30 de set de 2011

Semana de Moda Milão - Verão 2012 - Parte 3

Moschino
Ignorando toda a teatralidade das peças apresentadas na passarela, o que foi visto são peças prontas para usar, no maior estilo toureiro, só que individualmente são simplesmente remetentes ao estilo espanhol adaptadas para a realidade. Tecidos fluidos, brocados com dourado, rendas e estampas florais tem vez numa cartela de cores que inclui branco, preto, marrom e amarelo. A irreverencia já conhecida da Moschino se dá por conta das franjas e adereços de cabeça - lindos, mas só pras modelos.
Emilio Pucci
Eu tava meio assustada com o que seria esse desfile. O vestido que Gwineth Patrow usou no Emmy foi um preview da coleção - um péssimo preview que levou prêmio de Fail da noite aqui. Mas o que vi na passarela me conquistou. O vestido de Gwineth só avisou que nesta coleção Peter Dundas, diretor criativo da grife, resolveu apostar na sensualidade. E foi isso que se viu. Muita barriga de fora, rendas, longos, tecidos esvoaçantes, um mix de gipsy com rocker. Claro que as estampas mega coloridas com jeito de anos 60, marca registrada de Pucci, continuam ali, só que mais contidas. LYNDO!
Dsquared²
Esqueça os looks de gala que foram apresentados até agora nas passarelas de Milão. Dsquared² fez seu show no street style com toques folk baseado no festival de música Glastonbury (uma boa inspiração pra você que vai no Rock in Rio!). Cheia de energia, camisetas com estampa dos EUA (embora o festival seja na Inglaterra...), shorts jeans, calças com uma inusitada mancha de lama que ia até o joelho, botas impermeáveis Hunter de salto alto, longos coloridos... Tudo com uma pegada boho chic!
Missoni
Exagero: a melhor palavra para descrever as criações de Angela Missoni. Tudo ao mesmo tempo também serve. A estilista resolveu desenhar uma coleção para balada, ela queria improviso e looks espontâneos. E com isso em mente ela foi juntando. Juntando franjas, listras, cortes assimétricos, tecidos transparentes, peças vazadas, muitas cores fortes, muita estamparia, muitos babados... Gritante, não usável, mas inovador. Já imaginou cair na noite com uma dessas sobreposições? NOT!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

29 de set de 2011

Semana de Moda Milão - Verão 2012 - Parte 2

Era para ser dois posts, mas acabei amando tantas e tantas coleções, cada uma a seu modo de influencia que não deu pra decidir em somente 8 - e se aumentasse ia ficar muito extenso. Ok, fica em três posts. Eu gosto. Vc também?
Prada
"A mulher se sente obrigada a ser doce? Ou é só uma escolha?" foi a proposta de Miuccia Prada trouxe nessa coleção baseada no ditado sexista popular que homem só gosta de mulher e futebol, ou na Itália que é o caso, "Donna e motori" (mulher e carro). A passarela foi dominada por barrigas de fora, saia lápis kitsch, muita estamparia (algumas de carros) e conjuntinhos prontos (eca!). Ao mesmo tempo que a estilista usou de intenções mais vulgares onde a ideia era transformar a mulher em objetos, ela trouxe algumas propostas fofinhas, com rendas e em azul Cadillac. Gostei - agora é só esperar a versão da Zara, pq né...
Gucci
Na ultima temporada foi o Color Blocking, agora é a geometria em clima art déco. Blazers curtos e vestidos de charleston cheios de bordados e franjas em tons de verde e o laranja são os pontos de cor de uma coleção onde impera a boa e velha dupla de preto e branco, com estampas de pegada étnica. Um pouco de feminilidade contrastada com a rigidez das linhas retas. Bem mais discreta que o combo laranja+roxo+verde, convenhamos!
Fendi
Karl Lagerfeld  não colocou todo aquele glamour de Tapete Vermelho e criou uma coleção mais usável, mais dia-a-dia, peças adaptadas ao cotidiano e não para uso exclusivo da High Society em festas de caridade. Com uma pegada que misturava navy e anos 1960, a passarela ficou cheia de tons sóbrios e listras, com uma simplicidade elegante.
Giorgio Armani
Mix de Itália e Oriente, sofisticado e elegância com toques mínimos de ousadia: a formula da grife para coleções de sucesso! E dessa vez não foi diferente. Com uma cartela baseada no azul, o desfile teve um clima marinho pelos reflexos madrepérola das sedas, pelas ondulações nas silhuetas, ou talvez pelo incrível trabalho de bordado com cristais dos últimos looks, que sugeriam o brilho das pérolas. Tão leve e tão lindo!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

28 de set de 2011

Semana de Moda Milão - Verão 2012 - Parte 1

Eu poderia ter feito um apanhado diário de todas as grifes que passaram pela passarela da Semana de Moda de Milão, mas isso acabaria atrasando os posts - a agenda tá cheia. Então dividi em dois dias. As melhores grifes de uma das Fashion Weeks mais fortes de todo mundo da moda recheada de nomes poderosos e caros que fazem o closet do sonho de 101% das mulheres!
Dolce & Gabbana
O bom humor já característico da grife brilhou na passarela que evidenciou a culinária italiana - e nem foi sutil: pimenta dedo-de-moça, berinjela e cebola foram algumas das estampas que Domerico e Stefano apostaram. Tecidos fluidos que marcavam as curvas, muita parte barriga de fora (não é novidade - lembra?), decotes valorizando o colo, peças mais justas... Bem democrático! A phynesse ficou por conta das pedrarias e rendas - marca registrada! - e a região da Silicia, grande inspired dos estilistas, contribuiu nas texturas. #PERFÃ!
Emporio Armani
Embora fosse lindo, o desfile teve um jeito tão tão tão Chanel! E não estou falando só das perucas das modelos. O P&B, um dos símbolos de maior elegância para a grife francesa, também foi a cartela de cores escolhida pela grife. A diferença mais significativa foi a inspiração mais futurista e moderna com linhas retas e estruturadas, diferente da pegada vintage de Chanel. Destaque para os chapéus de aba curta!
Versace
Não é só na literatura que as sereias estão surgindo - o seres do folclore também foram a grande inspiração de Donatella que trouxe para a passarela itens já ícones da etiqueta Versace. Tecidos leves e plissados à recortes que deixam assimétricos os looks, numa cartela de tons pastéis com direito a aplicação de tachas e estampas marinhas.
D&G 

Pois é, algumas grifes vem, outras vão... D&G, marca jovem da Dolce & Gabbana, fez sua ultima passagem pela Fashion Week em grande estilo: colorida, espirituosa e mt mt mt linda! Forte estamparia arabesco (formas geométricas da arte Islâmica que lembram plantas) em praticamente todas as peças. Lindo, lindo, lindo - perfeito, quero tudo!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

27 de set de 2011

As Irmãs Sloane

As Irmãs Sloane por Anna Carey


Quando o pai americano de Cate e Andie e a mãe inglesa de Stella e Lola se conhecem, e se apaixonam, as quatro adolescentes precisam se acostumar à ideia de viverem felizes para sempre. Afinal, agora elas são irmãs e vivem no mais glamouroso bairro de Nova York. Essa história teria tudo para ser um conto de fadas, mas... as quatro não se suportam. As meninas terão de aprender a dividir – desde os pais e casa, até as amigas, os grupinhos e os garotos.


Editora: Galera Record
ISBN: 9788501086310
Páginas: 221
Comprar

Imagine um livro doce, ambientado em Nova York, com um repertório fashion lotado de Marc Jacobs, Juicy Couture e bolsas Balenciaga. Esse livro é As irmãs Sloane, uma perfeita mistura de Garotas S.A. (pelas protagonistas novinhas mas não menos decididas) com Gossip Girl (e todo luxo do Upper East Side!).

A super modelo inglesa, Emma Childs, se apaixona pelo mega empresário nova iorquino, Wilston Sloane. Depois de um tempo de namoro, eles decidem ficar noivos, mas sem antes fazer um test drive - juntando as duas famílias. Cate e Andie são as filhas dele, Stella e Lola são dela. Mas a mansão que mais parece um castelo não é espaço suficiente para as irmãs (biológicas e/ou postiças) dividirem. Na verdade, nem toda Big Apple é suficientemente grande para as irmãs Sloane-Childs.

Stella estava acostumada a ser a abelha-rainha em Londres, a it girl, a amada, invejada, idolatrada. Do mesmo jeito que Cate é poderosa em seu universo nova iorquino com sociedades secretas-nem-tão-secretas. E a chegada a inglesa pode ameaçar esse reinado. Já Andie sempre viveu na sombra da irmã mais velha, copiando suas roupas, tentando entrar para seu grupo de amigas, e sonhando em revolucionar o mundo da moda, sendo modelo com somente 1,49m. Lola deixa toda a ousadia para irmã e se contenta em ser só mais uma nerd adoradora de Harry Potter que vive agarrada num gato que usa Burberry.

Talvez seja só mais uma história onde o foco é a popularidade, os grupinhos sociais, um lado fútil desse universo adolescente. Só que As Irmãs Sloane trazem mais do que isso. Além de ter todos esses elementos ditos como bobinhos, é uma história sobre família, amizade e união (nossa, isso ficou profundo!). Um ambiente familiar onde cada um quer dominar mais a seu jeito.

Stella e Cate são as top girls da história. Confesso que simpatizei mais com a primeira que mesmo sendo vingativa e chantagista tinha boas intenções no inicio da história. Ambas são astutas e sabem o que querem - lutando com unhas pintadas de esmalte Chanel e dentes para conseguir o que querem. Claro que não é nenhuma maldade a la Blair Waldorf - e é nesse quesito que as irmãs Sloane me lembraram a turminha de Massie Block. Elas tem 14 e 12 anos, mas não são nada imaturas - talvez Lola...

A narrativa de Annie Carey é muito boa - mas se fosse em primeira pessoa seria o tipo de livro que mais me faz surtar. Ela é leve e irônica, mas sabe como colocar veneno por entre as páginas. Só que o livro é extremamente previsível. Quando não se assiste filmes de terror, o armazenamento de finais para "comédias românticas em folhas" é muito grande. Só no primeiro paragrafo do Prólogo já sabia o que ia acontecer e como ia terminar.

Grifes de alta-costura e Nova York: os elementos que mais mexem com meu psicológico numa leitura. Claro que sendo que o livro não é protagonizado por Jace ou Patch, mas não é o caso. Bobinho? Talvez - mas muito melhor que muitos livros ditos emocionantes por ai. Recomendo!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

26 de set de 2011

2 Broke Girls

Com todas as estreias da Fall Season e a agenda cheia, fica dificil acompanhar todos os episódios. Por isso escolhi algumas poucas que mais se adaptam no meu estilo de perca de tempo: romances fofos com dramalhões, comédias sem graça e com gargalhadas no fundo (eu tinha abandonado, mas conheci o Sheldon e o vicio voltou, fazer o que...), mistérios que não dão medo... Adoro! 2 Broke Girls é uma das séries que entrou na lista Comédia Bobinha e parece ser a revelação da temporada no gênero.

Max é uma garçonete/babá de alta sociedade/fabricante de cupcake auto-suficiente: sabe se virar, mora sozinha, não depende de ninguém. Diferente de Caroline, uma princesinha da alta sociedade nova iorquina que tem todos os seus bens congelados depois de o pai aplicar um golpe em seus "amigos". Só que ao invés de ficar se lamentando a pobreza recém conquistada, ela coloca e seu melhor vestido branco Chanel colocam a mão na massa - literalmente.

Han Bryce Lee, o dono do bar onde Max trabalha, tem um péssimo dom pra arrumar funcionárias. Além de Max, outras as outras garçonetes se tornaram decepções, até aparecer Caroline e um perfeito currículo falso cheio de restaurantes phynos. Por falta de opção melhor a garota é contratada - e logo ela mostra uma habilidade forte para conseguir dinheiro com os cupcakes de Max, sua nova colega de apartamento. Juntas, elas planejam montar uma fábrica dos bolinhos e ficar ricas. Básico.

O episódio piloto teve nada menos que 19 milhões de telespectadores. Claro que o fato de ser logo em seguida do primeiro episódio de Two And a Half Men sem Charlie Sheen pode ter sido bastante influente, mas a curiosidade de ver Kat Dennings em um papel mais comédia também interferiu nos números. E posso falar? Não importa se agora é uma personagem sorridente e tal, Kat continua sendo a Norah (de Nick & Norah: Uma noite de amor e música), só que mais divertida, irônica e uma causa para a rebeldia.

Já quem surpreende é Caroline, interpretada por Beth Behrs. Suas roupas de grifes, seu amor por cavalo e sua interpretação de casamento de ketchups (que, por um motivo infortuno, eu ri), conquista o público. Ninguém imaginava que por trás do sorriso bobinho e ingenuo iria existir uma mestre dos negócios! Ela promete.
As opiniões são distintas e os roteiristas são conhecidos (de Sex and The City e Whitney). A Warner comprou os direitos da CBS e começa exibir em outubro (junto de Suburgatory e The Secret Circle #todoscomemora!). Hoje saí o segundo episódio e espera-se que pelo menos metade do público que assistiu o piloto volte. Será? E vc já assistiu?
  • Falando nisso...
Hoje estréia a 5ª e supostamente última temporada de Gossip Girl! Quem quer olhar e se apaixonar pelo figurino e pelo Chuck? 
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

25 de set de 2011

Os Vestidos de Sarah Hyland

Uma das melhores oportunidades para descobrir novas celebs que arrasam no estilo é Red Carpets. Depois do primeiro lugar no Top 10 do Emmy fiquei de olho nos looks de Sarah Hyland para ver como são as escolhas da atriz para situações mais dia-a-dia. Inicialmente seria um Lição de Estilo, mas ao notar que suas melhores produções são em Premieres e Premiações decidi fazer um Get The Look, ou melhor, Get The Dress. Um mais lyndo que o outro!
Nude, o vestido misturava texturas. A parte de cima era um tecido levinho e brilhoso enquanto a saia era cetim, um brilho mais contido, todo drapeado assimétrico. Fazia tempo que não via um manga longa unica - é lindo!
Look da festa pós-Emmy: perfeito! Um vestido branco com busto sequinho e saia de penas, dando um ar contemporâneo  Os acessórios pretos deram uma pesada, mas não muita já que os tons são neutros.
O vestido fluido coral que ela usou no Emmy, todo plissado delicadamente tem um ar grego, mas moderno e não óbvio pela cor. O cinto de pedras marcou a silhueta, deixando mais feminino. Os acessórios em branco deram um detalhe a mais.
Festa pré-Emmy: um vestido preto nada básico, mas também não muito inovador - tenho a impressão de já tê-lo visto várias vezes antes - talvez uma versão mais curta e menos decotada do que a Camila Alves usou no Oscar. Fundo decote V, faixa marcando a cintura e saia armada bem plissada... Só que sobrou tecido no busto. O peep toe violeta deu um ponto de cor discreto.
Mais dia-a-dia, o vestido rosinha em babados irregulares e diagonais tinha um pequeno poá em vermelho, mesma cor do cinto que marcava a silhueta, deixando ainda mais feminino. O bolero jeans quebrou um pouco da meninice do look, dando uma informalidade street. Amei o look, mas o melhor da foto fica por conta do Matt Prokop, né?
Achei esse vestido tãããão Taylor Swift... O busto era mais justo, em dourado fosco, decote coração e fivelas, mais sexy. Já a saia tinha um charminho vintage e recatado, mais comprida e em tecido branco fluído.
O vestido longo não é tão sofisticado, mas tem seu jeito mais phynesse. Branco com estampas florais pequenas em tons frios e em lugares estratégicos. O exagero de tecido no busto não ficou gritante pela faixa preta que deu uma quebrada na leveza do vestido. A gargantilha pequenina e delicadinha ficou bonitinha no decote V.
Lindo, lindo, lindo e nada discreto! As penas pretas deu uma assimetria ao vestido, mas nada demais. A luz refletida no vestido deu um efeito furta-cor, super moderno. Quando olho pra esse vestido só consigo lembrar de Miley Cyrus em Can't Be Tamed! Tem uma semelhança ai vai...
Master delicado, o vestido do Globo de Ouro fez a linha nude (como 50% das celebs que apareceram no evento!), longo e fluído. O busto mais justo, em pedrarias e brilhos e se abria na leve saia de seda. O colar chamou ainda mais atenção para a parte de cima do look, sendo que o movimento de baixo também merecia um olhar a mais.
Ano passado foi uma fase muito vestido azul pra Sarah. O que ela usou na Premiere de Eclipse era todo irregular, tecido plissado e transparências. Um decote diferente, uma sandália gladiadora com tiras mais incomuns, falta de acessórios. Ficou limpo, mas não minimalista.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

23 de set de 2011

Os Erros de Hilary Duff

Adoro o quanto a sociedade é generalizada. Não vou fazer uma palestra sobre os problemas sociais que isso causa, para isso já faço aula de sociologia. Vou partir para generalização do modo fútil e divertido - o melhor! Um grande exemplo: MODA! Ouço muito dizer que it girl que é realmente it, nunca erra. Deixa eu te contar uma coisa: isso é o cúmulo da precipitação. Um bom exemplo que as garotas que levam o prêmio de mais bem vestidas também são fortes candidatas ao de piores looks é Hilary Duff (Lição de Estilo aqui). A loirinha sabe como sair de casa e arrasar pros paparazzis, mas também consegue exagerar nas trends de um modo nada tendencioso!
Oh God! Hilary tentou adaptar animal print só que escolheu peças-complementos bastante inapropriadas. Para começar, a camisa verde já chama bastante atenção e tá muito justa. Ela fez um color blocking junto do cinto grosso vermelho, mas colocou estampa na parte de baixo. O shape todo ficou extremamente justo, deixando ela mais gordinha.
Falei e volto a repetir: nem sempre um look total dark é sofisticado, mesmo que cada peça seja individualmente phynna. Hilary usou a blusa preta com saia que misturava azul e preto. Não satisfeita com a manga longa e a gola da blusa, ela colocou luva e bota over the knee. O que aconteceu? A perna dela sumiu! A saia com a bota cortou achatou a silhueta, mesmo que a cor central do look desse ideia de alongamento. Como a atriz já é baixinha, ficou parecendo ser ainda menor.
O color blocking é aceitável, o terninho não. Conjuntinhos são o fim, não use! A atriz usou um vermelho com rosa ajustadinho. A modelagem é bonita, só que a combinação pronta não é inteligente, é feia. A bolsa azul deu uma quebrada no look, mas seria melhor se a saia fosse azul e o blazer continuasse assim. Dear Hillary, deixe isso para aeromoças!
Com o Pradismo, as listras estão em alta. Só que, detalhe, listras maiores, coloridas e que brincam de tons contrastantes. E convenhamos, preto e branco é sutil! O vestido da Hillary é bem assim: listras horizontais fininhas P&B. PÉSSIMO! Acabou achatando completamente a silhueta dela, sendo que o vestido longo é mais justo. No dia-a-dia, esses modelos devem obrigatoriamente serem fluídos e leves, esse pesou principalmente com o cinto caramelo grosso e estranho - muito jeito de cowgirl! A bolsa amarela é legal (lembra que falei que ela gosta de pontos de cor?) e vai esse tom vai virar o novo detalhe master das it bags!

Quem disse que a gente não aprende com os erros dos outros?
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

22 de set de 2011

New Girl

São mil e uma estreias maravilhosas na Fall Season, uma mais imperdível que a outra. Posso estar cheia de coisas para fazer, mas acho tempo para acompanhar os episódios que mais me atraem, seja volta das minhas queridinhas, Summer Season esquecidos ou as estreantes. A FOX liberou antes da data de estreia oficial o episódio piloto de sua nova aposta: New Girl, com a fofa da Zooey Deschanel!

Jess, uma nerd esquisitinha e cheia de manias como inventar jingles sobre situações corriqueiras e assistir Dirty Dancing sem parar quando está triste, sofre uma grande decepção amorosa. Apos ser traída pelo namorado, ela se muda para um apartamento com três solteirões desconhecidos: Nick, um recém divorciado que vive chorando as magoas pela falta da esposa, Schmidt, um galinha de primeira que está sempre correndo atrás de um salto alto diferente (o salto alto não é literal, ok?), e Coach, um personal trainer cheio de arrogância. A primeira impressão é péssima, mas ao comentar que praticamente todas suas amigas são top models, ela é aceita como colega de apartamento. E ai que as confusões começam.
A série vai ser sucesso. Pode não ser a estreia da Fall Season (to apostando minhas fichas em The Secret Circle), mas vai acabar conquistando o público, O enredo é bem simples e sem grandes novidades, o episódio piloto é meio focado nas esquisitices de Jess e de uma forma meio exagerada, e os garotos são típicos personagens de coração mole que aparentam ser impermeáveis, assim digamos. Só que a FOX acertou em cheio colocando Zooey no papel principal, já que a atriz tem um mega carisma que td mundo já conhece de 500 dias com ela.

Jess convence como protagonista, suas peculiaridades são um jeito de prender o público. Sabe a identificação pessoal? Acho que a FOX arrasa nesse quesito! Criou a Rachel (chata e com mania de famosidade igual a mim!) e agora Jess, uma louca. Kevin Reilly, adoro seus roteiristas!

Não faz ninguém chorar de rir. Não faz ninguém se emocionar com os problemas da protagonista. Mas sabe aqueles seriados com episódios curtinhos e humor mediano? Um perfeito passatempo! Vou acompanhar, vá que empolgue?! Já assistiu? - episódio piloto aqui!

  • Falando em séries queridinhas da FOX...
A terceira temporada de Glee voltou nesta terça-feira e estou precisando loucamente de alguém que comente comigo o quanto o Blaine tá lindo, a Rachel e o Finn estão fofos, o quão legal está a Quinn indie, o que achou da estréia de Tinsley. Já assistiu?
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

21 de set de 2011

O Portal

O Portal por Eliane Raye


Os sinais escondem um mistério que poderá mudar o rumo da história." Elizabeth Macwood foi criada em Nova York. Filha de um grande empresário americano, Robert Macwood, decide acompanhá-lo em seu novo compromisso no Brasil. Após uma noite agitada, Elisabeth acorda com três sinais desconhecidos rasgados em suas costas e uma súbita amnésia que a faz se esquecer dos acontecimentos que geraram as marcas. Em uma busca incessante para desvendar o motivo dos sinais, Elizabeth se vê envolvida em histórias inacreditáveis, verdades, mentiras, símbolos, viagens no tempo, medos, supresas e paixões inesperadas. Ambientado nas cidades de Nova York e Rio de Janeiro, O Portal apresenta um enredo de enigmas, no qual a autora Eliane Raye nos conduz em suspense até o último momento, em reviravoltas inusitadas. Um romance com personagens marcantes em que todos apostam a própria vida para descobrir a verdade. 


Editora: Vermelho Marinho
ISBN: 9788562851919
Páginas: 202
Comprar

Não sei se fico feliz ou triste em anunciar que alguém bateu Dru Anderson no quesito demora para ler. O Portal ficou me encarando no criado mudo por três semanas. Ok, três semanas com provas, dois livros intercalados, mas para uma história de 202 páginas foi uma grande demora. O livro da escritora brasileira Eliane Raye, foi uma das minhas apostas pelo seguinte argumento: cortes desconhecidos no corpo da personagem. Sabe como é cortes, marcas, caçadores de sombras, Jace. Por causa de meu amado Jace e suas tatuagens, a expectativa era alta - mesmo sabendo que o universo de Cassandra Clare é bem distinto do de Eliane Raye. Dura queda...

Lizzie tinha uma ótima vida: morava em Nova York, família tinha dinheiro, tinha um namorado fofo e alguns paquera em potencial (não simultaneamente, claro). Só que um problema em casa que resulta na separação dos pais acaba dando uma reviravolta gigante em seu mundo estabilizado. Lizzie se muda para o Brasil com o pai, conhece novos amigos, começa nova faculdade...

Marcello, um dos antigos paqueras de Lizzie, vem encontrá-la no Brasil e durante uma boate ela perde noção de si, acordando em casa no outro dia com cortes fundos e misteriosos nas costas, uma chave que ela não sabe a procedência em suas coisas, uma falta de memória suspeita. Com a ajuda de seus amigos Leonardo e Flavia, ela vai tentar descobrir o significado das marcas que tanto apontam para o ex namorado Steve, e com sorte, sair viva.

O que pode atrasar uma leitura? Personagens chatos? Narrativa cansativa? História sem graça? Com certeza a narrativa. Isso pode acabar de vez com um livro. Pouco dialogo para muito paragrafo, ordem cronológica sem o lógica... O Portal tinha um bom enredo que foi apresentado de um modo não tão bom.

Enquanto lia, imagina um teatro, aqueles bem chiques com bancos de veludo vermelho e adornos de ouro. No palco, os personagens, péssimos atores que cada fala começava com "Oh". Sério! "Oh, querido fulano, como vai você?", "Oh, beltrano, estou bem e você?". É cômico se não for triste.

Lizzie não me cativou como protagonista - tem uma facilidade incomum em confiar a qualquer um segredos da sua vida - e olhe que a mania de perseguição é um dos defeitos relevados para ela. Steve, Marcello ou Leonardo também não são apaixonantes. Falo principalmente de Leonardo e seus transtornos bipolares apaixonados nada sutis. Ah, foi mal, mas um pouco de discrição é bom!

Gostei do enredo, não gostei do livro. Demorei muito pra ler, cansei... Se você gostou de Strange Angels, recomendo que leia, talvez a narrativa agrade. Caso contrário, só tiver aquela chance imperdível.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

Looks Emmy Awards

Oscar, Grammy, Globo de Ouro, BAFTA e Emmy: as cinco premiações mais chiques do entretenimento mundial. Os Red Carpets desses eventos são sempre tomados por vestidos longos de grifes europeias, brilhantes e diamantes envoltos de ouro, Loubotins, Manolos e Jimmy Choos carérrimos de salto 12... Um loosho só! O Top 10? Curte só:
Sarah Hyland
Lyndo, lyndo, lyndo! O vestido coral era de um tecido levemente transparente e extremamente esvoaçante. O plissado irregular deu uma texturizada e o ombro único teve sua volta ao tapete vermelho. Os acessórios em prata deram uma modernidade no look que tem carinha de grego. Adorei a ousadia de usar um peep toe branco, sendo que normalmente é monocromático. #Perfã
Heidi Klum
Elegante em vestido nude com brilho suave, Heidi Klum abalou nas referencias retrô. O corpete em branco off white tinha uma fina camada de tecido brilhante. Já a saia chamava toda atenção: assimétrica e armada, as texturas da barra são última tendência! Agora, bico fino, Heidi? URGH! Adorei a brincadeira dos tons das joias, contraste forte com o vestido!
Evan Rachel Wood
Enquanto olhava o Red Carpet ontem na Warner, um dos looks que mais me chamou atenção foi o da Evan. Capaz que não. O vestido preto tinha uma modelagem bem simples, deixando espaço pra baphonice dos paetês pretos. Como a frente é toda em linhas retas, as costas permitiram o decote fundo e a cauda mais longa. #Phynesse
Elizabeth Mcgovern
Junto do vermelho, vinho foi uma das cores mais presentes no Red Carpet. Elizabeth escolheu um modelo simples, de cetim com transpassados de seda uns dois tons mais escuros para dar leveza e movimento. Fez toda a diferença.
Maria Menounos
Digamos: um tubinho longo. Na mesma linha de Evan Rachel, Maria escolheu um modelo preto com brilhos,só que menos sutis. O corte simples do vestido junto dos paetês maiores acabou dando um efeito contrastante, sendo que o corte dá um efeito sequinho e o brilho molhado. Gostei da brincadeira!
Nina Dobrev
É tão difícil ver Nina extremamente elegante como no Emmy. Vermelho reinou entre as celebridades! Ela escolheu um modelo tomara que caia justo com abertura estruturada na barra, meio como sereia, só que mais sofisticado. Adorei a clutch de brilhantes!
Cat Deeley
É lindo, mas o vestido que Cat usou tem um jeito tão comum pra Red Carpet. Ok, os bordados com brilho no branco em modelo mais fluído é chique, tem uma pegada moderna, mas não inova. Esse ano já foi usado um modelo bem parecido e quando você olha tem a impressão que já conhece, não é nenhuma novidade. O modelo de Cat Deeley é ótimo desde que seja sua primeira aparição em tapete vermelho.
Annie Lionzeh
Falei do vinho, não falei? O modelo plissado irregular é bem justo, mas por ter uma cauda, e abertura não vulgarizou. O decote coração deixou bem feminino. Gostei do headband na testa, um acessório informal que junto do coque ficou elegante, surpreendentemente.
Cobie Smulders
Normalmente o azul de tapete vermelho é Royal, escuro mas aberto. Cobie inovou com um modelo anil, clarinho e marcante. Leve, o vestido tinha decote profundo e saia assimétrica, com cintura marcada. A faixa monocromática na cintura deu uma afeminada e as jóias pequenas uma sofisticação. #PHYNA
Kelly Ousborne
Kelly é it! Claro, concordamos que quando ousa o nível de fashionismo sobre metros, mas seus looks contidos também são lindos. Em tom fechado, o vestido era todo plissado e justo até o joelho e abria numa cauda de sereia (moda nova e quente entre as celebs!). Gostei da combinação entre o tom do vestido e a pedraria das jóias.
Kerry Washiongton
Vestido de opiniões bastante controversas: uns amaram, outros odiaram. Sinceramente, gostei, não cai de amores, mas gostei. Como vermelho foi a cor da noite, Kerry abusou só que de um modo não muito convencional. Vermelho normalmente pede vestidos simples e retos, onde só a cor dá o toque especial. Para a atriz não! A saia era em franjas, mais compridas atrás, o vestido era todo escamado que longe parecia brilhos... Chamativo, mas bonito.
#FAIL da noite: Gwineth Patrow
Justificar mal gosto com etiqueta é algo! Gwineth usou um Emilio Pucci, grife mega renomada que tem peças incríveis  só que a atriz/cantora escolheu um dos poucos vestidos feios que tinha nas araras do italiano. Se é que dá pra chamar de vestido. A tendência da barriga de fora foi exagerada, tinha muita pele a mostra. A estampa tinha uma pegada étnica que não combinava com os acessórios sofisticados e nem com o evento. Definitivamente, alta costura nem sempre significa alta elegância.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

RESULTADO: Não Sou Este Tipo de Garota - Siobhan Vivian

Primeiro, desculpa o sumiço. A internet desenvolveu vida própria, resolveu brincar comigo em pleno feriadão. Foram 48hrs sem internet!!! Eu já estava enlouquecendo. Ou piorando a situação, no caso. De qualquer modo, a internet voltou, eu voltei, o blog voltou, e você voltou a visitar diariamente. E para voltar em grande estilo, o resultado da promoção de Não Sou Este Tipo de Garota da Siobhan Vivian (resenha aqui). E quem levou o kit da Novo Conceito foi...
Priscila Souza 
Parabéns! Você tem até as 15 hrs de sexta-feira, 23/09, para responder o email que enviei.
E se não foi sua vez, ainda tem promoção de Mil Seguidores (tá pertinho...) e Sorteio de Ladrões de Elite. Já tá concorrendo?
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

17 de set de 2011

Lição de Estilo #23: Olivia Palermo

Sempre ouvi falar dos looks da socialite americana Olivia Palermo, considerada it girl por milhares de pessoas. Mas por que? Olivia é constantemente comparada com Blair Waldorf, tanto como no estilo patricinha de ser como também no jeito de se vestir. Foi por essa razão que fiz uma big busca entre os looks da garota, e cá entre nós, não tem nada a ver com Queen B - e estou considerando o estilo mais maduro da personagem a partir da terceira temporada (conheça o trabalho de Eric Daman aqui). Olivia é mais eclética, mistura vários elementos tendência em looks que acabam ficando ousados. Ah,  e ela usa jeans. Pode até ter o mesmo clima girlie que Blair tem, mas não totalmente. Fashionista? Sim. Como Queen B? NOT!
Uma das coisas que mais gosto no estilo da Olivia é o fato dela amar sapatilhas - e abusar delas. São mais delicadas, mais fofinhas e, sem dúvida, mais confortáveis que a meia pata 12 agulha. A it usou a blusa vermelha com saia branca texturizada. Esse é outro fato muito relevante para o get the look dela: mix de texturas! A maxi bolsa nude é elegante, discreta!
Esse sim é um look Blair: leve, lady like, sofisticado. O vestido de seda amarelo pastel é bem fluído, comprimento midi (aqui!). O cinto fininho deu uma marcada na cintura ao mesmo tempo que deixou soltinho. O mix de colares deu um destaque a mais pro colo, já que o vestido tem decote reto. Só não ficou legal a sandália dourada - muito fechada e combinadinha demais. Preto ficaria melhor.
AMEI essa proposta, tão simples e tão elegante. A blusa branca com renda é delicada enquanto o shorts de couro é mais pesado. Além de que sai do óbvio pelo tom, já que o esperado é couro preto. A sapatilha levemente prateada também faz esse estilo mais day-by-day. Ela ainda usa mix de pulseiras bem diferentes entre si: a pesada marrom com brilhantes discretos e a elegante de ouro com esmeraldas. Só não gostei do scarpin que ela tá segurando: um flat do Valentino com salto. Ridículo!
A elegância e a leveza da blusa de seda branca com babados na manga combinada da modernidade melindrosa das franjas azuis. Um High-Low não convencional. A sapatilha prateada deu um pouco de glamour que a bolsa Birkin Hermes não tem pelo tom caramelo e jeito casual. Mas tem pela etiqueta...
Nem todo total black é básico. Uma simples peça nada-simples pode mudar tudo. Nesse caso: o colete de pele (aqui)! Deu um toque moderno ao look, um pouco de ousadia. Uma coisa que acho lyndo é skinny com sapatilha de bico redondo: acho a coisa mais fofa EVER! Amei o óculos gatinho mais discreto - modelo it pro verão 2012!
Dois itens que amo: saia de babados e essa modelagem de jaqueta. Olivia juntou os dois. Mas detalhe: eles fugiam dos seus clichês! A saia era longa e a jaqueta de camurça ao invés de couro - como é mais comum. A regata laranja brinca levemente com a estampa da saia. #PHYNA
Sabe o que falei sobre mix de texturas? Também funciona para mix de estampas. Uma mais chamativa como a saia levemente plissada com animal print variando entre azul, laranja, lilás, marrom... E outra mais discreta como o colete longo azul, preto e branco. A blusinha cinza clara é bem neutra e o scarpin brinca com os tons da roupa: azul e marrom.
Um mix de estilos também serve. Tem o militarismo do casaco preto com botoes militares e ombreira a la Príncipe Charlie. Também há a feminina saia plissada com estampa abstrata P&B. Amei a ankle boot preta com com detalhe e a Birkin sai um pouco dos tons do look central, dando um ponto de cor - mesmo que esse seja neutro.
O vestido branco off white é extremamente delicado e girlie, com babados e bordados de brilhantes pequenos. E ela quebrou essa sofisticação vintage com o cinto de corda e o cardigã estampado azul e preto. Acho que conversou melhor com a bota midi grafite - a peça mais pesada do look. #RYCA
Mega mix de referencias! Nesse look consegui ver a Blair. A blusa preta com brilhos discretos é toda de plumas, junto do bolero cinza mescla de trico fininho. Ela quebrou essa fofura (literal) com a saia nude de couro, mais sóbria mesmo que tenha os detalhes na modelagem. O cinto azul com tachinhas saiu completamente do óbvio. Um look mega ousado que fica lindo e inteligente (pq sim, a moda pode ser inteligente!) para aquela festa de 15 anos, formatura, casamento, blá-blá-blá.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa