31 de dez de 2011

Adeus 2011... OLÁ 2012!!!

E então chegamos ao último dia de 2011. Não posso nem dizer finalmente, porque tudo foi mais rápido do que eu imaginava, do que eu esperava. 2011 foi curto, foi ligeiro, mas não menos especial. 2011 é o número de memórias que este ano proporcionou. 2011 é o número de gargalhadas, de lágrimas, e de lágrimas por gargalhadas. 2011 foi, mais que tudo, um ano de conquistas, um ano de vitórias e de objetivos alcançados.

Não vou apelar para padrões de cartões de ano novo e pedir que 2012 traga erros e derrotas para crescer com eles. Não, não vou pedir, eles são inevitáveis. Não quero pedir empecilhos no meu caminho, tombos que precisem levantar. Eles também aparecem cruelmente sem precisar de chamado. Quem sabe um pouco de força para não se deixar abater por eles? Tá valendo. E a esperança de que eles não apareçam? Claro, que venha.

Que 2012 seja um 2011 melhorado. Que 2012 seja mágico - a magia que faz tudo brilhar mais. Que 2012 seja um ano de sonhos, de metas e conquistas vistas como impossíveis. E que você faça desse ano o seu ano. Metas por realizar, sonhos para conquistar, escaladas que venham com o topo mais recheado possível de seus objetivos (e, não, isso não se contradiz com minha falta de desejo por quedas).

E eu só quero agradecer (tá, agradecer e ganhar a Mega Sena da Virada!): à minha família e aos meus amigos que não desencorajam a minha loucura. Aos autores, editoras e assessorias que confiaram em mim e no meu trabalho. E, principalmente, à você, leitor/leitora que visita, segue e comenta. Se 2011 foi ótimo, boa parte disso eu devo a vocês que gostam do que eu divago por aqui. E 2012 tem muito mais! Um ótimo ano cheio de sucesso, saúde, amor e muita paz, e 'tamo junto, glr!'
E que venha 2012 - e a Mega da Virada \õ/
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

Melhores looks do ano!

Se é tortura encontrar os melhores livros do ano, você não tem noção o quanto é complicado escolher 20 looks entre as celebridades. Se eu pudesse colocava aqui todos os da Emma Roberts, todas as produções da Ashley Tisdale no dia-a-dia (menos as de academia) e não esqueceria um Red Carpet da Emma Watson. Mas isso é muito, muito look mesmo. Então, com vocês, meus 20 looks preferidos do ano*!
*Em ordem alfabética de it girl!
Ashley Tisdale na Premiere de Fabulous Adventures of Sharpay: Eu amo esse vestido estilo batinha de um branco off white com estampa preta com brilho discreto. É elegante e divertido ao mesmo tempo. O sapato Louboutin é mt divão!
Avril Lavigne no Brit Awards: Eu amo paetês com franjas, como esse vestido. Por ser de uma cor só, não pesou as informações e criou um contraste legal. A blusa de brilhos mais justa batendo de frente com a saia de franjas mega volumosa. O cabelo podrinho deu uma pegada informal pro look, a cara da Avril!
Blake Lively em entrevista do filme Lanterna Verde: O vestido Tibi é todo texturizado em florais discretos, em vários tons de azul que juntos parecem um só. O decote mais fechado com a saia rodada fica super lady like, que ela contrastou com o scarpin de oncinha ultra moderno.
Demi Lovato no NCLR Alma Awards: O nude puxado para coral deu uma originalizada no vestido que tem referencias gregas que não ficaram obvias. Com jogo de recortes no busto, ajustando-o, a saia se abria em um tecido leve, esvoaçante e transparente. 
Emma Roberts no desfile da Chanel, em Paris: Na Chanel e de Chanel, o vestido azul clarinho de franjas e texturas brilhosas é mega feminino e delicado, além de toda aquela pegada fashionista. A clutch branca e o scarpin prata modernizaram.
Emma Roberts no desfile da Marchesa, em Nova York: O vestido Marchesa brinca entre dois opostos: o modelo lady like mega rodado e comprimento mais comportado junto do animal print. O cinto de corda verde e o scarpin caramelo são discretos e não adicionam quaisquer informações.
Emma Roberts no People's Choice Awards: O vestido preto de babados tem bastante volume pela quantidade excessiva de camadas assimétricas - essa falta de harmonia chamou atenção por não estar feia, e sim, mt mt mt linda. Uma faixa do próprio vestido acinturou. O scarpin dourado deu um ponto de glamour!
Emma Watson em evento de divulgação de Harry Potter: Nude e renda preta não é mistério, mas esse vestido chama mais atenção que os outros. Com babados pretos na barra e nos ombros, como umas pseudo-mangas, o vestido ainda misturava transparência - outra trend. 
Emma Watson em evento de divulgação da Lancôme: O modelo Ellie Saab é extremamente divo, com seu busto de pedrarias azuis e saia de camadas plissadas em um tom fechado. Além disso, o vestido é frente unica. A combinação com o batom vermelho ficou moderno e a sandália prateada de tiras largas continuou nessa pegada phynesse!
Emma Watson na Premiere Londrina de Harry Potter: Eu sou mega suspeita para falar de Oscar de la Renta, sou completamente apaixonada por todos seus vestidos de festa. Mas como não se apaixonar? O vestido lilás acinzentado tem corpete de brilhos e saia de tule bem armada. É lindo *--*
Kristen Steward no People's Choice Awards: Não gosto dos looks da Kristen, mas amei esse discreto tubinho de micro-paetês dourados. É muito chique! Os acessórios pretos eram extremamente discretos para não brigar, já que qualquer informação mais já dava para tachar de over.
Krysten Ritter: A renda misturada com transparência não ficou vulgar. O modelo preto é elegante e fashionista. 
Lauren Conrad: O vestido de paetes em ouro velho é muuuuito lyndo. O decote quadrado do busto ajustado (ui, rimou) e saia levemente armada são elementos girlies. A barra em renda preta então, nem se fala. E ao mesmo tempo que o modelo é bastante feminino, Lauren inseriu elementos que modernizaram.
Monique Alfradique: Representando a parte fashionista brasileira, a atriz usou um modelo caramelo todo em babados que não armaram nem criaram volume extra. Só não gostei da monocromia com a ankle boot... Mas o vestido é legal - Lee Loo, não é?
Olivia Wilde no Golden Globe: Marchesa é outra grife que mexe comigo e meu amor por saias rodadas. Esse modelo em degrade de dourado claro que chega ao preto é lindo, sofisticado e muito brilhante. Já falei que é lindo?
Paris Hilton: Uma versão mais clara e mais curta do vestido de Olivia (acima). Em branco off white puxado pra bege, uma fina camada de brilho faz toda a diferença. Olhando por esse angulo, quanto será que a Paris calça? Por isso ela não gosta dos pés? #gossipgirlfeelings
Selena Gomez no People's Choice Awards: Eu tenho fraco por comprimento mullet e isso não é novidade. Com plissados no corpete e saia esvoaçante, ele fica mega moderno. Discordo de Suzana Barbosa, editora da ELLE brasileira, quando digo que é possível, sim, uma estampa ficar bem em tapete vermelho (ou azul, no caso). 
Shay Mitchell no Much Much Music Awards: Sempre ouvi falar dos looks extremamente divinos de Shay, a mais fashionista das atrizes de Pretty Little Liars, mas nunca tinha visto algum fora do comum. Até junho. O vestido preto tem busto com bordados que dão um brilho leve, e saia de franjas compridas um ótimo movimento melindrosa. 
Taylor Swift em Nashville Symphony Ball: O modelo é bem parecido com o da Emma Watson na Premiere de HP (acima). Desta vez, o estilista é Reen Acra, mas a ideia é bem semelhante, com diferença na disposição dos brilhos do corpete e o modo como o volume da saia é apresentado.
Vanessa Hudgens: Não sou fã do estilo boho da atriz, mas achei esse vestido longo um amor. Com fundo laranja e estampa liberty azul e branca, o modelo tem uma leveza no corpete, pela camada soltinha e peso na saia. Gostei!
Concorda com o meu top 20 ou falta algo?
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

29 de dez de 2011

Hex Hall por Rachel Hawkins

Hex Hall - Hex Hall #1

Há 3 anos, Sophie descobriu que não é uma menina como as outras. Ela é uma bruxa e, até agora, isso só lhe trouxe alguns... arranhões! Sua mãe fez tudo o que pôde para ajudar: leu o que conseguiu encontrar sobre bruxas, fadas e magia; procurando consultar o pai ausente de Sophie — um poderoso feiticeiro europeu — só quando necessário. Até que a menina atrai atenção além da conta depois de um feitiço de amor poderoso demais... E é seu pai que define a sentença: Sophie deve ir para Hex Hall, um reformatório afastado de tudo e de todos que está sempre de portas abertas para receber qualquer “prodígio” que saia da linha — ou seja, além de bruxas como Sophie, fadas, metamorfos etc. E a tendência de Sophie para encrencas não decepciona. Já no fim do primeiro dia, ela acumula problemas: três poderosas inimigas que mais parecem supermodelos, uma fantasma que cisma em persegui-la, uma paixonite idiota pelo feiticeiro mais charmoso da escola — e ele tem namorada, mas como Sophie poderia saber? Para piorar, sua companheira de quarto é a pessoa mais odiada do campus, e a única vampira entre os alunos... Sim, os sanguessugas não têm boa fama, e uma série de ataques a estudantes acaba fazendo da única amiga de Sophie a suspeita número um na mira do Conselho e da direção da escola. Isso não é tudo, e Sophie precisa se preparar. Uma antiga sociedade secreta determinada a destruir todos os prodígios, inclusive e principalmente ela, parece estar mais próxima do que nunca de Hex Hall. Sophie terá de descobrir, do que sua magia é capaz e, sobretudo, suas origens e quem ela é de verdade.

Autora: Rachel Hawkings
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501086075
Páginas: 299
Nota: 
Comprar
Extra: Melhores do Ano

Como eu falei no post de melhores do ano, Hex Hall é um livro que habita minha lista de desejados há mais tempo que posso lembrar. Só que com a mudança da capa (essa até é bonitinha, mas a internacional é perfeita!), e o preço sempre pela casa dos trinta, fui deixando passar, deixando passar. Até encontrar em desconto progressivo por R$21,45. Comprei, devorei e amei. 

Sophie descobriu que é bruxa aos 12 anos, e desde então vive mudando de cidade em cidade já que acaba por fazer feitiços para ajudar os outros. E depois de fazer um feitiço de amor excelentemente funcional para a tímida garota da escola, ela é mandada para Hex Hall, um internato para bruxos, metamorfos, fadas. E é lá que a história começa.

Uma coisa que chama bastante atenção em Sophie é sua ignorância sobre o mundo sobrenatural. Ela não sabe quem é seu pai, ou pelo menos, quem ele realmente é. Ela não conhece as sociedades que matam Prodígios (modo que chamam as "espécies" de seu mundo) que a mãe, uma humana, tanto tentou escondê-la. Mas isso não faz dela uma protagonista ruim, muito pelo contrário. Depois de ter um ataque histérico, Sophie caiu de cabeça nesse mundo - acumulando inimigas, sendo colega de quarto e, principalmente, amiga da única vampira da escola que está sendo ameaçada de matar algumas alunas que aparecem com sangue drenado, além de se apaixonar por um garoto comprometido com uma das garotas anti-Sophie. E tudo isso com um incrível humor negro, tiradas inteligentes e analises perspicazes. Protagonista maravilhosa: sim ou com certeza?

Sabe aquele livro que você lê e fica saturada em um capitulo, pensando em abandonar? Hex Hall, definitivamente, não é assim. Você lê um capítulo e logo tem uma novidade, e você lê outro e acontece uma reviravolta. A história te deixa curiosa e a leitura flui. E o livro acaba. A narrativa de Rachel é muito boa. A escolha pelo uso de primeira pessoa e uma protagonista ativa e esperta fez as coisas andarem.


O interesse amoroso de Sophie é um caso a parte: Archer é, além de lindo, um personagem com aquela bipolaridade que a gente gosta e não se importa. Ele é chato de inicio, usa muito sarcasmo e seu sorriso debochado é só fachada. Quando vamos conhecendo-o, vai virando amigo de Sophie, Archer muda, mostra um lado tão fofo, tão querido. E, assim como a protagonista, você se apaixona. 

Depois de conhecer várias histórias, não posso dizer que fiquei surpresa com o que a autora fez. Foi um mash up com quase todas as séries de livros que li, e de um modo bastante original (#alertadecontradição). O próximo livro está previsto para final de 2012 - maldade da Galera - e pelo que li, AIMEUDEUS! [...] Rachel Hawkins é uma ótima escritora, Sophie uma ótima personagem e Hex Hall um ótimo livro. Se eu recomendo? COM CERTEZA!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

28 de dez de 2011

Melhores livros do ano!

Ok, começaram as retrospectivas. Não que eu faça muitas. Não faço, sério. Pelo menos não publico os milhares de top 10 que monto. Quem sabe um dia?! De qualquer modo, faltam somente 3 dias para tirar 2011 do calendário, para o ano acabar. 100 livros lidos, 1600 personagens, 176 romances, 1000 paixões literárias. Desses números dá pra fazer um geral e colocar os que mais marcaram - aqueles que assim que for possível, você vai reler e re-reler. E, com vocês, meus favoritos de 2011*:
*Separados por categorias

  • A Música que mudou minha vida - Robin Benway: Uma protagonista que sabe o que quer, com ótimo gosto musical, e influencia da MTV. Isso sem nem falar que a autora tem um jeito de escrever maravilhoso que faz a história fluir. Nem comentei sobre o James...
  • Anna e o beijo francês - Stephanie Perkins:  Junte Paris, ville de lumière, à um lindo americano criado na França que tem um sotaque britânico. Está bom, né? Agora coloque Anna, uma protagonista sem mania de perseguição, e um romance pra lá de fofo. Esse livro é ainda melhor...
  • Lonely Hearts Club - Elizabeth Eulberg: Esse dá pra gargalhar com Penny Lane, que decide ficar solteira até terminar o ensino médio. Mas é claro que surge um lindo Ryan para estragar o plano. Esse livro é maravilhoso - além de ter uma ótima lição de moral!


  •  Série Cabeça de Vento - Meg Cabot: A diva do YA em versão sci-fi é surpreendentemente bom! Apesar de tocar num tema mais complicado de escrever (explicar os avanços da genética na troca de cérebros não é fácil!), a narrativa ainda mantem aquela leveza, e os personagens ainda são mt amados. Literalmente.
  • A Hospedeira - Stephanie Meyer: É complicado e de opiniões dividas, mas eu adorei! Essa nova faceta da tia Meyer, com alienígenas e possessões humanas é bem diferente dos vampiros e lobisomens e humanos chatos. Além de que vai ter filme e é preferível conhecer a história antes de ver uma versão terrível e mal trabalhada no cinema.


  • Tamanho 42 não é gorda - Meg Cabot: Alienação mode on. Eu nunca tinha lido um chick lit da Meg e esse foi o primeiro. Eu AMEI! A protagonista não é uma maluca que só quer saber de arranjar marido. Heather é divertida e perspicaz. Tiradas muito inteligentes, narrativa engraçada e Cooper *-*
  • As queridinhas do meu marido - Bridgit Asher: Dessa vez a protagonista já tá casada e a situação é abordada de um modo bastante inusitado. A ideia da autora em fazer as amantes do marido lhe visitarem no leito de morte enquanto a esposa agenda as visitas é bastante original. Dá pra gargalhar!
  • Sua grande chance - Johanna Edwards: Gargalhei demais com a Dani e seu fracassado emprego de terminar romances. A protagonista se depara em situações perturbadoras e constrangedoras e não pode se deixar abater. É ótimo!
  • Se não tem Sophie Kinsella aqui, é pq não quis ser óbvia já que todos os livros dela são ótimos e hilariantes e ela é a rainha do gênero.


  • Hex Hall - Rachel Hawkins: Eu queria ler esse livro desde mt tempo atrás quando me encantei pela capa americana. A história é ótima, um colégio que mistura todas as espécies possíveis de seres sobrenaturais. A protagonista é genialmente sarcástica e a narrativa tem umas sacadas mt inteligentes. O único problema é esperar um ano para o próximo - e calculo que mais dois para o terceiro.
  • A Garota do Espelho de Prata - Laura M. Castro: Eu só elogio esse livro. A história é fantástica, numa sociedade distópica mt longe daqui, onde feiticeiros estão junto de guerreiros. O mistério da vida da personagem principal e sua 'amiguinha' que vive dentro do espelho da casa ao lado é super envolvente. E dá pra chorar.


  • Ladrões de Elite - Ally Carter: Deu para reparar que sou complicada com aventuras, né? Só que esse livro é eletrizante demais para deixar passar. A história é mt criativa (família de ladrões de artigos de luxo não é comum, lamento) e a autora consegue escrever e deixar você com a adrenalina a mil. 

  • Vampiro Secreto - L. J. Smith: É um livro de vampiros que não é uma série, começa e acaba no mesmo volume (#raridade). O vampiro é apaixonante! Para quem gosta de clichês...
  • Série Red Kings - Laura Elias: Não associe os nomes com a saga Crepúsculo e faça suposições. São nomes parecidos e são sobre vampiros - semelhanças terminam ai. A autora aborda uma nova espécie, coloca um personagem super fofo e uma protagonista sem mimimis. 

  • Sereia - Tricia Rayburn: Sereias sãos os novos vampiros (mentira, não é pra tanto)! Foi o primeiro livro que li sobre esses seres folclóricos (Pequena Sereia não vale) e me apaixonei. A história é misteriosa e arrepiante, a protagonista não é ruim e seu amigo/namorado/indefinido Simon arranca suspiros. Só tá complicada a demora pelo segundo da trilogia!
  • A Maldição do Tigre - Colleen Houck: Mil vezes melhor do que eu esperava, esse livro não é nenhum Água para Elefantes como falavam por aí. Além de ter uma personagem bastante ativa, Kelsey, o livro ainda conta com Ren, um príncipe indiano perfeito! 

  • Lua das Fadas - Eddie Van Feu: É uma história linda, um novo jeito de conhecer as fadas. Ok, a protagonista não é maravilhosa (meio bobinha demais), mas o modo como a mitologia é tratada é muito cativante. E não tem como não se apaixonar pelo Zac!
  • Sob a Luz da Lua - Andrea Cremer: Primeiro que a capa é linda, e segundo que me fez enxergar com outros olhos os lobisomens. O modo que a autora apresenta essa mitologia, toda a hierarquia, familiar ou não, de guardiões e feiticeiros é ótima! Além disso tem Calla, uma protagonista legal embora altamente influenciável, e o maior número que já vi de literary crush em um único livro!

  • Antes que eu vá - Lauren Oliver: A pieguisse do "Fui engolida pela escuridão" e sua variantes estão presentes no livro - e aviso, não são poucas. Sam morre e morre e morre de novo. Isso não diminui o fato que o livro é mágico, lindo e triste. 
  • Cante para eu dormir - Angela Morrison: Sabe o livro mais triste da história dos livros tristes? Apresento Cante para eu dormir. A narrativa é linda, a ideia é linda, os personagens são lindos, o romance é lindo... Só as muitas lágrimas que você vai derramar que não são.
E os melhores entre os melhores...
  • Série Hush Hush - Becca Fitzpatrick: O primeiro livro do ano e um dos melhores da minha vida (sem exagero). Um motivo para vc ler? Patch. Outro? Patch. Outro? Patch. Ok, você não é fã de piriguetagem literária? Eu dou um motivo: a autora criou uma história sobre anjos caídos maravilhosa enquanto o tema ainda não era lá muito conhecido. Mas o principal motivo ainda é o Patch.

  • Série Instrumentos Mortais - Cassandra Clare: Tá, confesso, o principal motivo para eu amar loucamente essa série é o Jace (<3), mas não é o único. A autora é maravilhosa ao mesmo tempo que é gênio do mal. A protagonista é incrível, a mitologia dos Caçadores de Sombra também, os personagens são bem elaborados e os finais são de matar. Ou leia os três, ou não leia nenhum. 
Me conta como é sua lista! Ano que vem provavelmente Hush Hush e Instrumentos Mortais vão aparecer aqui de novo (Silêncio já tá encomendado e, espero, que pelo menos Cidade das Almas Perdidas seja lançado no Brasil além de Cidade dos Anjos Caídos). Mas o ano não terminou ainda - e tem muitas páginas pela frente!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

27 de dez de 2011

Vidas Secretas por Gabriella Poole

Vidas Secretas - Darke Academy #1

Richard, Katerina e Ranjit fazem parte do seleto grupo dos Escolhidos e são lindos, influentes e poderosos, porém estranhamente distantes. Os Escolhidos chamam a atenção de Cassie Bell logo em seu primeiro dia de aula na Academia Darke – um colégio composto por membros da elite e que muda, a cada semestre, para uma nova e exótica cidade em qualquer parte do mundo. No entanto, um grande mistério cerca a Academia e, mesmo correndo perigo, Cassie não consegue ficar longe dos Escolhidos.

Autora: Gabriella Poole (pseudônimo de Gillian Phillip)
Editora: Novo Século
ISBN: 9788576793984
Páginas: 208
Nota: 
Comprar

É difícil de enumerar todas as espécies de seres sombrios que existem (pelo menos na literatura). São vampiros, lobisomens, bruxos, anjos, nephlins, entre outros. Todos pertencem à escuridão, seja lá o que ela for. Darke Academy é um titulo aberto, um mistério vago e uma história que não dá para prever. Obvio? Acho que não.

Tudo começa com a chegada de Cassie, uma órfã londrina, ao exclusivo internato Darke Academy, que  estará em Paris (o colégio muda de país em cada semestre - quero minha carta de admissão!). Logo ela, que não tem nada demais, muito menos segue o mesmo estilo de vida dos outros alunos. Bem, nada além de ser muito parecida com Jess, uma garota que morreu - e era irmã de Jake, um de seus poucos amigos.

A série Darke Academy é uma que despertou meu interesse desde o lançamento ainda lá na gringa. A sinopse é curiosa, a capa é misteriosa, e o nome da série não é obvio como, por exemplo, Academia de Vampiros. Academia da Escuridão, em tradução livre, não revela nada além da influencia sobrenatural sem dar nome aos seres. A leitura fica envolvente, e você se vê entre as paredes do misterioso internato. Gabriella é muito inteligente!

A narrativa é bem rápida, e em algumas partes, até corrida. A maioria dos personagens são bem desenvolvidos, principalmente os membros dos Escolhidos - a "sociedade mór" da Darke Academy. Katerina, Keiko, Richard e Ranjit (que tem uma intensidade a la Patrick Verona) são personagens fortes e, a seu modo e nível de importância, bem detalhados. Isabella, melhor amiga de Cassie, ficou caricata demais - uma garota meiga e rica que adora fazer compras e dar conselhos para a amiga mais inexperiente, assim digamos (já li muito isso!). 

A protagonista é fraca. Cassie não sabe bem o que quer e cai na conversa de qualquer um - além de se sentir atraída por alguns de seus colegas com tamanha facilidade (ok, alguns não dá para culpá-la). Por ser pobre e ter sofrido mt nas mãos de Jilly, a diretora do orfanato que morava, ela é educada porém tem muito ódio acumulado e um desejo de vingança. E isso é bom - desde que saiba usar.

Eu gostei bastante. O livro me surpreendeu muito, adorei a ideia de Gabriella, a originalidade da forma como tudo é apresentado - mesmo já conhecendo os seres de outros livros/seriados/filmes/blablabla. Eu já li o segundo da série (não gostei tanto assim), mas o terceiro promete! Recomendo :D
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

26 de dez de 2011

Réveillon é branco!

Se teve gente que não encarou a trend do Total White (lembra que eu comentei aqui?) porque achou branco demais para o dia-a-dia, não tem mais desculpa. A chegada do Ano Novo é mais um pretexto para comprar roupas (quem não quer virar o ano com roupa nova?) e dessa vez, se jogar sem pena no brancão. Renda, bordados, camadas, longos, curtos: vestidos das mais variadas modelagens para vc escolher! E quem melhor do que as it girls do ano pra dar ideias?
Para as basiquetes, um modelo simples, sem muitos detalhes, como o Versus by Versace que Lea Michelle usou. Mini e tomara que caia, ele é bem limpo e dá mt abertura pra abusar dos acessórios. Um maxi colar ficaria lindo! Detalhe: o vestido da Lea é liso de um tecido elegante, ou seja, NÃO é um drapeado de larex ou algodão ou qualquer outro. Lembre: detalhe em drapeado pode ser lindo, vestido totalmente drapeado é o sacola plástica da moda! (sacou: sacola plástica, poluente, faz mal pro mundo...)
Outro bem simples é esse da Zooey Deschanel. O modelo não tem segredos: o busto justo com a saia de cintura mais alta levemente rodada. O detalhe mais vem das plumas como alças - bem discreto. A meia calça branca com o peep toe foi um escolha infeliz - exclua-a!
Outro modelo divão é esse da Blake Lively - em camadas, todo rendado e com leve transparência. O vestido é bem curto e bem solto, ótimo para esse verão! Se esfriou (aquecimento global reinando!), faça como a it girl e jogue um blazer por cima - esse mais boyish equilibrou com a feminilidade do vestido.
Leighton Meester dá uma ideia bem fofa. O vestido é mega rodado, todo de babados. A textura do busto, as camadas da saia - so sweet! AMEI o mary jane P&B.
Para as fãs de estrutura, o Katherine Kidd de Lea Michelle é ótimo! O tecido é bem duro, comporta bem a modelagem mais reta. A manga bufante em tecido pouco mais transparente deixa mais feminino e um pouco vintage - contrastando com a modelagem minimalista que remete ao futurismo.
Jessica Alba usou um modelo bem perua, mas de certo modo, até discreto! Se o decote era sequinho, o resto não era. TODO em franjas curtas, o vestido teve bastante volume e movimento - mas não daquele jeitinho melindrosa. Acho legal, mas prefiro elas só na saia!
O meu favorito é o modelo da Paris Hilton, um branco off white puxado para bege com a saia bem rodada e MUCHO brilho! É mega phynesse - sem falar no Louboutin nude, né? Eu quero esse vestido $-$
Já para as fashionistas, o modelo off white quase nude da Emma Roberts. O comprimento midi não fica assenhorado por causa das transparências, além das camadas e bordados divertidos. É muito phyno, mt lindo! Quero $--$
Se sua festa é mais elegante, faça como a Vanessa Hudgens e vá de longo! Esse modelo branco metalizado tem discretos bordados de cristais, além de ser bem solto - o cinto em cordinha dourada não ajusta silhueta nenhuma. O decote ombro único é bem fechado, dando espaço para um brinco grande e não mais um maxi colar. Só essa textura da barra que é feiinha. 
Já se a festa é bem phynesse, tire o inspired do Marchesa que Blake Lively usou. Leve e esvoaçante, o vestido tem essa pegada grega que tá pegando geral nos red carpets americanos (Percy Jackson feelings? acho que não), além do decote e da barra em brilhos pratas. É divino. Literalmente.
Agora dá para se jogar na renda, no brilho, até no crochê. Vale tudo (menos vestido drapeado!)!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa