30 de jun de 2011

Aprenda com os clipes da Taylor Swift

Eu já tinha feito um "Aprenda com" os looks dos clipes da Selena Gomez (ainda não viu? Clique aqui), e agora resolvi fazer outro post com a tag (que tava meio esquecidinha, ops) analisando outros detalhes fashion dos clipes musicais da Taylor Swift: Make & Hair. E não é que eles tão cheio de inspirações tanto para o dia a dia quanto para a night?! Confira:
PS: Todos os makes apresentados em tutorial, já começam com pele preparada!
Taylor Swift em Mean: Destaque para o make.
Como o clima é mais rústico, a primeira maquiagem é baseada em tons terrosos. Sombra de um tom entre o dourado e o marrom por toda a palpebra. Com um lápis marrom, delineie abaixo da linha da água, bem de leve.  Delineador gatinho bem leve só na parte de cima do olho. Muito rímel, pouquinho de iluminador no canto interno, blush pêssego e batom cor de boca. Para dar um toque a mais, um gloss puxado para coral fica bem.
Já o outro é mais sofisticado e retrô - no clima melindrosa do final do clipe. Olha o mais legal: o make é o mesmo, só muda o batom! Nesse segundo visual, a boca é super vermelha e com suave brilho.
Taylor Swift em The Story Of Us: Destaque para os penteados.
É básica, fácil de fazer, moderna e in. A trança lateral da Taylor tem os gomos bem largos e um lado é meio solto. Sabe quando vc faz mas seu cabelo é picado e ele não para do outro lado da cabeça? Aproveite isso! A franja presa atrás da orelha dá um detalhe a mais.
Taylor Swift lisa! O liso escorrido fica feio nela, mas esse tem um pouco de volume, ficou bem legal. Seque com a escova por baixo do cabelo, aplique leave in amassando e deixe as pontas levemente cacheadas. Fácil, né?
Eu adorei esse! É tão simples e fica tão bonito. Com o cabelo liso com pouco volume (dica de cima!), prenda bem de leve. Deixe alguns fios mais longos soltos junto da franja e os desfie. Jogue a franja para um lado e deixe uns fios no lado oposto.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

28 de jun de 2011

Anna e o Beijo Francês

Anna e o Beijo Francês por Stephanie Perkins


Anna Oliphant tem grandes planos para seu último ano em Atlanta: sair com sua melhor amiga, Bridgette, e flertar com seus colegas no Midtown Royal 14 multiplex. Então ela não fica muito feliz quando o pai a envia para um internato em Paris. No entanto, as coisas começam a melhorar quando ela conhece Étienne St. Clair, um lindo garoto -que tem namorada.Ele e Anna a se tornam amigos mais próximos e as coisas ficam infinitamente mais complicadas. Anna vai conseguir um beijo francês? Ou algumas coisas não estão destinadas a acontecer? 


Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788563219329
Páginas: 288
Comprar


Sabe quando vc terminar de ver um filme perfeito e tudo que vc quer fazer é assistir o filme de novo? E de novo, de novo e de novo? Seu maior desejo naquele momento é rir das mesmas piadas, chorar nos mesmos momentos, cair o queixo naquela mesma situação, brigar com a protagonista pelo mesmo motivo, e afastar cada vez mais o final e o vácuo que bem junto? Anna e o Beijo Francês é como esse filme. Só que não é um filme, é um livro. Um livro perfeito. Tão perfeito que tudo que eu queria nesse momento é me aninhar no meu edredom pink, com uma xícara de café gigante e me divertir com as aventuras da Anna. Repetidamente.


Filha de um famoso (e milionário) escritor de dramas, Anna Oliphant é obrigada a se mudar para a Escola da América em Paris. Logo quando sua vida estava se ajeitando (e o romance com Toph, o colega de trabalho, também)! Mas ela não pode discutir, só ir para um país desconhecido, com um idioma que ela não fala, com pessoas que ela não conhece, para uma realidade mt mais sofisticada do que estava acostumada. 
" Isto é tudo que sei sobre a França: Madeline, Amélie e Moulin Rouge. A Torre Eiffel e o Arco do Triunfo também, embora eu não saiba qual a verdadeira função de nenhum dos dois. Napoleão, Maria Antonieta e vários reis chamados Louis. Também não estou certa do que eles fizeram, mas acho que tem alguma coisa a ver com a Revolução Francesa, que tem algo a ver com o Dia da Bastilha. O museu de arte chama-se Louvre, e tem o formato de pirâmide, e a Mona Lisa vive lá junto com a estátua da mulher sem braços. E tem cafés e bistrôs - ou qualquer nome que eles dão a estes - em cada esquina. E mímicos. A comida é supostamente boa, as pessoas bebem muito vinho e fumam muitos cigarros. Ouvi dizer que eles não gostam de americanos nem de tênis brancos.[...]Não é que eu seja ingrata, quero dizer, é Paris. A Cidade Luz! A cidade mais romântica do mundo! Não sou imune a isso."
Página 7/8
E é na cidade mais romântica do mundo que Anna se apaixona. St. Clair, o lindo americano com jeito sofisticado de francês e um sexy sotaque britânico, que esbarra (literalmente) com Anna logo no primeiro dia. Do mesmo grupo de amigos, ambos vão cada vez se aproximando mais, até virarem melhores amigos. Mas amigo é a última coisa que Anna quer que St Clair seja. Só que tem um probleminha: ele tem namorada. E uma grande amiga dos dois, Meredith, também está apaixonada por ele. Do mesmo jeito que Amanda, a garota mais insuportável da escolta, também está. 


O melhor lançamento não sobrenatural do ano. Do século, até! Anna e o Beijo Francês é o melhor livro livre de seres de outro mundo que já li. Eu amei! Amei a Novo Conceito ter publicado, amei a capa, amei a lateral dele (a Torre Eiffel - fica lyndo na estante!), amei a página 242, amei a história, amei o St. Clair... Enfim, o livro em si é extremamente apaixonante!  


Anna é uma protagonista super divertida. Ela é engraçada, irônica e reclamona. Me identifiquei (pq será...). Algumas de suas ações vc pode ficar maluca com ela, algumas de suas tiradas são de deixar qualquer um de queixo caído, se não chorando. Ou rindo. Ou chorando de rir. A personagem é tão legal, o que faz a narrativa fluir de uma maneira que quando você vê, da página 15 vc já tá na 85 e quando piscar já é a última linha da 288. E ai vem o vácuo. 


Stephanie Perkins é uma das minhas novas escritoras favoritas, junto com Becca Fitzpatrick, Cassandra Clare, Meg Cabot e Sophie Kinsella! s2s2 Ela vai lançar livro novo em setembro, e já vou começar agora a mandar emails mt sugestivos para a Novo Conceito comentando sobre o lançamento aqui no Brasil. 


Agora, cá entre nós (eu e vc que já leu o livro), vai dizer que o pai da Anna não tem um Nicholas Sparks inspired?
Cá entre nós de novo, posso contar um segredo? Anna e o Beijo Francês vai estar na promoção dos 1000 seguidores! Bora chamar tds os seus contatos do MSN e followers do Twitter para entrar no blog - falta pouco!


Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

27 de jun de 2011

Meias, Meias e mais Meias...

Nunca subestime algo! Você não sabe se algo aparentemente insignificante é realmente assim. Quer um exemplo bem atual? As meias! As nossas queridas e quentinhas meias. Você dá para ela o valor que ela merece? Fala sério Joana, é uma meia e não uma calça jeans. Não é o que os fashionistas e editores de moda ao redor do mundo estão falando! Agora as meias deixaram de ser só mais uma pecinha que cobre o pé para se tornar um dos acessórios mais fortes do inverno!

Isso não é novidade. De vez em quando essa trend surge, mas nem tão forte como agora. Eu sou da época (me senti velha agora) que era mt lyndo usar Melissa Aranha com meia listrada colorida até o joelho e saia de pregas. Ok, isso tudo junto parece cafonice, e na real é mesmo, mas alguns anos atrás era moda! E hj, essas peças separadamente são todas tendencias - tá, talvez não a meia listrada até o joelho (Thanks God), mas a ideia que ela passa tá ai: parar de esconde-las atras do tênis e deixar a mostra pra td mundo ver.
Não dá para negar que a mais comum e nenhuma novidade é a meia calça estampada. Essa já tá nas pernas da mulherada a umas duas temporadas.  Lisas e de tons fortes trabalham bem num look color blocking. As rendadas são elegantes e sexys ao mesmo tempo, sem deixar vulgar. As estampadas são mais divertidas - e variadas, tem de tudo: dos cupcakes (#KatyPerryFeelings) ao floral. As xadrez são curingas e é mt difícil ficarem feias (a não ser que vc faça um look total quadradinhos). Mas tem que cuidar que tons mt claros dão uma engrossada a mais nas pernas, se vc já tem coxas grossas prefira de tons mais escuros. E, posso falar, passe longe das arrastão. Elas são vulgares e é mt mt mt raro ficarem bem em alguem. A não ser que vc use com uma colorida (e lisa) por baixo, que fica diferente e fofo.
Mas não é a meia calça a nova trend que precisa ser comentada. Vc já reparou a quantidade de meia 5/8 que tem nos closets das figurinistas? A Rachel de Glee, a Spencer de Pretty Little Liars, praticamente todo o elenco teen feminino de Gossip Girl... Por que isso? Pq em tds os casos o estilo preppy tá presente. Todas as personagens citadas usam visuais com cara de colégio nos anos 70 e 80. It's so cute! Acima do joelho, em cores variadas (sempre lisas), elas são combinadas ou com sapatilha, scarpin ou até mesmo deixar aparecendo só uma partezinha minúscula por trás da bota de cano longo. Mesma coisa que disse antes: tons escuros para pernas grossas, claro para finas. Escolha o azul marinho se quiser fugir do preto e o off white no lugar do branco-brancão (mas o brancão mesmo é melhor!).
E tem também o sucesso das meias soquetes - aqueles pequeninas que vc usa com tênis. Estampadas e coloridas, as meias soquetes são os novos sucessos dos editoriais. Pode olhar a Vogue Teen - e os pés da Quinn (Glee) na segunda temporada depois de sair das Cheerios - ela usava direto! Combinadas com scarpin, sapatinha ou ankle boots, elas são divertidas e fofas. Os modelos de poá e corações são os mais pedidos!

Eu to louca pra usar, mas cadê a coragem de deixar de lado a calça jeans nesse inverno horrivel! Vc que mora em regiões mais quentes não perde tempo, viu?!

Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

25 de jun de 2011

Água Para Elefantes

Água Para Elefantes por Sara Gruen


Desde que perdeu sua esposa, Jacob Jankowski vive numa casa de repouso, cercado por senhoras simpáticas, enfermeiras solícitas e fantasmas do passado. Por 70 anos Jacob guardou um segredo. Ele nunca falou a ninguém sobre os anos de sua juventude em que trabalhou no circo. Até agora. Aos 23 anos, Jacob era um estudante de veterinária. Mas sua sorte muda quando seus pais morrem num acidente de carro. Órfão, sem dinheiro e sem ter para onde ir, ele deixa a faculdade antes de prestar os exames finais e acaba pulando em um trem em movimento - o Esquadrão Voador do circo Irmãos Benzini, o Maior Espetáculo da Terra. Admitido para cuidar dos animais, Jacob sofrerá nas mãos do Tio Al, o empresário tirano do circo, e de August, o ora encantador, ora intratável chefe do setor dos animais. É também sob as lonas dos Irmãos Benzini que Jacob vai se apaixonar duas vezes: primeiro por Marlena, a bela estrela do número dos cavalos e esposa de August, e depois por Rosie, a elefanta aparentemente estúpida que deveria ser a salvação do circo. Água para elefantes é tão envolvente que seus personagens continuam vivos muito depois de termos virado a última página. Sara Gruen nos transporta a um mundo misterioso e encantador, construído com tamanha riqueza de detalhes que é quase possível respirar sua atmosfera. 


Editora: Arqueiro
ISBN: 9788599296158
Páginas: 272
Comprar


Provavelmente vc já foi em um circo (se não, lamento informar, mas vc tem um abismo negro na história da sua vida!). O que vc viu? Mágicos fazendo truques que embora toscos vc não descobre? Palhaços contando piadas sem graça ou partindo logo pro apelo sexual? Animais perigosos e engraçadinhos? Mas e o que acontece quando a "magia" termina? Essa é a pergunta respondida pelo universo de Água Para Elefantes, da autora Sara Gruen.


Jacob tem 90 anos. Ou 93. Mas qual a diferença? Agora ele mora em uma casa de repouso, é um peso para os filhos e netos, e ninguém o deixa comer espigas de milho. Guardando segredos durante 70 anos sobre sua juventude, os fantasmas do passado voltam com tudo quando um circo chega na cidade. Com 23 anos, Jacob foi o veterinário do Circo Irmãos Benzini, o Maior Espetáculo da Terra.


Prestes a se formar em Veterinária na conceituada Universidade Cornell, seus pais morrem em um acidente de carro, deixando uma enorme dívida pela casa hipotecada, meio arranjado para conseguir pagar a faculdade do único filho. Transtornado com a verdade, Jacob abandona as provas finais e pula no primeiro trem que vê, o trem do Circo Irmãos Benzini. 


Contratado como veterinário, Jacob tem que se adaptar a dura realidade do espetáculo, sofrer nas mãos de Tio Al, o dono mal encarado do Circo, e August o bipolar chefe do setor dos animais. Ainda por cima, August é casado com Marlena, a mulher por quem Jacob se apaixona. Não satisfeito, ele se apaixona também por Rosie, a estupida elefanta do circo.


Não vou dizer que é uma leitura agradável. O livro é muito bom. Eu não esperava muito e acabei gostando, mas algumas partes não é o que dá para chamar de leitura leve. Não sou nenhuma colaborante do PEETA, mas me senti mal em ler algumas cenas de violência com os pobres bichinhos. E com humanos também. Não espere que Água Para Elefantes seja um livro mel com açúcar. Muito longe disso. 


A adaptação pro cinema tá fazendo um super sucesso, mas ainda não vi, escolhi ler o livro antes. Mas mesmo assim, não consegui desligar o Jacob do Robert Pattinson, que por sua vez, não foi desvinculado do Edward. Então, na minha lógica furada, era o Edward dando água para elefantes. O que não faz sentido nenhum. 


Eu já não sou muito fã de circos, depois de Água Para Elefantes não faço a mínima ideia da reação á lona. O universo dos circos que a gente conhece é bonitinho, coloridinho, eba - é mágico. O Circo que ninguém nos mostra é cruel, violento! Talvez com o passar dos anos tenha mudado, mas a essencia que Sara nos mostrou é a mesma. E não é nada legal.


Um bom livro. Gostei. O Jacob com 90 (ou 93) anos é engraçado, irônico e mal humorado. O Jacob de 23 é  ingênuo demais. Eu ri em algumas partes. Outras foram de partir o coração. Mas acho que é algo que, para vc que gosta de circo, não pode deixar passar em branco. E lá vai eu estragar a magia da sua vida. Desculpa!


"Eu o odeio. Odeio por ele ser tão bruto. Odeio estar submisso a ele. Odeio estar apaixonado por sua mulher e sentir algo muito parecido com isso pela elefanta. E, acima de tudo, odeio ter decepcionado as duas. Não sei se Rosie é inteligente o suficiente para me relacionar ao castigo que recebeu e me pergunto por que não fiz nada para impedi-lo, mas estou relacionado e não fiz nada."
Página 144


Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

23 de jun de 2011

Par Perfeito

Não é que eu tenha parado geral de olhar filmes. Essa ainda é uma parte da minha vida que eu prezo. Mas to numa fase de filmes mais antiguinhos, e acho desnecessário pôr resenha de Sr e Sra Smith ou então As Loucuras de Dick e Jane. Seria a mesma coisa que resenha Harry Potter ou Crepúsculo: td mundo já ouviu, viu e reviu. Mas isso não é o caso de Par Perfeito, filme de Ashton Kutcher e Katherine Heigl que estreou no cinemas brasileiros em agosto do ano passado.

Spencer é um assassino profissional, mas não pense mal dele, ele só mata pessoas más e que exercem algum tipo de ameaça a sociedade, segundo a CIA. Isso até chegar na Riviera Francesa, onde conhece Jen, uma mulher de quase trinta anos que estava de turismo com os pais depois de levar um fora do noivo. Eles se apaixonam, casam e ele abandona o trabalho. Mas quem diz que o trabalho estava pronto para abandonar Spencer?

Três anos depois, casados e felizes, o ex-chefe de Spencer volta para cobrar mais um serviço, só que ele recusa, pois sua vida como matador é segredo abandonado. Mas esses caras não desistem fácil e em pouco tempo sua cabeça vale mais de 1.000.000 de dólares e de caçador, vira a presa.  Destinado a salvar a esposa (e a própria pele), ele fará o possível para entender os fatos por trás do caso, e de preferência, saindo vivo.

Sabe aquele filme que vc olha por 10 minutos e já saca toda a história? Pois é, com Par Perfeito vc só leva quatro. É aquele típico filme: o cara muda por amor (que, só pra constar, é descoberto e anunciado no primeiro dia de contato. Hey você! Sim, vc mesmo que passou na minha frente agora. Eu te amo!), a garota é daquelas pessoas cheias de fobias e que não arca com emoções fortes. No mínimo, previsível.

Outro fato que (des)colabora com o filme é Katherine. Ela é uma atriz tão boa quanto Kristen Stewart. Maldade? NOT. Eu já olhei outros três filmes com ela, e o único que posso dizer que gostei foi 27 Dresses, mas por causa do figurino e do James Marsden, não por ela. Ela não convence em nenhum papel - que são sempre os mesmos esteriótipos, só muda o nome, cor de cabelo e endereço.

O filme em si, é algo como Sr e Sra Smith, só que abaphando o sra. Uma mistura de comédia, romance, ação e previsão, mas que deixa a desejar em todos os quesitos (menos a previsão pq esse AHASA!): faltou a grande graça na comédia, o piegas do romance ou então a tensão da ação.

Uma história boa para uma tarde de chuva, acompanhada de pipoca, brigadeiro e edredom. Trocaria facilmente por um livro da Meg ou um box de Gossip Girl, mas é um filme que pode ser visto. Nem que seja para comentar aqui e dizer que concorda plenamente (ou não) comigo.

Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

22 de jun de 2011

Sintonize: Hey Monday

Sei que já faz um bom tempo que não comento uma banda "nova", só que sou bastante apegada aos meus cantores favoritos e é muito difícil sair por ai descobrindo bandas e me apegando às suas músicas. Mas então como foi com Hey Monday? Todo mundo já sabe do meu vício por Glee. No meu episódio favorito (S02E16 - Original Songs), os Rouxinóis da Academia Dalton ( a escola do Blaine-Lyndo que o Kurt vai dps de sair do McKinley High) cantam nas regionais Candles, da banda. Amei a música e resolvi dar uma chance a eles. Obvio que não me arrependi!

Formada por Cassadee (Cass) como vocalista, Alex na guitarra, Mike tb guitarrista e Patrick o batera, a banda surgiu em 2007 na Flórida, mais especificadamente West Palm Beach. Cass foi destaque na música Take My Hand da banda The Cab em mix-tape. Ela tb fez uma aparição no vídeo America's Suitehearts da banda Fall Out Boy. Ela teve uma aparição como ela mesma no filme de televisão Degrassi: The Next Generation, e Degrassi Goes Hollywood, juntamente com Pete Wentz. "Should've Tried Harder" aparece no jogo de videogame Major League Baseball 2K9. Uma parte de sua canção, "Homecoming", é exibida durante um comercial do Girls Next Door na E!, Glee tocou Candles e I Don't Wanna Dance foi destaque em HellCats! Entendeu pq Hey Monday é tão it?

Capa da Seventeen, comparada com Avril Lavigne, e apontada como a nova Paramore, Hey Monday faz um som meio Pop-Rock-Punk, com jeitinho de KSM. Misturou geral? Escute Hurricane Streets que vcs me entendem. Já escutei todas as músicas lançadas e é difícil escolher a melhor!


  • Candles: Foi a primeira música, o primeiro contato. Amei, é mais lenta que as outras. Mas assim, até a música mais lenta deles tem solo de guitarra e bateria mais forte. É uma das favoritas! And someday you will get back/ Everything you gave me.
  • Arizona:  Já começa agitada, mas espera só o refrão! Quero ir pro Arizona, posso?
  • Homecoming: Não se engane pelo som de triângulos (?) do início. A música tem cara, jeito (e som) de KSM.
  • Wish You Are Here: uma das minhas novas queridinhas. Não é tããão agitada, até. Ficaria bem na trilha sonora de Pretty Little Liars (já sei até a cena!)
  • I Don't Wanna Dance: É mt boa. Essa é que apareceu no quarto episódio de HellCats (que estreia segunda que vem no Boomerang, aproveitando!). E eu não quero dançar.
  • How You Love Me Now: É MARAVILHOSA, despensa comentários!
Vai ouvir, né? Tem mt mais (Six Months, Breakdown, Run Don't Walk, Fall Into Me, Set Off, Obvious, ...). E além das músicas chicletes, Cass é super fashionista: vale um clique no lookbook da garota!
Bjs,
"How You Love Me Now", Girlie Poderosa (não ficou mt bom isso, mas enfim...)

21 de jun de 2011

Sorteio: O Enigma do Fogo Sagrado AUTOGRAFADO

Eu to com esse livro guardado para fazer a promoção já faz um bom tempo, mas sempre dava preguiça de criar banner, fazer o formulário, blá-blá-blá - não briguem comigo. Mas de hoje não passa! O livro sorteado é O Enigma do Fogo Sagrado do autor Hermes M. Lourenço (resenha aqui) autografado (sorry, não vai ser nominal)! Além disso, quem ganhar leva o livro + adesivo do livro + marcadores = legal, né?
Regras:


  1. Ser seguidor PUBLICO do blog;
  2. Deixar um comentário neste post validando a participação;
  3. Ter endereço de entrega no Brasil;
  4. Preencher o formulário corretamente aqui;
Chances Extras (a cada participação, uma entrada a mais):


  • Seguir @GirliePoderosa no twitter;
  • Ser fã do autor no Skoob (aqui);
  • Postar a seguinte frase no máximo 5 vezes ao dia:
"#Sorteio Eu quero descobrir qual o Enigma do Fogo Sagrado junto com a @GirliePoderosa! http://migre.me/565vF"

Não vai perder, né?
A promoção vai até dia 22/07 e sorteio e resultado dia 23 - Boa sorte!
PS: Quando o blog chegar aos 800 seguidores, vai começar a promoção de 1000, ou seja, três (pelo menos, até agora são três) SUPER LIVROS (nem pergunte, não vou adiantar quais) num sorteio imperdível! Correr pra chegar logo o tão esperado número, né?
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

20 de jun de 2011

As Confissões de Laura Lucy

As Confissões de Laura Lucy por Fernanda Saads


Laura Lucy está à beira dos trinta e à beira de um ataque de nervos. De repente, a mulher decidida que pensava ser dá lugar a uma garota cheia de dúvidas diante de dois pretendentes bem-sucedidos, bonitos e charmosos; Sorte no amor e nos negócios é possível? Entre faturas de cartão de crédito, hambúrguer e batata-frita, amor incondicional pelo secador de cabelos e livros de autoajuda, ela tenta se equilibrar e conseguir realizar seus sonhos mais secretos.


Editora: Novo Século
ISBN: 9788576794509
Páginas: 328
Comprar

Assim que terminei Cidade das Cinzas, vasculhei a estante em busca de algo onde os personagens fossem mais velhos, o livro tivesse cara de engraçado, confusão de mais, romance de menos, em outras palavras, um chick lit! O escolhido foi As Confissões de Laura Lucy da escritora brasileira Fernanda Saads. O livro em uma palavra? Hilário!

Laura Lucy sempre sonhou que quando tivesse trinta anos já estaria casada, com filhos e uma carreira bem sucedida. Só que com quase essa idade, sua vida não está nem perto do planejado. Ela mora em um apartamento minusculo onde sua única companhia é um secador de cabelos chamado Beto. Seu último namorado foi a dois anos, e ainda não conseguiu a tão sonhada promoção para gerente da empresa em que trabalha.

E se antes estava solteira e sem pretendentes, em questão de dias surgem dois: Bernardo é seu chefe, Baruk é um cliente em potencial na empresa em que trabalha. Ambos são bonitos, bem sucedidos e apaixonantes - e gostam dela. Entre projetos de marketings, empregos extras frustrados, compras e planos deixados de lado, a história de Laura Lucy é perfeita para rir muito!

Eu adorei a história. Passei a semana inteira enrolando com o livro do lado da cama, mas quando peguei ele devorei em poucas horas! A história é mt engraçada - dei várias gargalhadas longas e sonoras, ou seja, paguei de louca e desequilibrada inúmeras vezes. Mas também... É impossível não rir das loucuras da Laura.

A personagem principal é mt divertida. Completamente maluca, ela é daquelas pessoas que pensam em coisas absurdas para encarar situações complicadas.  Pensar em crianças na Africa para engolir sushi? Confere! Reclamar de estar viva depois de um acidente de carro? Claro, agora tem que encarar um dos pretendentes! Laura tb é daquelas pessoas que são pseudo-organizadas: fazem mil planos certinhos, com anotações e metas perfeitamente articuladas para serem abandonas na primeira barreira. Alem disso, ela ainda é shoppaholic assumida - tipo a Becky Bloom, que super valoriza um cartão de crédito.

Falando em Becky, a narrativa da Fernanda me lembrou mt a da Sophie Kinsella. Só que com toques de Johanna Edwards e Bridget Asher - minhas divas do Chick Lit! Fernanda escreve de um jeito fácil, leve, com grande bom humor e fortes pitadas de sarcasmo. Embora eu ache que Sophie Kinsella é insuperável, Fernanda é uma ótima concorrente.

Você que é fã de Chick lit, da Becky Bloom ou comédias românticas (pq sim, Chick Lit é como um filme de Comédia Romântica onde os personagens tem quase trinta anos), tem que ler esse super lançamento - Cinco estrelas!

"Durmo o domingo quase todo. O telefone começa a tocar, então tiro o som e nem levanto. Estou cansada demais. Cansada de tudo. Não quero acordar e enfrentar a realidade. Quero ser um vegetal ou voltar a ser criança e ficar dormindo até tarde nas férias, sem dívidas, sem preocupações e sem desilusões amorosas."
Página 111

Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

19 de jun de 2011

Dia 6: SPFW

Pedro Lourenço
Clique para aumentar
Posso falar? Natureza demais para uma única coleção. Sabe qd é aquela inspiração na fauna e flora do país, mas de uma forma sutil? Pois é, assim é legal. Mas a coleção de Pedro pesou na inspired e encheu as peças com pássaros e coqueiros. Com um microfone na mão, o estilista detalhou todo o processo de criação do look usado por cada modelo. Numa variedade de materiais, tds as peças tiveram cuidados mínimos e perfeccionista. Mas, cá entre nós, se fosse escolher alguma coisa da coleção seriam os sapatos desenhados por Pedro em parceria com Alexandre Birman e também a saia de couro reta e sem grande OMG. Na verdade, sem OMG nenhum, uma peça rocker e básica!
Fernanda Yamamoto
Clique para aumentar
Olha a estampa. O que vc vê? Algo meio abstrato em tons terrosos? Então olhe melhor (recomendo aumentar a imagem) e veja que nesse meio de tons terrosos e abstratos está a Hello Kitty, personagem super querida da estilista. Mas ainda tem estampas com toques mais rústicos. Ela cobriu crepes e sarjas com bordados emaranhados de linha simulando superfícies da natureza. Usou também uma malha texturizada furadinha de caimento fluido com desenho de casquinha de sorvete. À partir de formas orgânicas construiu um variado trabalho de modelagens e recortes em ondas, a exemplo dos decotes voltados para as costas, bem diferente. Uma coleção bonita, não tão obvia, mas seria melhor se tivesse tons mais quentes e variados!
Reinaldo Fraga
Clique para aumentar
Eu gostei. O melhor do último dia, até. Quase que todo em Preto e Branco, somente com detalhes em vermelho, a coleção do estilista foi fundo no universo carnavalesco dos anos 30 e encheu a passarela de fantasias típicas daquela época, vide os marinheiros. Sedas, linhos e tules transparentes, numa grande variedade de enfeites, brilhos, bolinhas e bordados davam relevo e movimento aos modelos de saias, blusas e vestidos curtos e longos. Mas o grande destaque do desfile foi a enorme quantidade de transparência - tinha muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuita pele a mostra!
André Lima
Clique para aumentar
Desconsidere os arranjos bapho na cabeça das modelos, ok? Uma coleção feita especialmente para uma pista de dança (de preferência tango), cheia de cortes, fendas e decotes gigantes! Muitos vestidos longos com grandes volumes nas costas, vestidos curtos com caudas flutuantes, tecidos bordados com paetês, robe-mantôs com golas gigante de cetim, enfim: mt loosho! Preto, branco e prata, um pouco de cor com rosados e vermelhos em peças com laços enormes. Ah vai, é bonito, né?
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

Dia 5: SPFW

Neon
Clique para aumentar
É difícil não se apaixonar pelas coleções da Neon. A cada temporada, Dudu Bertholini e Rita Comparato ahasam nas peças que fazem sucesso na passarela! Desde que o Color Blocking virou febre, no desfile da Gucci, mts marcas apostaram na trendy, mas nenhuma fez tão bem qt a grife original. Isso até aparecer a Neon, que chegou aos pés! Peças com cores extramente fortes e com um brilho pouco sutil contrastavam com outras peças de cores tão fortes qt. Isso não quer dizer que a estampa ficou esquecida. NOT! Elas estavam bem coloridas tb, algumas em listras, outras em desenhos abstratos. Um pouco de metalizados aqui e ali, numa coleção brilhante! Neon abala, né? Detalhe: alem das rasteirinhas com cara de Melissa, a marca tb trouxe de volta os espadrilles que continuam fortes no próximo verão!
Ellus
Clique para aumentar
Perfeita, maravilhosa, arrisco dizer que o melhor desfile de todos os dias do evento, o melhor em jeans da temporada! A cartela de cores tava super variada: algodões claros em tons manteiga, brancos, off white  e prata em listas largas de paetês entremeados de transparências leves. Usou também preto e laranja numa estampa de xadrez denso com efeito embolorado, usou verdes sombreados na estampa tropical miúda. Trouxe um azul profundo em peças lisas e um tom de amarelo lima tinturado em degradé. Os jeans estavam divinos: to super apaixonada pelo colete e shorts jeans destroyed e a jaquetinha jeans amarelo pastel que olhando de longe parece um cardigan. Não tem como não amar a coleção - que vai ser só uma passadinha na loja!
FH por Fause Haten
Clique para aumentar
Sempre teatral demais, as tão famosas roupas de festas da grife ficaram parecendo pijamas. Não é maldade da minha parte. Sério, boa parte dos vestidos apresentados tão mais para camisolas do que trajes sociais. Ok, existe o boudouir que se encaixa nessa possibilidade, mas igual... Ah, sei lá. Peças de tons suaves, boa parte brancos com algumas variações para rosinha claro e outros tons pastéis, em tecidos bem delicados como renda, tule, tafetá, um pouco de algodão e couro. Detalhes em cristais e transparências, numa coleção onde o grande it detalhe (pelo menos na minha opinião) foram os sapatos.
Adriana Degreas
Clique para aumentar
Vamos ser sinceras: se vc não costuma ser convidada para festas na piscina de High Society, essa coleção não é para você. Phyníssima e chiquérrima, a coleção de moda praia (sem mar, areia e afins) é para alguem que tem uma festa mt diva, na beira da piscina onde ninguém pode entrar na aguá. Em tecidos brilhosos e delicados, a coleção é toda inspirada na natureza, desde os tons (branco, verde e terrosos) à estampa de folhas. Uma coleção bonita, mas não tão vida real. Destaque para as folhas bordadas em paetes.
Lino Villaventura
Clique para aumentar
Um arco iris translucido numa coleção tão delicada qt uma pétala de rosas (uy, que profundo!). Vestidos leves, plissados, transparentes e que deixavam entrever um collant de fina tatuagem embaixo. A modelagem era solta, como as túnicas gregas vestidas pelas ninfas e presas por pequenos broches nos ombros, nos decotes, nas saias. Um contra ponto a tanta leveza foi as saias de tule e renda por baixo, dando uma armação linda. Diferente de suas antigas coleções, desta vez não foi tão teatral nem teve elementos artesanais, focando a inspiração nos anos 50 e sua chiqueza!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

18 de jun de 2011

Dia 4: SPFW

Paula Raia
Sofisticado na medida certa, com toques fashionistas e destaque para modelagens mais amplas, o desfile de retorno da Paula Raia foi um dos mais comentados do quarto dia. Em uma cartela de cores super variada (dos mais básicos off white aos tons mais fortes como laranja, passando pelos tons terrosos), os modelos vieram cheios de pregas, plissados e algumas sobreposições disfarçadas pelos tecidos mais molengos. A silhueta ficou levemente marcada pelos cintinhos fininhos. Destaque para as sandálias bapho super divas!
Maria Bonita
Eu não sou mt fã do estilo minimalista. Não sou perfeccionista, nem tenho mania de organização. E a coleção Verão 2012 da Maria Bonita veio exatamente nesse universo onde tudo é perfeitamente perfeito. Composto quase que totalmente por peças branca e algumas variações pouco mais coloridas, as peças foram mais amplas, paletós mais desestruturados e silhueta mais solta. Certinho demais na minha opinião.
Água de Coco
Uma linda coleção, só que a moda Praia deixou a desejar no termo Praia. Deixe-me explicar: modelos lindos, rycos e cheios de tendência. Um desfile cheio de conceitos e na entrada final, deu para ver o quão bonitos e diferentes ficaram os biquínis e maiôs. Só que ficou passarela demais, mar de menos. Os modelos com aspecto molhado tinha cruzamentos, amarrações e espessuras das alças de maiôs e biquínis, com foco nas partes de cima. Nos tops e camisas, o destaque ficou com os comprimentos curtos, as mangas longas e elaboradas, as frentes mais cobertas e as costas sempre nuas com terminações retangulares. Algumas traziam assimetrias que deixavam o tecido, de leve, mais solto. Talvez para uma festa na piscina mais phyna onde o objetivo não fosse se molhar, a coleção entra, mas no mar acho difícil.
Priscilla Darolt
Bastante jogos com pele à mostra por transparências e telinhas, o desfile teve um predomínio por tons neutros, como preto e branco. Uma silhueta mais simples em modelagens que misturavam os anos 20 com a atualidade. Dos decotes decorados com macramê, saem teares de miçangas e canutilhos metálicos, uma renda bem geométrica de algodão, seda rústica com tingimento de carvão e um franjado de lurex, uns aplicados sobre os outros, que de um modo bem estranho, fica harmônico. Não é um desfile lyndo, omg e tals, mas é bonito.
Cia Marítima
O melhor desfile do dia e também a melhor coleção de moda praia apresentada em toda a temporada de desfiles nacionais. Já adianto que acho difícil alguem bater. Inspirado na Barbie, a passarela ficou cheia de modelagens diferentes de biquínis e maiôs estampados. Com jeitinho de anos 70 e alguns traços mais hippies,  um pouco de franjas douradas aplicadas a cintinhos fininhos e outros acessórios. Outro destaque foi que os biquínis não conversavam entre si, mas combinava, ou seja, não era aquele conjuntinho da mesma estampa com mesma costura e sim modelos bem diferentes que "dialogavam" implicitamente. Eu amei!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

17 de jun de 2011

Dia 3: SPFW

Cavalera
Entra temporada e sai temporada, coleção estréia, vende, termina, muda... A moda passa. Mas a coleção Verão 2011 da Cavalera foi insuperável, e se pudesse, trazia de novo. É impossível não me decepcionar a cada desfile da marca que não é tão especial e lyndo como foi o de 15 anos. Tá, 15 anos tem que fazer algo especial, mas e o "Sweet Sixteen", hein?! De qualquer modo, o desfile não foi tudo aquilo que eu queria esperava, mas não ficou ruim. O shape calça e vestido tava sumido, mas voltou nessa passarela. A diferença é que o skinny da Cavalera se tornou flare - o que é fashion, mas não tanto o público da grife. A maioria das peças veio carrega de cor, tecidos e informação. Pesou, sabe? Tanto que os melhores looks eram os limpos, com tecidos fluidos em tons mais pastéis como pêssego clarinho, e não os conjuntos de retalhos coloridos unidos por grossos fios pretos. Verão de 2011, volta? PS: Eu preciso dessa meia pata!
Gloria Coelho
Posso falar? Odiei a coleção! É pesada, chamativa, geométrica, teatral demais, usável de menos! Couro não é algo fácil de mexer. Não é um tecido leve como o algodão ou phyno como a seda. Couro tem atitude, e brincar de formas geométricas com ele não é uma receita mt fácil. A tentativa da Gloria ao criar formas, recortes e misturas dando foque nesse material foi digna, mas o resultado não compensou. Alguns bordados aqui, pele a mostra ali, mas no todo, não usaria peça nenhuma apresentada.
Huis Clos
Nunca um "Menos é Mais" foi tãããããããão mais! Amei! E nem to falando das botinhas divas que vou varrer as lojas de Marte à procura! Mas enfim: Roupas - e que roupas! Praticamente tds as mulheres que assistiram o desfile queria as peças! Com cara de meia-estação, as peças estavam bem limpas! Calças com a barra mais curta, saias e vestidos mídi. E o que dizer da rica e irrepreensível colocação de longas franjas enfeitando muitos modelos e do bom uso das tachas, que apontavam costuras e arrematavam acabamentos? Ficou empatada com a Colcci no melhor desfile da noite, com certeza!
Osklen
Cores mais neutras em formas mais simples foi a receita da Osklen para uma coleção bem limpa. Sabe o "Menos é Mais" da Huis Clos? Pois é, nesse caso o menos não chegou ao mais. Ficou parado na metade do caminho entre o "Blargh" e o "UAU". A temática seguida a risco é boa, Royal Black, texturas mais rústicas e os variados tecidos (da ráfia de seda ao couro de pirarucu e salmão) são bons artigos da coleção, mas não são nada que faça ter um ataque Becky Bloom ao entrar na loja. As vezes, o sofisticado fica sem graça.
Colcci
Esqueça que esse foi o primeiro desfile sem a Gisele. Esqueça a presença do Ashton Kutcher (e o qt ele está mais magro). Esqueça a Alessandra Ambrósio ahasando na passarela. Esqueça tudo e foque somente nas lyndas, rycas e fashionistas roupas. Streetwear dos anos 90, meio hip hop, esportivo forte e cores mais fortes ainda. A Colcci tb apostou no Flare, mas ficou melhor do que na Cavalera. As peças mais desejadas por mim da passarela foram os casaquinhos jeans e as hot pants. Aposte!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

15 de jun de 2011

Dia 2: SPFW

O Boudouir de Reinaldo Lourenço
Com toques meio boudouir pelo bojo dos corpetes, os tons que iam do preto ao rosa-claro-quase-nude, em peças justas, marcando não só a silhueta. Em couro, gaze de seda e tule, a coleção ficou super loosho, com grande foque a moda festa phyna. Uma prova disso eram os brilhantes nos acabamentos, como detalhes nas listras e recortes. Um poder só!
O Tropicalismo da Movimento
Com fundo branco, os maiôs e biquínis da grife trouxeram fortes e coloridas estampas com inspirações tropicais. Ok, algumas estampas podem ser super clichês (vide a famosa gaivota), mas valeu a intenção. As peças pós praia apareceram, como já era esperado, em comprimento mídi - já viu o quanto tá it? Mas as peças curingas da moda praia tb desfilaram, ou seja, o desfile não foi só uma passarela.
A Duqueza de Alexandre Herchcovitch
Todo mundo já sabe que eu estou planejando casar com o príncipe Harry (já to até treinando o sotaque britânico, mas não fica mt diferente do americano, sabe...?!) e sei que não sou a única garota que pretende entrar pra Família Real, Alexandre tb sabe disso, e foi nesse universo nobre e inglês que o estilista criou outra coleção desejo super comportada. As formas eram ajustadas com a cintura marcada e saias mais secas ou com pequenos franzidos. Decotes discretos, com alças largas ou fechados em decote careca, bem rente ao pescoço. Delicadas, as peças eram dignas de ladies dos anos 40! A cartela de cores mais pálida, com estampas florais super discretas. Queen B ia gostar.
O Urbano da Cori
Nem sempre passarela é sinônimo de dramaticidade! A coleção da Cori pro verão 2012 é a prova concreta disso. As peças eram mais equilibradas e limpas, a variedade de tecidos e cores foi grande! O toque mais fashionista foram os detalhes como aspecto plastificado, nacado e vazado. São poucas as peças que não dá pra vestir e sair por ai. O foque foi mais paras as araras do que para as modelos. E não é maldade da minha parte.
A Primavera da Iódice
Com a inspiração na estação mais florida do ano, foi uma das melhores apresentações do dia! As peças foram super democráticas: enquanto tinha aquele longo que não marca a silhueta, tinha o curto e justo, sem falar da minha amada saia evasê, que faz milagre em quem tem perna grossa! O decote geométrico e em V, a alfaiataria bem cortada, os tecidos phynos numa mistura de leveza, feminilidade e, claro, primavera!
Os Contrastes da Triton
O melhor, top it, fashion, usável, perfeito! Tecidos pesados que se misturaram com leves, transparências discretas e modelos desejo em tons váriados: do forte verde e azul aos tons terrosos - o camelo continua, babys! Brilhos dando acabamento, ombros marcados e contrastantes... Tá, talvez até tenha tido um excesso de informação na passarela - mas eu usaria tudo -  menos o sapato bapho!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

14 de jun de 2011

Dia 1: SPFW

Eba, maratona de desfiles paulistas começou! O primeiro dia, ontem no caso, não veio tão recheado - só três desfiles - mas já deu uma prévia no que vai ter no verão 2012 segundo as tendências do principal evento nacional de moda. Confere:
O Phyno Animale
Muito brilho e muito tecido metalizado em uma coleção feminina, suave e antenada. Peças leves e cheias de bordados em metais e paêtes nos modelos cuidadosamente ousados. Os materiais eram varios: a gaze de seda junto com couro, linhos e tricots - bem phyno! Numa cartela de cores inspirada em Côte d'Azur, tons do azul ao violeta passando pelo cinza em peças sem exageros, e com vários detalhes-destaques: a saia envelope e o decote frente unica estão com tudo.
As Estampas Étnicas do Tufi Duek
Inspirado na cultura Indianista, Eduardo Pombal (estilista da grife) apostou numa coleção cheia de estampas étnicas  texturas, grafismos e trançados, em modelos que acompanharam fielmente a proposta do desfile. Com pulseiras ridículas coloridas nas pernas, as modelos usaram principalmente vestidos rodados e estruturados, que pela escolha do material pesado e volumoso, acabou dando uma engordada até nas magrinhas modelos. Não é uma boa opção.
A Festa de Samuel Cirnasck
O melhor desfile do dia, sem dúvida! Phyno, ryco e elegante, os lindos vestidos de festa não foram de cores fortes e baphonicas. Preto e branco, ou tons pastéis, em vestidos rendados e bonitos. A melhor parte da coleção, sem duvida. Só que quando o estilista decidiu apostar em modelos mídis, justos e com transparências mais geométricas, toda a magia das rendas foi pelos ares. Transparências surgiram para serem sutis e só um detalhe a mais. Os dos vestidos foram tudo, menos sutis. Transparências pesadas que se tornaram vulgares. O melhor desfile pelas peças longas, mas só.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

Cidade das Cinzas

Cidade das Cinzas por Cassandra Clare ( Instrumentos Mortais #2)

Normalmente eu coloco o aviso de spoiller mais abaixo, mas desta vez é precaução mil. Se vc ainda não leu Cidade dos Ossos, não leia essa resenha! Clique aqui e será redirecionado a outras resenhas!

No mundo dos Caçadores de Sombras, ninguém está seguro. E agora que Clary descobriu fazer parte do perigoso Submundo, sua vida nunca mais será a mesma. Jace, seu recém-descoberto irmão, está cada vez mais impossível, e não parece medir esforços para enfurecer a todos. E sua atitude de bad boy não ajuda em nada quando, após o roubo do segundo dos Instrumentos Mortais, a Inquisidora aparece no Instituto para interrogá-lo... Agora Jace é suspeito de ajudar o pai, o perverso Valentim, num plano que vai colocar em risco não só a Idris ou o Submundo, mas toda a cidade de Nova York. E Clary não pode deixar de se perguntar: será que as ironias de Jace são só uma forma de chamar atenção, ou também pode haver uma traição por trás de tanto mistério?


Editora: Galera Record
ISBN: 9788501087157
Páginas: 406
Comprar
Livros anteriores: Cidade dos Ossos


Eu já tinha avisado no Twitter (segue lá @GirliePoderosa) que assim que terminasse o livro, eu ia ficar fragilizada. Dito e feito. Estou com os olhos cheios da água, um bolo na garganta e o coração super apertado. A minha playlist de animar não tá funcionando, meus filmes favoritos não dão certo, episódios de séries amadas, trechos de Sophie Kinsella... Tudo volta para um ponto. Jace. Clary. Jace e Clary. 


Clary é filha de Valentim, o cara malvado que além de roubar o Cálice Sagrado, um dos Instrumentos Mortais capaz de criar novos Caçadores de Sombras, também roubou a Espada da Alma, o Instrumento que consegue desmascarar mentiras dos Caçadores. 


Como se já não fosse pouco, ela está envolvida em um triangulo amoroso com o melhor amigo, Simon, e o irmão, Jace, que por sua vez, está sendo acusado de ajudar Valentim no roubo dos Instrumentos, já que ambos são um tanto parecidos: irritantes, sarcásticos e com um magnetismo natural. E se não fosse pouco, tem a cruel Inquisidora que está no Instituto para julgar (e punir) Jace pelos supostos planos malignos que faz com o pai.


Até agora, não vi ninguém que leu a série e se importou com o fato de Clary e Jace serem irmãos. Sou só mais uma que está desafiando todos os princípios morais e religiosos pelo amor dos protagonistas. Acompanhei todo o crescimento da relação deles: do ódio inicial à paixão. Lamento, mas nem as brigas deles são brigas de irmãos. Desse assunto tenho experiencia, e vou te dizer, as brigas de Clary e Jace não tem nada a ver com a TPM batendo de frente com a testosterona. 


As vezes é estranho pensar como tudo começou. Naquela época, na boate Pandemônio, a vida de todos era mentira. Uma doce, suave, com-mais-chances-de-happy-end mentira. Produção, pode parar tudo e voltar no tempo? Se o Valentim não fosse um cara mau, Clary e Jace poderiam ter sido criados como irmãos, nunca teriam se apaixonado e Simon seria o namorado perfeito. Só que não foi isso que aconteceu. Então não vai ser isso que deve acontecer.


Eu já tinha desenvolvido uma brilhante tese sobre séries: o primeiro livro você ama, o segundo odeia e o terceiro te destrói. Só que com Instrumentos Mortais essa minha teoria falha. E feio. Nunca tinha considerado uma série inteira como favorita. Nem Harry Potter. Mas essa sim! Cidade das Cinzas não é só mais um rito de passagem. Eu amei. O livro me destruiu, me deixa triste e toda hora me pego pensando nisso, do mesmo jeito que foi com Cidade dos Ossos, do jeito que vai ser com Cidade de Vidro, Cidade dos Anjos Caídos e todo o resto da série!


Cassandra é um gênio! Ela uniu tudo: o personagem desejo da Becca Fitzpatrick, a leveza da narrativa da Meg Cabot, o sobrenatural da Lauren Kate, tudo de um modo original, que junto com o romance incomparável, com cenas de ação de tirar o fôlego, uma protagonista incrível e um jeitinho especial de fazer a história cativar e fluir, ela se tornou minha escritora favorita. Em mais de 850 páginas, a autora não se perdeu em momento nenhum! A melhor escritora que já vi!


Fazia muito tempo que não passava um dia todo lendo! Ontem a noite, quando terminei, estava de pé na cama, com o rosto lavado de lágrimas e uma raiva louca do Jace. Tenho pena do meu pobre travesseiro que eu mordi de tanta frustração (#edwardfeelings). O difícil (praticamente impossível) vai ser esperar até setembro pelo resto - principalmente agora que to obtendo sucesso em ler em inglês e a Saraiva tá com preços de matar!


"- Você acha que ela vai conseguir colocar um pouco de juízo na cabeça dele? - perguntou. - A irmã? 
- Se ele der ouvidos a alguém, será a ela. 
 - É bonitinho - disse Maia. - Que ele ame a irmã desse jeito. 
 - É - disse Simon. - É uma graça."
Página 57
"- Não tenho certeza que exista uma vida normal. 
 Clary olhou para o braço onde Jace havia desenhado a única Marca que ela havia recebido. Ainda podia ver o traçado branco como um laço que havia deixado para trás, mais uma lembrança do que uma cicatriz. 
- É claro que eu quero me afastar de toda essa maluquisse, mas e se a maluquisse vier atrás de mim? E se eu não tiver escolha? 
 - Talvez você não queira se afastar da maluquisse tanto assim - murmurou Simon. - Pelo menos não enquanto Jace ainda estiver envolvido."
Página 76


Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

13 de jun de 2011

Strange Angels

Strange Angels por Lili St Crow (Strange Angels #1)


O Mundo Real é um lugar apavorante. Basta perguntar para Dru Anderson, uma órfã de 16 anos - garota durona que já acabou com sua parcela de bandidos. Ela está armada, é perigosa e está pronta para atirar primeiro e perguntar depois. Então, vai levar um tempo até que ela possa descobrir em quem confiar. Dru Anderson se acha estranha por mais tempo do que é capaz de se lembrar. Ela viaja de cidade em cidade com seu pai, caçando coisas que nos aterrorizam à noite. Era uma vida bem esquisita, mas boa - até que tudo explode em uma cidade gélida e arruinada de Dakota, quando um zumbi faminto arromba a porta da cozinha. Sozinha, aterrorizada e sem saída, Dru vai precisar de cada pedacinho de sua esperteza e treinamento para continuar viva. Seres sobrenaturais decidiram ser os caçadores - e desta vez, Dru é a presa. Chance de sobrevivência? De pouca a nenhuma. 


Editora: Novo Século
ISBN: 9788576793922
Páginas: 288
Comprar

Vamos calcular! Comece somando uma capa linda e uma sinopse instigante. Coloque alguns comentários negativos sobre a narrativa maçante. Tinha acabado de sair de um livro perfeito com um tema bastante parecido. Falando em Instrumentos Mortais, meu Cidade das Cinzas chegou um dia depois de começar a ler Strange Angels, ou seja, lê rápido para terminar logo. Resultado? As chances de gostar era mínimas, e como cálculos são exatos, eu não gostei.

"Oi. Meu nome é Dru Anderson. Meu pai surtou legal depois que minha mãe morreu e agora viaja por aí caçando coisas que pulam na noite matando coisas que só se acham em contos de fadas e histórias de horror. Ajudo-o quando posso, mas na maior parte do tempo eu incomodo, ainda que consiga adivinhar onde algo não humano pode dar as caras. Estou cabulando aula porque daqui a três meses não vou estar mais aqui. Nada dessa droga interessa porra nenhuma."
Página 27

Esse é o mundo de Dru, uma garota de dezesseis anos que vive pulando com o pai de cidade em cidade em busca de demônios, vampiros, lobisomens e seres da noite. Isso até seu pai ser transformado em zumbi, e ela ser obrigada a matá-lo (ou só terminar o serviço). Orfa e tentando ao máximo evitar a casa onde está o corpo de seu pai, ela sai com Graves, o garoto gótico meio oriental que sentava na sua frente na aula de História dos Estados Unidos e que mora em um shopping.

Mas não é pq seu pai morreu que as criaturas noturnas vão deixa-la em paz. Lobisomens, zumbis e outros seres estão caçando Dru, ameaçando não só sua segurança, mas a de Graves, que se meteu na roubada junto dela.

Pela sinopse oficial vc imagina que o livro seja a história inteira naquela noite. Se a narrativa fosse fluida, 288 páginas sobre uma noite assombrada numa luta com um zumbi seriam não cansariam - afinal, a história tem tudo para ser maravilhosa. Só que a Dru é o problema. Sabe aquela pessoa que pensa uma coisa, faz outra, se arrepende de não ter feito uma terceira e depois se toca que o mais certo era aquela quarta ação? Ela não me cativou.

Não vou dizer que o livro é 100% sem graça. Digamos que a história começa a pegar ritmo e ficar interessante pela página 200. Ah, Joana, quanta maldade, ser legal faz bem sabia?! Tá, a história fica boa a partir da 192 (desculpa, consciência, mas não posso fazer melhor que isso). Ele deixa a abertura para Traições, o volume dois da série, ser de tirar o folego. Eu já tenho o livro, mas tem mts na frente - e a vontade não tá mt grande, sabe?!

O que é estranho é que mundo sobrenatural é chamado de Mundo Real. Não tem mt lógica nisso. Nós vivemos no mundo normal... Perai, nós virgula, vou saber se vc não aproveita o tempo livre matando zumbis? !

A história é boa, a Dru é chata, a capa é linda e o preço é camarada. Não sei, talvez esse livro seja só mais um ritual de passagem para Traições abalar a literatura (aham, sei), mas não é aquela leitura imperdível. Mas acho que vou gostar de Traições.

"As outras garotas não têm pais que gritam com elas "faça seu trabalho, não importa a dor", "bata com mais força", "entra lá e mata, mata, mata!". Outras garotas nunca encheram garrafas térmicas com água benta, nem entregaram munição por uma janela enquanto seus pais enfrentavam coisas que rastejavam depressa, como baratas gigantes mutantes."
Página 20
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

12 de jun de 2011

Aula de Make: Sweet!

Eu sei que tenho deixado o assunto "Make" mais esquecido e focado na moda e literatura, principalmente. Mas isso não quer dizer que eu abandonei o assunto. NOT! Só preparado algo novo, diferente e especial aqui pro blog! E vcs vão gostar!

Enfim. Convidei uma amiga minha, Rafa, que é mestre da maquiagem, sabe vários truques e maneja uma caneta delineadora como ninguém para fazer um tutorial especial! Uma maquiagem mais doce e leve tá com tudo! É feminina, bonita e não fica daquele jeito acordei-e-sai-assim, que em alguns casos chega a parecer desleixo. Dá usa de dia ou noite - aproveite (ainda mais hoje, Dia dos Namorados e tals).

#comofaz:
  1. Com a pele limpa, comece pelo Primer. Ele ajuda a fixar a maquiagem, diminui a oleosidade, linhas finas e deixa a pele super macia. Truque: espalha de baixo para cima SEMPRE, ajuda a dar rigidez à pele!
  2. Depois prepare a pele normalmente, com base-corretivo-pó. A ordem pode variar qt a base ou corretivo, mas o pó por ultimo!
  3. Para fazer o olho, comece com um rosa bem clarinho em toda a pálpebra móvel, deixando mais forte no canto interno.
  4. Agora pegue um tom mais forte e esfume do canto externo indo para o concavo, marcando bem.
  5. Em baixo da sobrancelha passe um tom bem claro, perolado, para iluminar. Vale usar iluminador.
  6. Passe um lápis branco na marca d'água, que aumenta o olhar. Vale tb apostar no lápis bege que deixa mais natural. Aproveite e passe bem no canto interno para iluminar. 
  7. Pegue um lápis preto e passe rente ao cílios inferiores, abaixo na linha d'água. O truque para não borrar é apoiar a mão no rosto e vai puxando em direção ao canto externo do olho.
  8. Use um batom matte rosa médio. Se quiser deixar mais noite, substitua por um batom vermelho.
  9. Finalize a boca com um gloss incolor ou um tom mais claro que o batom só no centro dos lábios, para dar sensação de aumentar.
  10. Para aquela carinha de saúde, use um blush mais rosado. Sabe aquele velho truque de sorrir e passar na parte da bochecha que levantou? Exato - não tem erro. Se vc tem o rosto redondo (oi?) dá para passar um blush mais escuro no osso da bochecha para diminuir um pouco. 
  11. Para quem gosta de cílios bem curvados, não pode esquecer o curvex. Detalhe: NÃO FECHE O OLHO! E, vale ressaltar, que não dói! Pressione contra os cílios por mais ou menos vinte segundos. Termine com várias e várias camadas de rímel! Não esqueça os cílios inferiores e os superiores do canto interno.
Borrei, e agora? 
Sem drama e nada de esfregar e borrar todo o resto! Pegue um cotonete SECO e pressione contra a "mancha" que ela sai sem drama. 

Sombra usada: Sombra Provence Ref 02 - PAYOT - Tem uma boa pigmentação, o unico defeito é que tem os micro brilhinhos.
Batom usado: PAYOT 152, Chic - é super opaco, fica lindo.

E, ai? Gostaram?
Deixe nos comentários o que vcs querem ver nos próximos tutoriais e se tiverem duvidas sobre maquiagem...
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa