31 de jan de 2011

O melhor dos dias 1 e 2 - SPFW

Oii,
Novamente estou atrasada com os posts de desfiles (sorte que tem uma pausa até a NYC Fashion Week), mas eu já me organizei e sei como organizar tudo sem pirar (finalmente as agendinhas q ganhei nos meus aniversarios de 9/10/11 anos estão tendo utilidade - até agr já foram 3 e meia \\õ), mas voltando hj vai ter os meus desfiles preferidos do 1º e 2º dia, amanha do 3º e do 4º e dps eu consigo assumir o dia certo com o desfile certo. #superação
Triton: O melhor desfile do primeiro dia da SPFW, fechando o dia com chave de ouro. Com direito a Paris Hilton e seu famoso andar "galope em camera lenta", a marca se inspirou no desejo de informações das grandes cidades, fazendo um perfeito de mix de referencias: moda japonesa com alfaiataria, somado a toques esportistas e discretos detalhes militares. O trabalho de Karen Fuke (estilo), Daniel Ueda (stylist) e Robert Estevão (beleza) resultou numa coleção mais madura do que estamos acostumadas com a Triton. Mas anota ai: Lã, renda, peles falsas e aveludados em cortes clássicos nas cores cinza mescla, azul marinho, caramelo, verde limão e amarelo.


  Ellus: Eterna apaixonada pela Ellus, pirei com a inovação: apresentação em 3D. Deixe-me explicar: a Bienal virou uma sala de cinema com direito a pipoca em caixinha chic e filme em 3D – estrelado por Aline Weber. A inspiração não podia ser mais cool “Viagem em um espaço virtual em um futuro imaginario” – não sei pq, mas acho q a Lady Gaga ia pirar nessa coleção tanto qt eu! Bem streetwear espacial (eu imagino que seja pq eu nunca vi a moda de rua no espaço, e olhe que sou de Marte!) , inspirado nas roupas de astronauta com muitas peças enceradas, incluindo couros, silhueta adesiva com calças justíssimas e partes de cima com mais volume, com destaque para as jaquetas perfãs!
 Neon: Dividido em duas partes o desfile da coleção de Dudu Bertholini e Rita Comparato foi tão fofa, tipo assim: own!!! A primeira parte do desfile foi bem artistico, numa atmosfera subversiva e boemia, com foco no preto, branco e vermelho. SUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUPER GIRLIE! Já a segunda parte teve uns toques etnicos, mt cor (amarelo, rosa, azul, verde, laranja), grafismos e humor sobressalente. Mas independente da parte do desfile, a passarela ficou dominada de beijos! Estampas, pingentes... Como diria Gossip-diva-Girl: XOXO

 Alexandre Herchcovitch (fem): Eu adoooooro flar Herchcovitch (tive até uma Joaninha de estimação com esse nome – só que ela morreu umas sete hrs dps q eu a adotei - #triste), mas voltando ao desfile. Confesso que achei o tema um tanto exotico: Rochas e cinzas vulcanicas (e agr vc pergunta o q tem de exotico nisso. Respondo: SÃO ROUPAS INSPIRADAS EM ROCHAS E CINZAS VULCANICAS – É exotico!), e esse conceito foi feito para se destacar mais que as roupas. Peças com efeito propositalmente gasto, com tricô rústico em malhas e saia, em casacos e vestidos com desenhos de nervuras (como as das rochas) que faziam brotar o colorido de um tecido costurado nas entranhas de casacos e vestidos foi a parte previsivel do desfile, mas msmo assim... É loosho! Então anote: preto e amarelo citrico em peças soltas é super Alexandre Herchcovitch Outono Inverno 2011!
PS: Lembrando que hj é o ULTIMO DIA pra se inscrever no sorteio do livro FLASH: Você sabe o que eu tenho?, então corre lá!
Bjs,
Para vc q me ama, Girlie Poderosa

29 de jan de 2011

Entrevistando: Tammy Luciano

Oii,
Outro sabado, outra entrevista (não necessariamente nesta ordem). Tammy Luciano é autora dos livros Sou Toda Errada, Fernanda Vogel na Passarela da Vida e Novela de Poemas. Alem de escritora, Tammy é atriz e, claro, mt simpatica!
GP: Seu ultimo livro, Sou Toda Errada, é uma historia adolescente, diferente de seus outros livros. Por que mudou o genero?
TL: Sou Toda Errada é oficialmente para o público jovem adulto, assim como meus outros livros. Eu mudei o gênero, mas não mudei o público. Meu primeiro livro (Fernanda Vogel na Passarela da Vida) é uma biografia para o público jovem, o segundo (Novela de Poemas) é uma coletânea das minhas poesias para esse mesmo público. Sou Toda Errada é uma evolução natural do meu trabalho. Eu escrevi anos peças de teatro (Tammy tem mais de 25 textos de dramaturgia) e queria assumir de uma vez por todas minha carreira de escritora, escrevendo romances. Eu escrevo o que estou afim no momento e meus livros são reflexo dos meus sentimentos na época. Ainda me surpreendo um pouco quando meninas novinhas me pedem autógrafo e já impedi uma mãe de comprar o livro. A filha dela tinha só dez anos e a história de Sou Toda Errada não é para esse público. A mãe aceitou minha dica, mas comprou o livro mesmo assim para ela ler. Depois me procurou, elogiou o texto, mas concordou que realmente a filha dela não podia ler. E eu não pretendo mais escrever biografia. Meu próximo livro é um romance também, uma história de amor que adorei escrever. Só que dessa vez a personagem é super do bem, querida, mas vive um mistério enorme.
GP: Qual a historia de Sou Toda Errada (contado pela escritora é mais emocionante)?
TL: Eu sempre quis escrever um livro em que a protagonista fosse a vilã, uma moça bem longe de mocinha. Um dia, um amigo comentou sobre uma ex-namorada maluca e eu achei o tema interessante. Fiz algumas perguntas sobre a convivência com a ex e a ideia ficou na minha cabeça. Conversei com outros amigos sobre suas ex-namoradas e escutei algumas histórias que inspiraram o livro. A Mila é bem real, pode ser uma conhecida de qualquer um de nós. Fico feliz de receber tantas mensagens queridas, os comentários individuais de cada pessoa, leitoras que se reconhecem nas entrelinhas... A Mila sacode qualquer um e faz pensar. O livro se tornou maior do que eu imaginei. Uma linda surpresa!
GP: Seu livro passa uma lição de moral com toda a história de Mila pós namoro? Por que escolheu esse tema?
TL: Nãooooo... Meu livro não tem lição de moral. Pelo contrário, a Mila é amoral, ela abre o verbo, fala mal das pessoas, incomoda com suas declarações. Eu não me censurei e escrevi o livro mergulhando naquele universo sem muito pudor. O que uma garota revoltada sente quando é deixada? O que uma garota confusa emocionalmente pensa logo após seu namoro terminar? Eu fui escrevendo e respondendo essas perguntas com novas perguntas. A Mila é um grande questionamento. Confesso que no começo tinha medo das reclamações dos leitores. Ainda bem só recebo carinho! As pessoas são muito queridas, entendem Sou Toda Errada como uma obra de ficção e repensam a Mila junto comigo.
GP: Você é parecida com a Mila?
TL: Ainda bem que não. Ela é louca! A coragem dela é envolvida em inconseqüência e atitudes absurdas. Eu sou adepta da sensatez. Quando o livro saiu, algumas pessoas comentaram que podia ser uma biografia da autora. Eu não me preocupei. O livro é uma invenção e o tempo foi esclarecendo isso. Na minha vida particular, eu conjugo a máxima: ex-namorado fica no passado. Jamais faria o que a Mila fez, batalhar por um amor morto. Acabou, acabou. A gente chora tudo no travesseiro, mas segue a vida e vai ser feliz de outra maneira, porque a vida é linda, intensa e nasceu para ser grandiosa pra todo mundo.
GP: E os outros personagens? Foram inspirados em alguem?
TL: Acho que sempre tem algo de alguém nos meus textos, dos meus amigos, dos dias que eu passo, das experiências. O escritor só escreve sobre o que sabe, mas eu tento diluir e fugir do meu universo até para não identificar pedaços inteiros de mim mesma nos meus livros. Então, a pessoa está ali lendo mas não sabe se foi algo que eu vi, vivi ou escutei de alguém. Costumo dizer que meus textos são um grande liquidificador da minha rotina com uma certa poesia. Algumas amigas minhas acham graça da possibilidade de estarem nas minhas histórias.
O Mauro, o namorado da Mila, é um personagem especial com qualidades dos caras legais que a gente observa na vida. Muita leitora questionou como a Mila tratava mal um cara tão legal como ele. Já o ex-namorado dela, eu demorei até a declarar o nome dele no livro. O leitor fica sem saber direito quem é esse cara. Será que tudo que a Mila diz do ex é verdade? Gosto dessa ideia de não entregar tudo, do livro não ser óbvio. Se o leitor reclama, só posso dizer sinto muito.
Eu adoro a ideia de montar o emocional e o físico dos meu personagens com detalhes da minha visão pessoal. Um cabelo que eu vi e gostei, um olhar, um caminhar marcante... um jeito de falar, um comportamento...
GP: Quantos anos você tinha quando viu que queria ser escritora? Por que?
TL: Eu sempre tive uma relação muito positiva com os livros, achava lindo o objeto livro, mas não tinha noção da mudança que a literatura causaria na minha vida. Com 14 anos, eu já tinha muitos cadernos e agendas ao meu redor. Quando me dei conta que escrever libertava meus pensamentos, não parei mais. Acho que a adolescência foi o marco, foi quando me vi rodeada por livros, histórias e uma chance de futuro muito doce.
GP: Alem de escritora, você também é atriz. Se tivesse que escolher entre escrever e atuar, qual ganharia? Por que?
TL: Ai, não. Eu fujo dessa pergunta e espero que o destino nunca me peça isso. Eu amo atuar, mas acho que estou hoje mais escritora do que atriz, já que minha carreira nos livros está dando muito certo. A atriz dentro de mim continua viva e espero sempre poder conciliar as duas carreiras.
GP: Por que o titulo Sou Toda Errada?
TL: O livro ia se chamar Garota Inferno Azul. Primeiro, as pessoas próximas não curtiram e eu comecei a pensar que o livro era dedicado para minha avó, que mora atualmente no céu, e imaginei ela detestando um livro dedicado para ela com a palavra inferno no meio do título. Aí decidi mudar. Por acaso achei duas vezes na internet garotas dizendo: Sou Toda Errada. Fiz uma busca e percebi que não existia um livro com esse título. Fiquei muito feliz e acho que foi um achado.
GP: Como foi escrever a biografia de Fernanda Vogel?
TL: Foi lindo! Foi um dos momentos mais emocionantes da minha vida. Escrevi uma crônica falando da Fernanda, a mãe dela (Myrian Vogel) adorou e me convidou para escrever o livro. Quando eu imaginar mudar minha vida para sempre? Fernanda é minha modelo preferida e apesar de nunca ter encontrado com ela, ela faz parte da minha vida. O livro me ensinou a viver melhor, trabalhei muito para ele dar certo e foi uma enorme realização. Myrian Vogel é minha madrinha literária. Quem não leu, leia o livro! A vida da Nanda emociona e espero que vocês gostem.
GP: Como surgiu a ideia de fazer as Crônicas Falada?
TL: Acho que eu fiz o Crônica Falada para o meu pai! Ahahahahha... Eu amo escrever e amo me comunicar. O Crônica surgiu da vontade de falar em voz alta meus textos, abrir meu coração declarando meus pensamentos em textos escritos para os meus leitores. É uma maneira de dizer: Eleitorado, eu tô aqui!!! Depois que saí do TV Fama, senti saudade da TV. O Crônica Falada é uma maneira de continuar com a minha TV. Nunca fui de esperar nada de ninguém e sempre me meti a realizar meus sonhos. Então, decidi gravar meus vídeos (www.youtube.com/tammyluciano) com textos que eu escrevo e de repente o povo adorou. O Não Refica é um vídeo que adorei fazer porque os leitores sempre comentam. É o conselho que eu dou: Se aquele cara vacilou, não refica!
GP: Como foi ser reporter do TV Fama?
TL: Foram anos acelerados e intensos. Eu tentei dar o melhor de mim, esquecendo que o foco do programa é a fofoca e tentando focar mais no lado cultural. Tenho orgulho de dizer que consegui exclusiva com Marisa Monte, MV Bill para um programa que divulga muito as moças frutas. Mas o TV Fama passou na minha vida e eu aproveito aquele momento como uma experiência válida para as minhas conquistas profissionais.
GP: Qual o recado que você daria pra quem quer ser escritor?
TL: Escrever não é para fraco. Seja guerreiro! O dedo dói, a cabeça funciona o tempo todo, a alma pulsa, os sonhos voam alto mas a realização é muito especial. Não escolha essa carreira pensando em dinheiro porque é preciso amar esse trabalho para ele funcionar da melhor forma. Ande com um caderno na bolsa. Eu anoto frases que depois me abrem portas.
GP: Por fim, deixe um recado para as fãs?
TL: Meus lindos, obrigadaaaa!!! Minha vida passou a ter mais sentido com a presença especial de vocês na minha vida. Ah, posso fazer um agradecimento especial? Um enorme obrigada para a minha Top Fã (como ela mesma diz) a Pri Beletato (@pribeletato) que torce por mim, me divulga e apoia de maneira tão querida que volta e meia me faz chorar.
Obrigada para o Poderosas E Girlies! Tô me sentindo muito chique aqui. É ótimo poder falar dos meus livros, dividir com vocês momentos tão especiais da minha vida e dos meus livros! Sejam sempre felizes!Bjinhos. Tammy
Fofa ela, né?
Agora só não pode esquecer de acrescentar Sou Toda Errada no seu carrinho a proxima vez que comprar livros, ok?
PS: Mesmo com os devidos creditos a copia total ou parcial desta entrevista é extremamente proibida.
Bjs,
Para vc q me ama, Girlie Poderosa

28 de jan de 2011

Noite Eterna

Oii,
Dps de quase uma semana lendo Noite Eterna, consegui finalmente devorar as qse 300 paginas. E não é que o livro seja ruim, comprido ou enrolado... porque ele não é (talvez um pouco enrolado, mas enfim). Simplesmente as primeiras paginas do livro me deixaram tãão indignada q a vontade de chegar até o fim *puf*, evaporou.
Bianca é transferida para um internato centenario, frequentado por familias tradicionais, a Noite Eterna. Só que ela não queria ir, foi obrigada pq seus pais iam ser professores no lugar. Mas a Noite Eterna não é uma escola comum, e Bianca quer fugir. Só que na fuga, ela conhece Lucas, um aluno q tb parece ter dificuldades de se encaixar na perfeição da maioria dos alunos. E aí né, bem...
Tá, (não necessariamente) vamos voltar no tempo: Em toda sua vida vc já ouviu pelo menos uma vez que vc tem q desenvolver a sua criatividade. Mt gnt diz isso: seus pais, seus professores, seus avós, a Xuxa... Enfim. Então, vc começa  a ler um livro onde a resenha dele é um suspense, a contra-capa dele é um suspense, a orelha dele (que eu li) é um suspense... Você quer saber o mistério daquele livro, automaticamente, vc vai desenvolver sua criatividade. ENTÃO, CLAUDIA GRAY, POR QUE VOCÊ DIZ NO PRÓLOGO O MISTÉRIO DA HISTORIA? TUDO BEM QUE O TITULO REMETE A VAMPIROS, MAS PRECISA CORTAR O BARATO DE QUEM TAVA A FIM DE INOVAR E "SER CRIATIVO''?
Que coisa! Eu me estressei deveras qt a isso. Eu estava realmente a fim de algo misterioso, cheio de suspense e q me fizesse criar uma lista de possiveis soluções, então pq no prólogo está que o livro fala de vampiros? Vamos usar a imaginação, poxa!
Outra coisa que me tirou do sério foi a falsa ignorancia de Bianca na primeira parte do livro. Desde o inicio ela sabia de todos os mistérios, então pq ela ficava tão pasmada com a fachada sombria e os segredos de Noite Eterna? Ela parecia ser tão ignorante qt Vic e Raquel (os amigos dela que REALMENTE não sabiam de nada). Não falo em Lucas, pq ele tb é um falso ignorante. Opa, spoiler!
Mas dps de toda minha irritação profunda por causa da historia, eu amei o livro! Bianca irrita se fazendo de boba e Lucas é realmente estranho no inicio do livro, mas eles formam um casal tão cuti-cuti! Ainda não me decidi se eles são melosos ou não. Por ex, eles não são piegas como Bella/Edward (Crepusculo), mas tb não são tão nem-ai como Janie/Cabel (Wake - flo somente do primeiro livro da série de Lisa McMann, se eles ficam mais romanticos apartir do segundo livro já não sei).
Ok, eu preciso ler Caçadora de Estrelas e Nevoa do Tempo, (já vou eu reclamar dos finais sem finais) mas livros q a historia não tem fim me irritam - e me deixam depressiva #comofaz
Vou começar a ler Hospedeira, ou seja, se a resenha estiver por aqui em menos de uma/duas semanas, considere milagre.
Bjs,
Para vc q me ama, Girlie Poderosa

27 de jan de 2011

Selo de Qualidade

Regras
1) Dar o link de quem te indicou: Diario da Leitura
2) Responder:
Nome: Girlie/Joana
Uma música: Lovesick - Emily Osment
Humor: Ultimamente, MT feliz
Uma cor: Rosa
Uma estação: No inverno, quero verão e no verão quero inverno. Não gosto de meio termo.
Como prefere viajar: Dormindo.
Um seriado: Pretty Little Liars *---------*
Frases mais ditas por você: Eu ando mt chique / Estou ocupada / Eu mereço! / Quando eu ficar rica e famosa... / Eu me amo/ Minhas leitoras são as melhores do mundo e não discuta.
O que você achou do selo: PERFÃ!
3) Indicar blogs:
Connected in the music
All POP Stuff
Garota It
Blog da Michelle Bueno
LÊ Chic

The Best of Fashion Paris Alta Costura

Bonjour, belle lecteurs
J'ai passé tellement de temps en France que les Français maintenant tourné. Mais revenons, ontem teve uns imprevistos e não pude postar sobre o dia 2 da Semana de Moda Paris Alta Costura. Para variar, acumulou grifes. Alors, vou fazer o melhor do segundo e do terceiro dia. Laissez-les:
Chanel: Confesso que estava curiosa com o desfile. No ultimo, ela relançou os Clogs, dessa vez o que seria? Inspirada na China, a coleção assinada por Karl Lagerfeld não apresentou brincos e colares de pérola (sua marca registrada), mas toda em prata, rosa, branco, preto e cinza pérola trouxe transparencias, bordados, laços, quadril marcado por fitas e brilhos. Super girlie, PIREI com a coleção. Un luxe! #euquero

 Jean-Paul Gaultier: Numa mistura de cancã frances e punk londrino, a coleção foi um knock-out! Segundo o estilista, o objetivo da coleção era algo moderno, esculpido, claro e grafico. Cheia de plisses, a coleção conseguiu unir a leveza dos (#adooooooooooro) babados cancã e o anticonformismo do punk deixando uma ideia suuper Paris! Mas não dá pra esquecer da marca registrada de Gaultier: espartilhos e marinheiras.

 Valentino: Nude e preto dominaram a coleção assinada por Maria Grazia Chiuri e Pier Paolo Piccioli que teve toques de rosa bebe e vermelho. Delicadeza das borboletas foi o ponto de partida da coleção que teve pregueados e plissados, em organza e renda Chantilly. Un amour!

 Elie Saab: A grife, super red carpet, trouxe uma mostra dos modelos que vamos ver no Oscar 2011. Achei lindo, lindo, lindo, lindo - très beau! Tomara que caia e ombro unico dominaram a passarela nos modelos de tule, chiffon e renda com aplicações. A cartela de cores veio em tons de nude, vermelho, verde musgo, preto e lilás. PRÉCISE!

Bisous, effectuera une visite de la Tour Eiffel
Pour vous qui m'aimez, Girlie Poderosa

25 de jan de 2011

Semana de Moda Paris Alta Costura Dia 1

Oiii,
Semana de moda Paris alta costura começou ontem, e diferente do que eu fiz na Fashion Rio, dessa vez eu não me atrasei, e vou fazer a cobertura por dia!
Alexis Mabille: Os vestidos de festa, principalmente moda noiva, estavam perfeitos! Cheio de detalhes,  transparências e texturas, os vestidos não trouxeram mts cores. Alem do branco, preto, vermelho, azul, coral e alguma estampa marcaram a tabela de cores de Alexis. No mais, delirei!






Bouchra Jarrar: O desfile foi marcado pela silhueta marcada, tecidos pesados e cores sóbrias, como preto e branco. Os acessórios ganharam uma importância maior nos looks (pirei com a gola de lã) que foram super estruturadas, uma nova versão das roupas sociais. Repare: O make tava bem nude. Mais nude que tal só se apagassem a a boca e a sobrancelha como fizeram na Semana de Moda Alemã (que foi baphonica, convenhamos).


Alexandre Vauthier: Foi um desfile máster bapho! Bem sexy, as roupas vieram com decotes enormes e fendas laterais gigantes. A soma dos dois itens acima ficou vulgar. A paleta de cores ficou em preto, branco, dourado e prata. Cheio de tecidos esvoaçantes, Alexandre super abusou das estruturas!





Christophe Josse: Babei litros (mentira, eu não babo). A grife de vestidos de gala (prepara-se para ve-los no tapete vermelho do Oscar! Com balones, tecidos delicados e esvoaçantes, os vestidos mara tiveram decotes avantajados, transparências estrategicamente localizadas e super texturas estruturadas deram um toque loosho as roupas da grife!






Giorgio Armani Prive: Juro que eu tava esperando mt loosho das roupas da grife. Que decepção! Assim q as modelos entraram na passarela com boinas e chapeis que tapavam boa parte do rosto, batons de tons diferentes (ainda não acostumei). Claro, esse não foi o ponto alto do desfile, é claro. AS ROUPAS! Tecidos metalizados, texturas, estruturas, tons discretos. Bom, só podia ser discretos já que as ,roupas brilhavam!! No geral, #fail!





Christian Dior: Esse foi o desfile que mais esperei e não me decepcionou!!!  As roupas bufantes com saias de armação generosas ficaram super Love Story (é, to flando da musica fofa e apaixonante da Taylor Swift. Digamos que se fizerem um clipe 2, com certeza os vestidos dessa coleção seriam usados). No mais, as estruturas cheias de babados conquistaram a passarela. Detalhe: os sapatos (#euquero) e as luvas phynna!



PS: Primeiro blog MUNDIAL a comentar os desfiles!
Bjs,
Para vc q me ama, Girlie Poderosa