue no mesmo rumo: P&B é clássico, floral é vintage, já a texturização... 
Nina Dobrev de Elie Saab
Sim, em dobro (e quase foi triplo)! Mas como não amar? O vestido branco mistura rendas e paetê, tem uma textura incrível e modelagem básica. A sandália vermelha foi o ponto de cor e deixou mais descolado. Bridezillas modernetes ligadas pela segunda vez. 
Olga Kurylenko de Elie Saab
Mais clássico? YEP. Menos phynesse? Claro que não. Com mix de rendas, bordados e transparências, o vestido é mais sofisticado, e o tom de verde água deixou menos comum. Não que um Elie Saab seja comum. Nunca.
Vanessa Hudgens de Notte by Marchesa
E para fechar, Vanessa deixando de ser hippie e apostando mil fichas em seu lado très chic. Funciona! Decote com plissados, saia com camadas sem volume, apenas muito movimento. Tinha esquecido como ela conseguia ser ryca, galery!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa